LEER Y ESCRIBIR EL MUNDO CON MATEMÁTICAS: REFLEXIONANDO SOBRE LOS ESTEREOTIPOS Y LA VISIBILIDAD DE LA COMUNIDAD LGBT +

Palabras clave: Educação Matemática Crítica, Visibilidade, Estereótipos, Comunidade LGBT , Leitura e escrita do mundo com a matemática.

Resumen

Vivimos en una sociedad marcada por injusticias basadas en cuestiones sociales y estereotipos producidos para ciertos grupos y que dicen cómo deben ser y qué deben hacer. La violencia que sufren estas personas son barreras que limitan posibilidades que pueden y deben romperse, mostrando que otras realidades son posibles. Las matemáticas no son neutrales y pueden romper con los estereotipos existentes o ayudar a reproducirlos. Cabe mencionar que tiene su carácter transformador y debe ser considerado como con el poder de promover una lectura del mundo, echar una mirada crítica a la sociedad y, también, realizar transformaciones, es decir, la escritura del mundo. El objetivo de este trabajo fue comprender cómo el tema de la visibilidad y los estereotipos se puede investigar con las matemáticas y discutir en un espacio de la comunidad LGBT + en la búsqueda de superar las injusticias y ampliar las posibilidades de vida. Pudimos darnos cuenta de que la comunidad LGBT + todavía está muy marcada por estereotipos y que una mirada crítica a la forma en que ha sido retratada es importante para que se lleven a cabo las transformaciones.Palabras clave: Educación Matemática Crítica. Visibilidad. Estereotipos. Comunidad LGBT +. Leer y escribir el mundo con matemáticas.LER E ESCREVER O MUNDO COM A MATEMÁTICA: REFLETINDO SOBRE ESTEREÓTIPOS E A VISIBILIDADE DA COMUNIDADE LGBT+ResumoVivemos em uma sociedade marcada por injustiças pautadas em questões sociais e em estereótipos produzidos para determinados grupos e que dizem como devem ser e o que devem fazer. As violências sofridas por estas pessoas são barreiras limitantes de possibilidades que podem e devem ser rompidas mostrando que outras realidades são possíveis. A matemática não é neutra e, pode tanto romper com estereótipos existentes, como ajudar a reproduzi-los. Vale ressaltar que ela possui seu caráter transformador e deve ser considerada como tendo potência para promover uma leitura de mundo lançando um olhar crítico para a sociedade e, também, para realizar transformações, ou seja, a escrita do mundo. O objetivo deste trabalho foi compreender como a questão da visibilidade e dos estereótipos pode ser investigada com a matemática e discutida em um espaço da comunidade LGBT+ na busca da superação de injustiças e na ampliação de possibilidades de vida. Conseguimos perceber que a comunidade LGBT+ ainda é muito marcada por estereótipos e que lançar um olhar crítico para a forma como ela tem sido retratada é importante para que transformações possam ser realizadas.Palavras-chave: Educação Matemática Crítica. Visibilidade. Estereótipos. Comunidade LGBT+. Leitura e escrita do mundo com a matemática.READ AND WRITE THE WORLD WITH MATHEMATICS: THINKING ABOUT STEREOTYPES AND THE VISIBILITY OF THE LGBT+ COMMUNITYAbstract We live in a society marked by injustices based on social issues and stereotypes produced for certain groups and which say how they should be and what they should do. The violence suffered by these people are barriers that limit possibilities that can and must be broken showing that other realities are possible. Mathematics is not neutral and can either break with existing stereotypes or help to reproduce them. It is worth mentioning that it has its transforming character and should be considered as having the power to promote a reading of the world, casting a critical eye on society and, also, to carry out transformations, that is, the writing of the world. The objective of this work was to understand how the issue of visibility and stereotypes can be investigated with mathematics and discussed in a space of the LGBT+ community in the search for overcoming injustices and expanding life possibilities. We can see that the LGBT+ community is still very marked by stereotypes and that taking a critical look at the way it has been portrayed is important so that transformations can be carried out. Keywords: Critical Mathematics Education. Visibility. Stereotypes. LGBT+ community. Reading and writing the world with mathematics.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Denner Dias Barros, Universidade Estadual Paulista - Unesp Brasil
Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEM) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) - Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp (IGCE/Unesp). Mestre em Educação Matemática, também pelo IGCE- Unesp. Possui graduação em Licenciatura em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP) - Faculdade de Ciências e Tecnologia da Unesp (FCT/Unesp) e Pedagogia pela Faculdade Educacional da Lapa (FAEL). Especialista em Libras: Prática e Tradução/Intérprete pela Universidade do Oeste Paulista (Unoeste).

Citas

ADICHIE, C. N. (2019) O perigo de uma história única. 1 ed. São Paulo: Companhia das letras.

ANVISA. (2004) RESOLUÇÃO-RDC/ANVISA nº 153, de 14 de junho de 2004. Disponível em: <http://www.sbpc.org.br/upload/noticias_gerais/320100416113458.pdf>. Acesso em: 25 mar.2020

BRITO, R. R. (2013) Educação Matemática & Democracia: Mídia e Racismo. Anais do VII CIBEM. p.3355-3362.

CAMPOS, D.A.; PIRES, R. O. M. (2016) Pessoas LGBT em situação de rua: percepções acerca dos serviços de atenção básica no munícipio de Florianópolis/SC, Brasil. Anais do Congresso Internacional de Políticas Públicas para a América Latina.

ESTADÃO. (2020) O drama de quem nem tem água em casa. Disponível em: <https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,o-drama-de-quem-nem-tem-agua-em-casa,70003237499>. Acesso em: 19 de março de 2020.

FREIRE, P. (1987) Pedagogia do oprimido. 17. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FREIRE, P. (2000) Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. 8. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

FREIRE, P.; MACEDO, D. (2015) Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

GARCIA, M. R. V. (2007) “Dragões”: gênero, corpo, trabalho e violência na formação da identidade entre travestis de baixa renda. São Paulo, 2007, 148p. Tese (Doutorado). Instituto de Psicologia. Universidade de São Paulo.

GRUPO GAY BAHIA. (2018) Relatório 2018: população LGBT morta no Brasil. Disponível em: <https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2019/01/relat%C3%B3rio-de-crimes-contra-lgbt-brasil-2018-grupo-gay-da-bahia.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2020.

GUTSTEIN. E. (2006) Reading and writing the world with mathematics: toward a pedagogy for social justice. New York, NY: Routledge.

GUTSTEIN. E. (2003) Teaching and learning mathematics for social justice in an urban latino school. Journal for Research in Mathematics Education, v. 34, n. 1, p. 37-73.

GUTSTEIN. E. (2012) Reflections on teaching and learning mathematics for social justice in urban schools. In: A. A. Wagner e D. W. Stinson (Eds.) Teaching mathematics for social justice: conversations with educators.

HARKOT-DE-LA-TAILLE, E. (2003) Ação moral e estereótipos culturais. In: ARANTES, V. A. (Org.). Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus. p.171-190.

MACHADO, R. W. G. (2015) População LGBT em situação de rua: uma realidade emergente em discussão. Revista EDUC-Faculdade de Duque de Caxias/Vol. 01- Nº 03/Jan-Jun 2015. p.57-67.

O GLOBO. (2020) Google muda algoritmo para que palavra 'lésbica' não seja associada à pornografia nas buscas. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/celina/google-muda-algoritmo-para-que-palavra-lesbica-nao-seja-associada-pornografia-nas-buscas-23866924>. Acesso em: 21 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). (2020) Discriminação aumenta risco de jovens LGBTI irem morar na rua, dizem relatores. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/discriminacao-aumenta-risco-de-jovens-lgbti-irem-morar-na-rua-dizem-relatores/>. Acesso em 24 mar. 2020.

RAVN, O.; SKOVSMOSE, O. (2019) Connecting Humans to Equations: a reinterpretation of the Philosophy of Mathematics. Springer Nature Switzerland AG.

RIBEIRO, D. (2018) Quem tem medo do feminismo negro? São Paulo: Companhia das Letras.

SILVA, G. H. G. (2016) Equidade no acesso e permanência no ensino superior: o papel da educação matemática frente às políticas de ações afirmativas para grupos sub-representados. 2016. 359 f. Tese (Doutorado em Educação Matemática - Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro/SP.

TRATA BRASIL: SANEAMENTO É SAÚDE. (2020) ÁGUA. Disponível em: <http://www.tratabrasil.org.br/saneamento/principais-estatisticas/no-brasil/agua>. Acesso em: 19 de março de 2020.

Publicado
2020-12-27
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 124
  • PDF downloads: 41
Cómo citar
Barros, D. D. (2020). LEER Y ESCRIBIR EL MUNDO CON MATEMÁTICAS: REFLEXIONANDO SOBRE LOS ESTEREOTIPOS Y LA VISIBILIDAD DE LA COMUNIDAD LGBT +. PARADIGMA, 583-601. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p583-601.id971