O uso de jogos educacionais em um espaço não formal com o tema da fauna amazónica em perigo de extinção

Palabras clave: Jogos educativos, Espaços educativos, Fauna em perigo de extinção, Formação de professor.

Resumen

Os jogos educativos são utilizados como recurso pedagógico para ensinar o trabalho cooperativo por meio do lúdico, pois na maioria das propostas as atividades são em grupo. Nosso objetivo foi relatar uma experiência prática com professores em formação, realizada com a utilização de jogos relacionados ao tema da fauna amazônica em perigo de extinção no Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia. A pesquisa possui abordagem qualitativa com enfoque descritivo. Os participantes foram 32 alunos do curso de graduação em Pedagogia de uma universidade pública do Amazonas. Dois tipos de jogos foram aplicados, jogos de memória e de tabuleiro. Os jogos foram aplicados após um percurso nas trilhas e ambientes do bosque onde estão presentes as espécies. O Bosque da Ciência é um ambiente propício para trabalhar com professores em formação, construindo conhecimentos sobre a temática da fauna amazônica em risco de extinção, com a utilização de jogos educativos como facilitadores no processo de ensino e aprendizagem. O uso da ludicidade por meio de jogos é uma importante ferramenta que deve ser utilizada na educação ambiental para a preservação e conservação dos recursos naturais amazônicos.  

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Ercilene do Nascimento Silva de Oliveira, Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia (PPGEEC), pela Universidade do Estado do Amazonas
Profissional da Comunicação. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ensino de Ciências na Amazônia (PPGEEC), pela Universidade do Estado do Amazonas. Membro do GEPECENF. Linha de pesquisa: Ensino de ciências em espaços não formais.
Augusto Fachín Terán, Universidade do Estado do Amazonas - UEA, Manaus, Amazonas, Brasil.
Formado en Ciencias Biológicas en la Universidad Nacional de la Amazonía Peruana, com mestrado e doctorado en Ecologia. Actualmente es profesor del curso de Mestrado en Educación y Enseño de Ciencias en la Amazonía y profesor del Curso de Pedagogia en la Escuela Normal Superior de la Universidad del Estado de Amazonas, Manaos, Brasil.
Ailton Cavalcante Machado, Universidade do Estado do Amazonas - UEA, Manaus, Amazonas, Brasil.
Graduado em Pedagogia. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, da Universidade do Estado do Amazonas.
Ana Márcia Pereira Pontes, Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, Amazonas, Brasil.
Graduada em Pedagogia. Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, da Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, Amazonas, Brasil.

Citas

Alves, I.R.S et al. (2019). Guia de atividades didáticas. Manaus: ICMBIO.

Araújo, J.N., Silva, C.C., & Fachín-Terán, A. (2011). A Floresta Amazônica: um espaço não formal em potencial para o ensino de ciências. In VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – VIII ENPEC. Campinas, ENPEC.

Bagno, M. (2005). Pesquisa na Pedagogia. 19 ed. São Paulo: Edições Loyola.

Brasil, Conselho Nacional de Educação. (2019) Resolução CNE/CES nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (1988). Constituição Federal. Brasília. Diário Oficial da União.

Brasil. (2017). Leis de diretrizes e bases da educação nacional – Lei nº 9.394/96. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas.

Brasil. (2000). Lei 9.985 de 18 de julho de 2000 e vetos da presidência da República ao PL aprovado pelo congresso Nacional. Sistema Nacional de Unidade de Conservação da Natureza – SNUC: 2ª edição ampliada. São Paulo: Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica.

Brasil. (2018). Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. Brasília: MEC.

Boler, S., Kapp, K. (2018). Jogar para aprender: tudo o que você precisa saber sobre o design de jogos de aprendizagem eficazes. Tradução Sally Tilelli. São Paulo: DVS Editora.

Chassot, A. (2016). Alfabetização Científica: questões e desafios para a educação. 7 ed. Ijuí: Editora Unijuí.

Costa, L. M., Cunha, R. G., Souza, S. A, Reis, A. S & Fachín-Terán, A. (2015). Indicadores de alfabetização ecológica na formação do sujeito ecológico. In 5º Simpósio em Educação em Ciências na Amazônia, Manaus, UEA.

D’Ávila, M. C., Veiga, A. P. M. I. (Org). (2019). Didática e docência na Educação Superior: Implicações para a formação de professores. Campinas, SP: Papirus.

Delizoicov, D., Angotti, J. A. & Pernambuco, M. M. (2002). Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez.

Freire, P. (1983). Extensão ou comunicação? 7 ed. Tradução de Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

ICMBIO. (2018). Livro vermelho da fauna ameaçada de extinção: Volume I. Brasília, DF: ICMBio/MMA.

Instituto Nacional de Pesquisa na Amazônia (INPA). (2020). Bosque da Ciência. Disponível em: http://bosque.inpa.gov.br./

Kishimoto, T. M. (1998). O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira.

Kishimoto, T. M. (2008). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo. Cortez.

Leal, E. A, Miranda, G. J. & Casa Nova, S. P. C. (2018). Revolucionando a sala de aula: como envolver o estudante aplicando técnicas de metodologias ativas de aprendizagem. São Paulo: Atlas.

Maciel, H. M. & Fachín-Terán. A. (2014). O potencial pedagógico dos espaços não formais da cidade de Manaus. Curitiba; CRV.

Marconi, M. A. & Lakatos, E. M. (2017). Fundamentos de metodologia científica. 8 ed. São Paulo: Atlas.

Martino, L. M. S. (2018). Métodos de pesquisa em comunicação: projetos, ideias, práticas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Melo, A. V. F. (2008). Jogo pedagógico, Brasil e sua dinâmica territorial: educação lúdica em geografia.

Universidade Cruzeiro do Sul. Disponível em: https://www.cruzeirodosulvirtual.com.br/graduacao/

Merleau-Ponty, M. (2018). Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto R. de Moura. 5 ed. São Paulo: Martins Fontes.

Moreira, M.A. (2011). Metodologias de pesquisa em ensino. São Paulo: Editora Livraria da Física.

Morhy, P. E. D. et al. (2016). Usos da biodiversidade amazônica no bosque da ciência para fins educativos. Revista ARETÉ – Revista Amazônica de Ensino de Ciências, Manaus, v.9, n.20, p.108-115.

Oliveira, E. N. S. & Fachín-Terán, A. (2020). Museu do Seringal Vila Paraíso. Disponível em: https://ensinodeciencia.webnode.com.br/products/museu-do-seringal-vila-paraiso/

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar: convite à viagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Perrenoud, P. & Magne, B.C. (1999). Construir: as competências desde a escola. Porto Alegre: Artes Médicas.

Pizzimenti, C. (2013). Trabalhando valores em sala de aula: histórias para roda de conversa: Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II, Ensino Médio. Petrópolis, RJ: Vozes.

Rabêllo, R. S. (2019). Reflexões sobre arte e ludicidade na formação e na atuação docentes: princípios e articulação. In D’ávila, M. C. & Veiga, A. P. M. I. (Org). Didática e docência na Educação Superior: Implicações para a formação de professores. Pp. 38-63 Campinas, SP: Papirus.

Rocha, S. C. B. & Fachín-Terán, A. (2010). O uso de espaços não formais como estratégia para o Ensino de Ciências. Manaus: UEA.

Silveira, D.F & Córdova, F.P. (2009). A pesquisa científica. In Silveira, D. T., Gerhardt, T. E. Métodos de pesquisa. Pp. 31-42. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS.

Publicado
2021-11-13
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 54
  • PDF downloads: 25
Cómo citar
Silva de Oliveira, E. do N., Terán, A. F., Cavalcante Machado, A., & Pereira Pontes, A. M. (2021). O uso de jogos educacionais em um espaço não formal com o tema da fauna amazónica em perigo de extinção. PARADIGMA, 42(2), 325-349. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2021.p325-349.id957