La incorporación de las TDIC en cursos de formación inicial de profesores: la experiencia de un curso de Licenciatura en Matemática

Palabras clave: TPACK, Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação, Formação docente.

Resumen

Apoiados nas legislações sobre formação inicial de professores da Educação Básica e no Conhecimento Tecnológico e Pedagógico do Conteúdo (TPACK), que identifica os saberes docentes essenciais para a prática docente, apresentamos e analisamos como esses saberes são contruidos no processo de formação propiciado pelo curso de Licenciatura em Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Unesp, Câmpus de Presidente Prudente, Brasil, quanto ao uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) para aprender de e sobre Matemática e quanto a utilizá-las para ensinar Matemática. Visando promover uma incorporação e reflexão crítica acerca das TDIC na formação do docente de Matemática, foram realizadas alterações curriculares na estrutura do curso, pautadas em pesquisas sobre o tema, para que o licenciando pudesse conhecer e se apropriar desses recursos. Tais modificações foram realizadas antes mesmo que diretrizes oficiais previstas em legislação específica sobre a formação inicial de professores começassem a exigi-las. Compreendendo que é a visão dos egressos sobre a formação que evidencia a contribuição do curso para a sua atuação profissional, apresentamos e analisamos suas opiniões acerca dessa formação, bem como relatos de experiências vivenciadas por eles, que revelam uma apropriação de uso das TDIC em sua atuação profissional.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Monica Furkotter, Universidade do Oeste Paulista
Possui Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1976) (Unesp), Mestrado em Matemática pelo Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos (1983) e Doutorado em Ciências (Matemática: Análise) pelo Instituto de Ciências Matemáticas de São Carlos (1989). É docente aposentada da Unesp, Campus de Presidente Prudente. Atualmente é docente do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste). Membro do Grupo de Pesquisa Ensino e Aprendizagem como Objeto da Formação de Professores (GPEA), da FCT/Unesp/Campus de Presidente Prudente, e do Grupo de Pesquisa Contexto Escolar e Processo de Ensino Aprendizagem: ações e interações (CONTEPEA) da Unoeste. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em formação de professores, atuando nos seguintes temas: formação inicial e continuada de professores, ensino e aprendizagem de Matemática, Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na Educação e avaliação.
Maria Raquel Miotto Morelatti, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Tecnologia, Câmpus de Presidente Prudente
Doutora em Educação (Currículo) pela PUC/SP (2001) e Mestre em Matemática pela UFSCar (1992). É professora assistente doutora junto ao Departamento de Matemática e Computação (DMC) e atualmente coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), UNESP, Campus de Presidente Prudente (2017-2021). Foi coordenadora do curso de Licenciatura em Matemática no período 2006-2010, chefe do Departamento de Matemática e Computação (DMC) no período 2012-2014, vice-coordenadora do PPGE no período de 2013-2017, coordenadora de área do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID/Capes 2013, subprojeto do Curso de Matemática da FCT/UNESP, no período de março de 2014 a junho de 2016 e Coordenadora de Gestão de Processos Educacionais do PIBID/UNESP no período de julho de 2016 a fevereiro de 2018. Atua no Programa de Pós-graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) da FCT/Unesp, na linha de pesquisa Processos Formativos, Ensino e Aprendizagem, orientando trabalhos na temática ensino e aprendizagem de matemática, formação de professores de matemática e novas tecnologias educacionais. É coordenadora do Grupo de Pesquisa "Ensino e Aprendizagem como Objeto da Formação de Professores" desde 2002 e vice-líder do Grupo de Pesquisa "Práticas Colaborativas em Educação Matemática", criado em 2016. Atualmente é Coordenadora do Projeto LICENCIATURA EM MATEMÁTICA EM REDE: UNESP/UFAM e UNIVERSIDADE DO MINHO, aprovado no âmbito do Programa Licenciaturas Internacionais - PLI Portugal/CAPES (Edital 074/2014)  
Eliel Constantino da Silva, Colégio Internacional Radial/Foreducation EdTech
Doutorando e Mestre em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Campus Rio Claro). Licenciado e Bacharel em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP/Campus Presidente Prudente, Brasil) e pela Universidade do Minho (Portugal), respectivamente. Membro do Grupo de Pesquisa em Informática, outras Mídias e Educação Matemática (GPIMEM/UNESP - Rio Claro). É coordenador de projetos da Foreducation EdTech, professor do Colégio Internacional Radial, Google Educator (Nível 1 e Nível 2), membro do Comitê Técnico Científico da Atena Editora e realiza ações de formação de professores sobre o uso de tecnologias na Educação. Desenvolve pesquisas relacionadas ao uso de tecnologias na Educação Matemática, tendo interesse, principalmente, pelos seguintes temas: Educação Matemática, Pensamento Computacional, Robótica, Programação Computacional, Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação na Educação, Ensino e Aprendizagem, Teoria Histórico-Cultural, Formação de conceitos e Formação de Professor de Matemática.  

Citas

Almeida, H. R. F. L. (2015). Das tecnologias às tecnologias digitais e seu uso na Educação Matemática. Nuances: estudos sobre Educação, 26(2), 222-239.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barth, B. (1993) O saber em construção: para uma pedagogia da compreensão. Lisboa: Instituto Piaget.

Brackmann, C. P. (2017). Desenvolvimento do pensamento computacional através de atividades desplugadas na Educação Básica. (Tese de doutorado). Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Brasil.

Brasil. (1996). Lei no. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

Brasil. (1998). Resolução CEB no. 3/1998. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb03_98.pdf

Brasil. (1998) . Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília : MEC /SEF.

Brasil. (2001a). Lei N° 010172 , de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/L10172.pdf.

Brasil. (2001b). Parecer CNE/CES 1302/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Matemática, Bacharelado e Licenciatura. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES13022.pdf.

Brasil. (2002a). Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/res1_2.pdf.

Brasil. (2002b). Resolução CNE/CP 2, de 18 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CP022002.pdf.

Brasil. (2015). Resolução CNE/CP no. 2, de 1º. de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Consultado em 27 de maio 2020. Disponível em http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file.

Brasil. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Consultado em 27 de maio 2020. Disponível em http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.

Brasil. (2019). Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Consultado em 27 de maio 2020. Disponível em http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file.

Cibotto, R. A. H., & Oliveira, R. M. A. (2017). TPACK – Conhecimento tecnológico e pedagógico do conteúdo: uma revisão teórica. Imagens da Educação, 7(2), 11-23.

Cochran-Smith, M., & Lytle, S. L. (1999). Relationships of Knowledge and Practice: Teacher Learning in Communities. Review of Research in Education, 24, 249-305.

Coll, C., Mauri, T., & Onrubia, J. (2010). A incorporação das tecnologias da informação e da comunicação na educação. In C. Coll, & C. Monereo (Org.), Psicologia da Educação Virtual: aprender a ensinar com as Tecnologias da Informação e da Comunicação (pp. 66-93). Porto Alegre: Artmed.

Furber, S. (2012). Shut down or restart? - The way forward for computing in UK schools. London: The Royal Society.

Fürkotter, M., & Morelatti, M. R. M. (2007). A articulação entre teoria e prática na formação inicial de professores de matemática. Educação Matemática Pesquisa, 9(2), 319-334.

Javaroni, S. L., & Silva, E. C. (2019). Pensamento computacional nos anos finais do ensino fundamental. In M. A. Rossi, & E. P. G. Serrano, Educação e Sociedade (pp. 147-167). Bauru: Canal 6 Editora.

Javaroni, S. L., & Zampieri, M. T. (2018). Tecnologias Digitais nas aulas de Matemática: um panorama a cerca das escolas públicas do Estado de São Paulo. São Paulo: Livraria da Física.

Kenski, V. M. (2013). Tempo Docente. Campinas: Papirus.

Koehler, M. J., Mishra, P., Akcaoglu, M., & Rosenberg, J. M. (2014). The Technological Pedagogical Content Knowledge Framework for Teachers and Teacher Educators. In J. M. Spector., M. D. Merrill., J. V. Merriënboer, & M. P. Driscoll (Eds.) Handbook of Research on Educational Communications and Technology (pp. 101-111). New York: Springer.

Lopes, R. P. (2010). Formação para uso das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação nas licenciaturas das universidades estaduais paulistas. (Dissertação de mestrado). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, Brasil.

Lopes, R. P. (2014). Concepções e práticas declaradas de ensino e aprendizagem com TDIC em curso de Licenciatura em Matematica. (Tese de doutorado). Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, Brasil.

Lopes, R. P., & Fürkotter, M. (2016). Formação inicial de professores em tempos de TDIC: uma questão em aberto. Educação em Revista, 32(4), 269-296.

Marcelo Garcia, C. (1999). Formação de professores – para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora.

Mishra, P., & Koehler, M. J. (2006). Technological pedagogical content knowledge: A framework for teacher knowledge. Teachers College Record, 108(6), 1017-1054.

Paiva, R., Toriani, S., & Lucio, V. R. (2012). Formação Docente para o uso das Tecnologias Digitais. In: E. L. D. Silva, Mídia-Educação: tecnologias digitais na prática do professor (pp. 105-116). Curitiba: CRV.

Perrenoud, P. (2000). Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora.

Pires, C. M. C. (2002). Reflexões sobre os cursos de Licenciatura em Matemática, tomando como referência as orientações propostas nas Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação deprofessores da Educação Básica. Revista da Sociedade Brasileira de Educação Matemática, 11a, 44-56.

Santos, L. C., Costa, D. E., & Gonçalves, T. O. (2017). Uma reflexão acerca dos conhecimentos e saberes necessários para a formação inicial do professor de Matemática. Educação

São Paulo (Estado). (2012). Conselho Estadual de Educação. Deliberação 111/2012. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em http://www.ceesp.sp.gov.br/ceesp/textos/2012/Del%20CEE%20111-12%20-%20NR%20da%20154.pdf

São Paulo (Estado). (2014). Conselho Estadual de Educação. Deliberação 126 de 13 de junho de 2014. Altera dispositivos da Deliberação 111/2012. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em: http://www.ceesp.sp.gov.br/ceesp/cons_simples_listar.php?id_atos=72780&acao=entrar.

São Paulo (Estado). (2017). Conselho Estadual de Educação. Deliberação 154 de 31 de maio de 2017. Dispõe sobre alteração da Deliberação CEE nº 111/2012. Consultado em 27 de maio 2020. Disponível em http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/651-06_delib-154-17-indic-160-17-.pdf.

Shulman L. S. (1986). Those who Understand: knowldge growth in teaching. Educational Research, 15(2), 4-14.

Silva, E. C. (2018). Pensamento computacional e a formação de conceitos matemáticos nos anos finais do Ensino Fundamental: uma possibilidade com kits de robótica. (Dissertação de mestrado). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, Brasil.

Tardif, M. (2000). Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, (13), 5-24. Consultado em 31 de maio 2020. Disponível em: http://anped.tempsite.ws/novo_portal/rbe/rbedigital/RBDE13/RBDE13_05_MAURICE_TARDIF.pdf

Valente, J. A. (1999). Informática na Educação no Brasil. In: J. A. Valente (Org.), O computador na sociedade do conhecimento (pp. 1-27). Campinas: Unicamp/NIED

Valente, J. A. (2016). Integração do pensamento computacional no currículo da educação básica: diferentes estratégias usadas e questões de formação de professores e avaliação do aluno. Consultado em 30 de maio 2020. Disponível em https://revistas.pucsp.br/curriculum/article/view/29051.

Publicado
2020-09-03
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 151
  • PDF downloads: 65
Cómo citar
Furkotter, M., Morelatti, M. R. M., & Silva, E. C. da. (2020). La incorporación de las TDIC en cursos de formación inicial de profesores: la experiencia de un curso de Licenciatura en Matemática. PARADIGMA, 736-763. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p736-763.id914