Espacio de interacción y trabajo colaborativo en un taller matemático: Winplot en un estudio sobre sólidos de revolución

Palabras clave: Aprendizagem Colaborativa, Winplot, Contextos de aprendizagens ativas e colaborativas, Pensamento Matemático

Resumen

Diante das dificuldades expostas por grande parte dos estudantes do Ensino Superior relacionadas à compreensão do conteúdo de Sólidos de Revolução da disciplina de Cálculo II, propõem-se neste trabalho mostrar resultados sobre atividades voltadas para esse estudo com o auxílio do softwareWinplot. Assim, este artigo tem como objetivo apresentar elementos da interação, observados em uma proposta de aprendizagem colaborativa, a partir da aplicação de uma oficina a estudantes dos cursos de graduação. Buscou responder como se mostra a interação entre os sujeitos e entre os sujeitos e o objeto a conhecer, considerando-se o apoio pedagógico do Winplot. A abordagem metodológica foi qualitativa, em uma pesquisa exploratória e análise argumentativa dos dados. Decorreu do estudo a constatação de interação colaborativa destacada em elementos de simetria de ação, de conhecimento e de status. Ainda, o Winplot ampliou o campo de representação e visualização para a realização de conjecturas e hipóteses, contribuindo para fomentar mecanismos de negociação necessários à aprendizagem colaborativa.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Sonia Maria da Silva Junqueira, Universidade Federal do Pampa
Atualmente é Professora Adjunta III da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA), onde atua como docente do curso de Matemática-Licenciatura e docente permanente no Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Ensino (MAE). É Mestra e Doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). É uma das líderes do grupo de pesquisa Educação Matemática no Pampa (EMPAMPA) e membro colaboradora nos grupos de pesquisa “Grupo de pesquisa sobre aprendizagens, metodologias e avaliação (GAMA)” e "Professor de Matemática: formação, profissão, saberes e trabalho docente" da PUC-SP. Coordena o “Projeto de Pesquisa Laboratório de Investigações Matemáticas Ativas” e atua em grupos colaborativos de pesquisa e tem forte interesse pela pesquisa voltada às aprendizagens ativas, colaborativas, solidárias e críticas, em todos os níveis educativos. Posssui pós-graduação em Gestão Escolar e Matemática e experiência de 19 anos como professora na Educação Básica. 
Leandro Blass, Universidade Federal do Pampa
Possui graduação em Licenciatura Matemática pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2008), mestrado em Modelagem Matemática (Conceito CAPES 4) pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2011). Doutorado em Modelagem Computacional (Conceito CAPES 6) pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2015). Atualmente é professor adjunto A da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Tem experiência na área de modelagem dos fenômenos de transporte, com ênfase em Modelagem de deposição de parafinas em dutos de petróleo. Possui também experiência na modelagem e simulação dos fenômenos de transferência de calor em pavimentos flexíveis. Trabalha com os seguintes métodos numéricos: Diferenças Finitas e Volumes Finitos para resolução de equações diferenciais parciais. Também fazem parte de suas pesquisas os temas: aprendizagens ativas no Ensino Superior, avaliação do desempenho discente, rubricas avaliativas.
Lucas Capello, Universidade Federal do Pampa
É graduando no curso de Engenharia Química pela Universidade Federal do Pampa. É membro do Projeto de Pesquisa Laboratório de Investigações Matemáticas Ativas, coordenado pela professora Sonia Maria da Silva Junqueira. Atualmente desenvolve estudos direcionados à metodologias ativas e aprendizagens colaborativas sob orientação dos professores Leandro Blass e Sonia Maria da Silva Junqueira.

Citas

BOGDAN, R., & BIKLEN, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora.

BONWELL, C. C., & EISON, J. A. (1991). Active learning: creating excitement in the classroom. Washington, DC School of Education and Human Development, George Washington University.

BROUSSEAU, G. (1986). Fondements et méthodes de la didactique des mathématiques. Recherches en Didactique des Mathématiques, 7(2), 16-33.

______. (1996). Os diferentes papéis do professor. In: PARRA, C., & SAIZ, I. . Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas.

COSTA, C. (2002). Processos mentais associados ao pensamento matemático avançado: visualização. Anais do Encontro da seção de Educação Matemática da Sociedade Portuguesa de Ciências da educação, Coimbra, Portugal.

DANTAS, S. C., & MATHIAS, C. V. (2017). Formas de Revolução e Cálculo de Volume. Ciência e Natura, Santa Maria, RS, (1)39, 142 – 155.

DILLENBOURG, P. (1999). What do you mean by collaborative learning? In: Dillenbourg, P. (Ed.). Collaborative-learning: cognitive and computational approaches, Oxford: Elsevier, 1-19.

DREYFUS, T. (1991). Advanced mathematical thinking processes. In: David Tall (Org.), Advanced mathematical thinking. Dordrecht: Kluwer.

FELDER, R. M., & BRENT, R. (2009). Active Learning: an introduction. ASQ Righer Education Brief, 2(4). https://www.researchgate.net/publication/242102584_Active_learning_An_introduction.

GIL, A. C. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. (6 ed.) São Paulo: Atlas.

GRAY, E., PINTO, M., PITTA, D., & TALL, D. (1999). Knowledge construction and diverging thinking in elementary and advanced mathematics. Educational Studies in Mathematics, (38), 111-133.

LIAKOPOULOS, M. (2004). Análise argumentativa. In: BAUER, M. W., & GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

MORAES, S. P. G. (2008). Avaliação do processo de ensino e aprendizagem em Matemática: contribuições da teoria histórico-cultural. (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-16032009-145709/publico/Silvia_Pereira_Gonzaga_de_Moraes.pdf

PACHECO, J.A.D, & BARROS, J.V. (2013). O Uso de Softwares Educativos no Ensino da Matemática. Diálogos: Revista de Estudos Culturais e da Contemporaneidade, Pernambuco, (8), 5 – 13.

RAUTENBERG, R. R. (2013). Os teoremas de Pappus para os sólidos se revolução. (Dissertação de Mestrado). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Brasil. http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/471/1/CT_PROFMAT_M_Rautenberg,%20Robson%20Raulino_2013.pdf.

RESNICK, L. (1987). Education and learning to think. Washington DC: National Academy Press.

SADOVSKY, P. (2007). O Ensino de Matemática Hoje: Enfoques, Sentidos e Desafios. São Paulo: Editora Ática.

SANTOS, R., LORETO, A. B., & GONÇALVES, J. L. (2010). Avaliação de softwares matemáticos quanto a sua funcionalidade e tipo de licença para uso em sala de aula. Revista de ensino de ciências e Matemática. São Paulo, (1)1, 47- 65. http://www.pucrs.br/ciencias/viali/tic_literatura/artigos/pacotes/4-14-1-PB.pdf.

TALL, D. (1991). The psychology of advanced mathematical thinking. In D. Tall (Org.), Advanced mathematical thinking. Dordrecht: Kluwer.

TORRES, P. L., & IRALA, E. A. F. (2014). Aprendizagem colaborativa: teoria e prática. In: TORRES, P. L. (Org.). Complexidade: redes e conexões na produção do conhecimento. Curitiba: SENARPR.

VICKERY, A. (2016). Aprendizagem ativa nos anos iniciais do Ensino Fundamental. (H. O. Guerra, trad. ). Porto Alegre: Penso Editora Ltda.

VIEIRA, G. (2015). O uso do software Winplot na aprendizagem matemática em sala de aula: Uma inovação inovação pedagógica?. (Dissertação de Mestrado) Faculdade de Ciências Sociais, Universidade da Madeira, Funchal, Portugal. http://hdl.handle.net/10400.13/1162.

VYGOTSKY, L. (1984). A formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes.

WELTMAN, D. (2007). A comparision of traditional and active learning methods: an empirical investigation utilizing a linear mixed model. (Tese de doutorado). The University of Texas at Arlington, Dallas, USA. https://rc.library.uta.edu/uta-ir/bitstream/handle/10106/734/umi-uta-1921.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Publicado
2020-09-03
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 88
  • PDF downloads: 53
Cómo citar
Junqueira, S. M. da S., Blass, L., & Capello, L. (2020). Espacio de interacción y trabajo colaborativo en un taller matemático: Winplot en un estudio sobre sólidos de revolución. PARADIGMA, 711-735. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p711-735.id908