Resolución, análisis y elaboración de tareas investigativas de geometría dinámica: saberes movilizados por profesores de matemáticas en formación continua

Palabras clave: Saberes profissionais, Formação de professores, Objetos de aprendizagem

Resumen

O objetivo do artigo é analisar a forma como um grupo de professores que ensinam matemática, em um contexto de formação continuada, mobilizam saberes vinculados à resolução, à análise e à elaboração de tarefas investigativas de geometria dinâmica para o ensino de geometria na educação básica. Para tal, empregou-se um procedimento metodológico que permitiu identificar e examinar sete eventos críticos que forneceram informação sobre como esses saberes foram mobilizados por dez professores que ensinam matemática e um formador, enquanto se dedicavam a resolver um conjunto de tarefas. Os eventos críticos mostraram como os participantes: (i) desenvolveram processos de exploração, conjectura, experimentação e generalização, usando o software GeoGebra; (ii) identificaram ações tecnológicas inerentes ao trabalho com tarefas de geometria dinâmica e (iii) consideraram aspectos que caracterizam a exploração dessas tarefas para sua posterior elaboração. Tanto a interação entre os participantes quanto as relações professores-software e professores-saberes foram reconhecidas como aspectos que influíram na forma como os saberes foram mobilizados na pesquisa.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Rafael Enrique Gutiérrez Araujo, Universidade Federal do ABC (Brasil) Asociación Aprender en Red (Venezuela)
Mestre em Ensino e História das Ciências e da Matemática pela Universidade Federal do ABC (Brasil). Coordenador de Formação da Asociación Aprender en Red (Venezuela). Temas de pesquisa: Formação de professores que ensinam matemática; Uso de tecnologias digitais no ensino de geometria.
Vinícius Pazuch, Universidade Federal do ABC
Doutor em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil. Professor Adjunto do Centro de Matemática, Computação e Cognição (CMCC) da Universidade Federal do ABC (Brasil). Temas de pesquisa: Processos formativos (formação inicial e continuada); Conhecimento profissional docente; Ensino de geometria; Tecnologias digitais.

Citas

Acosta G., M. E. (2010). Dificultades de los profesores para integrar el uso de Cabri en clase de geometría. Experiencias de un curso de formación docente. Tecné, Episteme y Didaxis: TED, (28), 57-72. https://doi.org/10.17227/ted.num28-1074.

Arzarello, F., Olivero, F., Paola, D. & Robutti, O. (2002). A cognitive analysis of dragging practises in Cabri environments. Zentralblatt fur Didaktik der Mathematik, 34(3), 66-72. http://dx.doi.org/10.1007/BF02655708.

Bogdan, R. C. & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora.

Borba, M. C., Silva, R. S. & Gadanidis, G. (2018). Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática (2.a edição). Autêntica Editora. (Original publicado em 2014).

Brasil. (2017). Base nacional curricular comum – BNCC (Ensino Fundamental). Ministério da Educação.

Brocardo, J. (2014). Tarefas matemáticas. Em L. Santos (Ed.), Investigação em Educação Matemática 2014: Tarefas matemáticas (pp. 3-4). Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática.

Christou, C., Mousoulides, N., Pittalis, M. & Pitta-Pantazi, D. (2005). Problem solving and problem posing in a dynamic geometry environment. The Mathematics Enthusiast, 2(2), 125-143. https://scholarworks.umt.edu/tme.

Cyrino, M. C. C. T. & Jesus, C. C. (2014). Análise de tarefas matemáticas em uma proposta de formação continuada de professoras que ensinam matemática. Ciência e Educação, 20(3), 751-764. http://dx.doi.org/10.1590/1516-73132014000300015.

Delgado, C. (2014). Práticas de seleção/construção e preparação de tarefas que visam o desenvolvimento do sentido de número. Em L. Santos (Ed.), Investigação em Educação Matemática 2014: Tarefas Matemáticas (pp. 27-55). Sociedade Portuguesa de Investigação em Educação Matemática.

Fiorentini, D. & Lorenzato, S. (2012). Investigação em Educação Matemática: Percursos teóricos e metodológicos (3.a edição). Autores Associados. (Original publicado em 2006).

Gutiérrez, R. E. & Pazuch, V. (2019). Tarefas de geometria dinâmica com objetos de aprendizagem para a exploração e a investigação de conceitos geométricos. Boletim GEPEM, (74), 20-36. http://costalima.ufrrj.br/index.php/gepem/article/view/264.

Kalinke, M. A., Derossi, B., Janegitz, L. E. & Ribeiro, M. S. N. (2015). Tecnologias e educação matemática: Um enfoque em lousas digitais e objetos de aprendizagem. Em M. A. Kalinke e L. F. Mocrosky (Eds.), Educação matemática: Pesquisas e possibilidades (pp. 159-186). Editora UTFPR.

Marrades, R. & Gutiérrez, A. (2000). Proofs produced by secondary school students learning geometry in a dynamic computer environment. Educational Studies in Mathematics, 44(1-3), 87-125. https://doi.org/10.1023/A:1012785106627.

Moretti, V. D. & Moura, M. O. (2011). Professores de matemática em atividade de ensino: Contribuições da perspectiva histórico-cultural para a formação docente. Ciência e Educação, 17(2), 435-450. https://doi.org/10.1590/S1516-73132011000200012.

National Council of Teachers of Mathematics (2000). Principles and standards for school mathematics. Author.

Ponte, J. P. (2003). Investigação sobre investigações matemáticas em Portugal. Investigar em educação, 2, 93-169.

Ponte, J. P. (2012). Estudiando el conocimiento y el desarrollo profesional del profesorado de matemáticas. En N. Planas (Ed.), Teoría, crítica y práctica de la educación matemática (pp. 83-98). Graó.

Ponte, J. P., Brocardo, J. & Oliveira, H. (2016). Investigações matemáticas na sala de aula (3.a edição). Autêntica Editora. (Original publicado em 2003).

Powell, A. B., Francisco, J. M. & Maher, C. A. (2004). Uma abordagem à análise de dados de vídeo para investigar o desenvolvimento das ideias matemáticas e do raciocínio de estudantes. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 17(21), 81-140. http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10538.

Prieto, J. L. & Valls, J. (2010). Aprendizaje de las características de los problemas aritméticos elementales de estructura aditiva en estudiantes para maestro. Educación Matemática, 22(1), 57-85. http://somidem.com.mx/revista/vol22-1/.

Radford, L. (2014, 18 de outubro). La enseñanza-aprendizaje desde una perspectiva histórico-cultural: La Teoría de la Objetivación [vídeo]. https://www.luisradford.ca/pub/video_gemad_Oct18_2014.html.

Radford, L. (2017a). Aprendizaje desde la perspectiva de la Teoría de la Objetivación. En B. D’ Amore y L. Radford (Eds.), Enseñanza y aprendizaje de las matemáticas: Problemas semióticos, epistemológicos y prácticos (pp. 115-136). Universidad Distrital Francisco José de Caldas.

Radford, L. (2017b). A Teoria da Objetivação e seu lugar na pesquisa sociocultural em educação matemática. Em V. D. Moretti e W. L. Cedro (Eds.), Educação Matemática e a teoria histórico-cultural (pp. 229-261). Mercado de letras.

Radford, L. (2017c). Saber y conocimiento desde la perspectiva de la Teoría de la Objetivación. En B. D’ Amore y L. Radford (Eds.), Enseñanza y aprendizaje de las matemáticas: Problemas semióticos, epistemológicos y prácticos (pp. 97-114). Universidad Distrital Francisco José de Caldas.

Radford, L. (2020). Un recorrido a través de la Teoría de la Objetivación. Em S. Takeco-Gobara e L. Radford (Eds.), Teoria da Objetivação: Fundamentos e aplicações para o ensino e aprendizagem de ciências e matemática (pp. 15-42). Livraria da Física.

Rojano, T. (2014). El futuro de las tecnologías digitales en la educación matemática: Prospectiva a 30 años de investigación intensiva en el campo. Educación Matemática, 26(Número Especial), 11-30. https://bit.ly/3atG7JS.

Serrazina, M. L. M. (2012). Conhecimento matemático para ensinar: Papel da planificação e da reflexão na formação de professores. Revista Eletrônica de Educação, 6(1), 266-283. http://dx.doi.org/10.14244/19827199355.

Steele, D. F. (2001). Vozes entusiastas de jovens matemáticos. Educação e Matemática, (62), 39-42. http://www.apm.pt/apm/revista/educ62/educ62.htm.

Stein, M. K. & Smith, M. S. (2009). Tarefas matemáticas como quadro para a reflexão. Educação e Matemática, (105), 22-28. https://bit.ly/2VZe5Rq.

Stein, M. K., Smith, M. S., Henningsen, M. A. & Silver, E. A. (2009). Implementing standards-based mathematics instruction: A casebook for professional development. Teachers College Press.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional (17.a edição). Editora Vozes. (Original publicado em 2002).

Trocki, A. & Hollebrands, K. (2018). The development of a framework for assessing dynamic geometry task quality. Digital Experiences in Mathematics Education, 4(2-3), 110-138. https://doi.org/10.1007/s40751-018-0041-8.

Valente, W. R. (2017). A matemática a ensinar e a matemática para ensinar: Os saberes para a formação do educador matemático. Em R. Hofstetter e W. R. Valente (Eds.), Saberes em (trans)formação: Tema central da formação de professores (pp. 201-228). Livraria da Física.

Vieira, A. F., Trevisan, A. L., Baldini, L. A. & Rocha, Z. F. (2018). Conhecimentos mobilizados por uma professora no delineamento de uma tarefa matemática. Educação Matemática em Revista – RS, 2(19), 144-153. http://www.sbem.com.br/revista/index.php/EMR-RS/article/view/1797.

Yeo, J. B. W. (2007). Mathematical tasks: Clarification, classification and choice of suitable tasks for different types of learning and assessment. Mathematics and Mathematics Education, 1-26. http://hdl.handle.net/10497/949.

Publicado
2020-09-03
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 146
  • PDF downloads: 92
Cómo citar
Gutiérrez Araujo, R. E., & Pazuch, V. (2020). Resolución, análisis y elaboración de tareas investigativas de geometría dinámica: saberes movilizados por profesores de matemáticas en formación continua. PARADIGMA, 190-226. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p190-226.id886