Hipertextos digitales como material de enseñanza para el estudio previo sobre la metodología de aula invertida: percepciones de académicos de salud

Palabras clave: Sala de aula invertida. Pré-aula. Estudo prévio. Hipertexto digital. Material didático.

Resumen

As transformações que vêm ocorrendo no ensino têm impactado as práticas pedagógicas e metodologias, sendo uma delas a sala de aula invertida. Um dos momentos desta metodologia é a pré-aula, para a qual é necessário a elaboração de materiais didáticos. Este estudo de caso, de natureza quantitativa-qualitativa, teve como objetivo investigar as percepções de acadêmicos da área da saúde sobre a utilização de hipertextos digitais como material de estudo prévio na sala de aula invertida e sugeri-los como possibilidade de material didático prévio. Os participantes foram acadêmicos de anatomia humana de uma universidade da região metropolitana de Porto Alegre/RS. Foram realizadas seis aulas invertidas, para as quais foram elaborados hipertextos digitais para estudo prévio. Os dados foram coletados por um questionário em anexo a cada hipertexto disponibilizado e as questões foram analisadas através dos escores das respostas e da análise de conteúdo. Os resultados apontaram para maior acesso aos hipertextos digitais por telefone celular, com dificuldades principalmente nas primeiras aulas, em aspectos técnicos e didáticos; os hipertextos digitais foram considerados adequados por serem completos e de fácil entendimento, e o seu item constituinte que mais auxiliou foram os textos.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Camila Maria Bandeira Scheunemann, Universidade Luterana do Brasil
Possui graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura) pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2013). Especialização em Metodologia do Ensino na Educação Superior pelo Centro Universitário Internacional UNINTER (2016). Especialização em Metodologia do Ensino de Biologia e Química pelo Centro Universitário Internacional UNINTER (2015). Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil (2018). Doutoranda em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil.
Caroline Medeiros Martins de Almeida, Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Doutora em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil com período sanduíche pelo PDSE/CAPES na Universidade do Porto - Portugal (2018). Pós-Doutorado pelo PNPD/CAPES junto ao Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil. Atualmente é professora pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão Educacional na Universidade do Vale do Rio dos Sinos, integrando a linha de pesquisa Gestão Escolar e Universitária. Participa do setor da Formação Docente, no Núcleo de Inovação, Avaliação e Formação - NIAF na UNISINOS.

Citas

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bergmann, J., & Sams, A. (2012). Flip your classroom: reach every student in every class every day. Eugene: ISTE.

Bergmann, J., & Sams, A. (2014). Flipped learning: gateway to student engagement. ISTE: Washington.

Bergmann, J., & Sams, A. (2018). Sala de Aula Invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. Rio de Janeiro: LTC.

Bergmann, J. (2018). Aprendizagem invertida para resolver o problema do dever de casa. Porto Alegre: Penso.

Carvalho, M. A. V., Fornaziero, C. C., Tonani, E. C. F., & Valle, T. S. (2012). Transformaciones en la escena de la educación presencial: la inserción de tecnologias. Paradigma, 33(2), 89-100.

Christensen, C. M., Horn, M. B., & Staker, H. (2013). Is K-12 Blended Learning Disruptive? An introduction to the theory of hybrids. Clayton Christensen Institute.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC. Apostila.

Godoy, A. S. Estudo de caso qualitativo. In: Godoi, C. K., Bandeira de Melo, R., & Silva, A. B. (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

González-Gómez, D., Jeong, J. S., Cañada-Cañada, F., & Picó, A. G. (2017). Enseñanza de contenidos cientificos atraves de un modelo : propuesta de instrucción para estudiantes del grado de educación primária. Enseñanza de las Ciências, 35(2), 71-87.

Infante, E. M., & Velásquez, F. R. (2018). Visión profesional sobre el uso de las TIC en la praxis educativa, desde la perspectiva de los estudiantes de ciencias pedagógicas. Paradigma, 39(1), 229-245.

Jensen, J. L., Holt, E. A., Sowards, J. B., Ogden, T. H., & West, R. E. (2018). Investigating Strategies for Pre-Class Content Learning in a Flipped Classroom. Journal of Science Education and Technology, (27), 523–535.

Júnior, J. R. C., & Martins, S. N. (2019). A percepção dos alunos sobre o uso de webquest no desenvolvimento da leitura hipertextual. Revista Exitus, 9(2), 351 – 380.

Kirschbaum, C. (2013). Decisões entre pesquisas quali e quanti sob a perspectiva de mecanismos causais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28(82).

Lucena, S. Culturas digitais e tecnologias móveis na educação. (2016). Educar em Revista, (59), 277-290.

Martin, A. P., Martin, D. D., Aguilera, I. D., Sanz, J. M., Torner, P. S., Campión. R. S., Almuzara, A. C., & Soto, M. A. M. (2018). Nuevas combinaciones de aula inversa con just in time teaching y análisis de respuestas de alumnos. Revista Iberoamericana de Educación a Distancia, 21(1), 175-194.

Martins, E. R., Gouveia, L. M. B., Afonseca, U. R., & Geraldes, W. B. (2019). Comparação entre o modelo da sala de aula invertida e o modelo tradicional no ensino de matemática na perspectiva dos aprendizes. Experiências em Ensino de Ciências, 14(1).

Moran, J. M. (2012). A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5ª ed. São Paulo: Papirus.

Pavanelo, E., & Lima, E. (2017). Sala de aula invertida: a análise de uma experiência na disciplina de Cálculo I. Bolema: Boletim de Educação Matemática, 31(58), 739-759.

Pinheiro, R. C., & Araújo, J. C. (2016). Letramento hipertextual: um amálgama de letramentos demandados em cursos online. Trabalhos em Linguística Aplicada, 55(2), 401-430.

Sánchéz-Rodríguez, J.; Palmero, J. R., & Veja, E. S. (2017). Flipped Classroom. Claves para su puesta em practica. EDMETIC: Revista de Educación Mediática y TIC, 6(2), 336-358.

Santana, M. O. de S., & Aragão, R. C. (2013). O hipertexto e a multimodalidade em práticas textuais com blog no ensino de línguas. Hipertextus Revista Digital, 10, 1-21.

Santos, R. O.; Moser, A., & Lima, T. (2019). Hipertexto como mediador pedagógico. Revista Diálogo Educacional, 19(61), 792-808.

Sommer, M., & Ritzhaupt, A. (2018). Impact of the Flipped Classroom on learner achievment and satisfaction in an undergraduate Technology Litracy Course. Journal of Information Technology Education, 17, 159-182.

Stake, R. E. Case studies. In: Denzin, N. K. (Edit.), & Lincoln, Y. S. (Edit.). (2000). Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: SAGE.

Valente, J. A. (2014). Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, Edição Especial, (4), 79-97.

Valente, J. A. (2018). A Sala de Aula Invertida e a Possibilidade do Ensino Personalizado: uma experiência com a graduação em Midialogia. In: Bacich, L., & Moran, J. (Org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem técnoco-prática. 1ed. Porto Alegre: Penso, 26-44.

Valério, M., & Moreira, A. L. O. R. (2018). Sete críticas à sala de aula invertida. Contexto & Educação, 33(106), 215-230.

Yang, C. C. R. (2017). An investigation of the use of the “Flipped Classroom” pedagogy in secondary english lenguage classrooms. Journal of Information Technology Education, 16, 1-20.

Publicado
2020-09-03
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 42
  • PDF downloads: 59
Cómo citar
Bandeira Scheunemann, C. M., & de Almeida, C. M. M. (2020). Hipertextos digitales como material de enseñanza para el estudio previo sobre la metodología de aula invertida: percepciones de académicos de salud. PARADIGMA, 668-692. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p668-692.id884