EDUCACIÓN AMBIENTAL: PERCEPCIONES DE LOS AGENTES QUE TRABAJARON EN EL PROYECTO PARA REVITALIZAR UN PARQUE URBANO EN EL MUNICIPIO DE CONFRESA/MT

Palabras clave: Educação Ambiental, meio ambiente, revitalização

Resumen

Desarrollar acciones dirigidas a la conservación del medio ambiente, con el fin de provocar la reflexión sobre cuestiones ambientales, es una forma de Educación Ambiental (EA). El objetivo de este estudio es describir cómo los agentes que trabajaron en el proyecto de revitalización de Eco Park perciben las acciones desarrolladas como un medio para promover la EE. La revitalización propuesta para este parque en el municipio de Confresa / MT, tuvo lugar en 2019, a través de tres acciones para mejorar la calidad del lugar y crear conciencia entre la población que lo frecuenta. Con base en las acciones realizadas, se aplicó un cuestionario con 10 preguntas a 12 agentes responsables de la elaboración y desarrollo del proyecto. Para analizar los datos, se adoptó la técnica de Análisis de Contenido. Se identificaron 5 categorías: problemas ambientales en la región; Educación ambiental y revitalización de Eco Park; Participación en el proyecto y cambios a través de las acciones desarrolladas; Aprendizaje, beneficios y mejoras para el parque; Desarrollo sostenible y sensibilización. Por lo tanto, se observó que los agentes entienden el concepto y la percepción de EA, exponiendo la importancia del proyecto, citando problemas ambientales presentes en el entorno en el que se insertan y acciones que aún deben llevarse a cabo en el parque, en el municipio y especialmente en las escuelas de la región.Palabras clave: Educación ambiental, medio ambiente, revitalización.ENVIRONMENTAL EDUCATION: PERCEPTIONS OF AGENTS WHO WORKED ON THE PROJECT TO REVITALIZE AN URBAN PARK IN THE MUNICIPALITY OF CONFRESA/MTAbstractDeveloping actions aimed at environmental conservation, in order to provoke reflection on environmental issues, is a form of Environmental Education (EE). The aim of this study is to describe how the agents who worked on the Eco Park revitalization project perceive the actions developed as a means of promoting EE. The proposed revitalization for this park in the municipality of Confresa / MT, took place in 2019, through three actions to improve the quality of the place and raise awareness among the population that frequents it. Based on the actions carried out, a questionnaire with 10 questions was applied to 12 agents responsible for the elaboration and development of the project. To analyze the data, the Content Analysis technique was adopted. There were 5 categories identified: Environmental problems in the region; Environmental education and the revitalization of Eco Park; Participation in the project and changes through the actions developed; Learning, benefits and improvement for the park; Sustainable development and awareness. Therefore, it was noticed that the agents understand the concept and perception of AE, exposing the importance of the project, citing environmental problems present in the environment in which they are inserted and actions that still need to be carried out in the park, in the municipality and especially in the schools of the region.Keywords: Environmental education, environment, evitalization.EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PERCEPÇÕES DOS AGENTES QUE ATUARAM NO PROJETO DE REVITALIZAÇÃO DE UM PARQUE URBANO NO MUNICÍPIO DE CONFRESA/MTResumoDesenvolver ações voltadas à conservação do meio ambiente, de maneira a provocar reflexão sobre as problemáticas ambientais, é uma forma de Educação Ambiental (EA). O objetivo deste estudo é descrever como os agentes que atuaram no projeto de revitalização do Eco Park percebem as ações desenvolvidas como meio de promover EA. A revitalização proposta para este parque do município de Confresa/MT, ocorreu em 2019, por meio de três ações para melhorar a qualidade do local e sensibilizar da população que o frequenta. A partir das ações executadas, aplicou-se um questionário com 10 perguntas para 12 agentes responsáveis pela elaboração e desenvolvimento do projeto. Para analisar os dados, adotou-se a técnica da Análise de Conteúdo. Foram 5 as categorias identificadas: Problemas ambientais da região; A educação ambiental e a revitalização do Eco Park; A participação no projeto e as mudanças por meio das ações desenvolvidas; Aprendizagem, benefícios e melhoria para o parque; Desenvolvimento sustentável e sensibilização. Logo, notou-se que os agentes compreendem o conceito e a percepção da EA, expondo a importância do projeto, citando problemas ambientais presentes no ambiente em que estão inseridos e ações que ainda precisam ser realizadas no parque, no município e principalmente nas escolas da região.Palavras-chave: Educação Ambiental, meio ambiente, revitalização.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Katiany dos Santos Pereira, Instituto Federal de Mato Grosso-Brasil
Instituto Federal de Mato Grosso-Brasil. Graduação em Licenciatura em Biologia pelo Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT). Técnica em Alimentos pelo IFMT Campus Confresa. Ativista da ONG ENGAJAMUNDO. Atua na Secretaria de Planejamento da Prefeitura de Confresa.
Marcelo Franco Leão, Instituto Federal de Mato Grosso-Brasil
http://lattes.cnpq.br/6237242675937692. Instituto Federal de Mato Grosso-Brasil. Doutorado em Educação em Ciências (UFRGS). Mestre em Ensino (UNIVATES). Especialização em Orientação Educacional (Dom Alberto) e em Relações Raciais na Educação e na Sociedade Brasileira (UFMT). Graduação em Licenciatura em Química (UNISC) e em Física (UNEMAT). Professor do Departamento de Ensino do IFMT Campus Confresa. Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática no Baixo Araguaia (EnCiMa).

Citas

Barboza, L.A.S.; Brasil, D.S.B; Conceição, G. S. (2016). Environmental perception of 6th and 9th grade students from a municipal school in Redenção, Pará State, Brazil/Percepção ambiental dos alunos do 6° e do 9° anos de uma escola pública municipal de Redenção, Estado do Pará, Brasil. Rev Pan-Amaz Saude, p. 11-20. Disponível em: <http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-62232016000400011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 26 Jan 2020.

Bardin, L. (2012). Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo.

Brasil (1999). Lei Nº 9795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Poder Executivo, Brasília, DF, 27 abr. 1999. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 01 Out 2019.

Budzilo, V. C. (2016). Problemas ambientais do núcleo urbano de Reserva. Os desafios da escola pública paranaense na perspectiva do professor PDE, Produções Didático-Pedagógicas. Reserva-PR. Disponível em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2016/2016_pdp_geo_uepg_valdecicarlosbudzilo.pdf>. Acesso em 01 Out 2019.

Carneiro, B. S.; Oliveira, M. A. S.; Moreira, R. F. (2016). Educação ambiental na escola pública. Revista brasileira de educação ambiental. São Paulo, v. 11, n.1, p. 25-36. Disponível em: <https://periodicos.unifesp.br/index.php/revbea/article/view/1893/1288>. Acesso em: 01 Out 2019.

Carvalho, I. C. de M. (2004). Educação ambiental: a Educação ambiental formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=o_VADwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT20&dq=educa%C3%A7%C3%A3o+ambiental+critica&ots=5Hz21fVaxJ&sig=bZFwvNxQyZDhcEyb7M9hsSftV0c#v=onepag e&q=brasil%20&f=false>. Acesso em: 30 Set. 2019.

Carvalho, V. F.; Silva, M. D. da; Silva, L. M. de S.; Borges, C. J.; Silva, L. A. da; Robazzi, M. L. do C. C. (2016). Riscos ocupacionais e acidentes de trabalho: percepções dos catadores de lixo. Revista de Enfermagem, UFPE online, Recife, v.10, n.4, p. 85-93. Disponível em: <https://pdfs.semanticscholar.org/b951/eabbcaa5a2123fb3508ffc37853390613c10.pdfAcesso em: 30 Set 2019.

Cessa, R. M. A.; Souza, T. A. de; Silva, F. G. R.; Vitorino, A. C. T. (2013). Modelo digital de elevação do município de Confresa-MT. Revista Agrogeoambiental, Pouso Alegre, v. 5, n. 1, p. 75-84. Disponível em: <https://agrogeoambiental.ifsuldeminas.edu.br/index.php/Agrogeoambiental/article/view/435>. Acesso em: 22 Jan 2020.

Cruz, C. A. da; Melo, I. B. N. de; Marques, S. C. M. (2016). A educação ambiental brasileira: história e adjetivações. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 11, n.1, p. 183-195. Disponível em: <http://revbea.emnuvens.com.br/revbea/article/view/4718> Acesso em: 29 Set 2019.

Dias, G. F. (2014). Educação Ambiental – princípios e práticas. 9. ed. São Paulo, SP: Gaia.

Ferreira, J. C. V. (2017). História de Confresa. Portal Mato Grosso. Disponível em: <http://www.portalmatogrosso.com.br/municipios/confresa/dados-gerais/historia-de-confresa/457>. Acesso em: 17 Nov 2019.

Figueiredo; C. A. M. dos S. (2017). Abordagem sobre educação ambiental na escola estadual Sol Nascente. 17 p. Conclusão do Curso de Especialização (Especialização em Educação no Campo) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso, Confresa.

Fonseca, S. M. (2016). A educação ambiental como disciplina. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 11, n.1, p. 305-314. Disponível em: <http://revbea.emnuvens.com.br/revbea/article/view/4154/3115>. Acesso em: 01 Out 2019.

Franco, A. R.; Morais, G. A. C. de; NETO, J. D.; Lopes, J. C. C.; Leucas, H. L. B. de; Guadalupe, D. de C.; Barros, M. D. M. de. (2012). Estudo de percepção ambiental com alunos de escola municipal localizada no entorno do Parque Estadual da Serra do Rola-Moça. Ambiente & Educação, Rio Grande-RS, v. 1. n. 11, p. 155-175. Disponível em: < https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/1845>. Acesso em: 14 Jan 2020.

GASPAR, J. V.; MENEGAZZO, C.; FIATES, J. E.; TEIXEIRA, C. S.; GOMES, L. S. R. (2017). A Revitalização de Espaços Urbanos: O Case do Centro Sapiens em Florianópolis. Revista Livre de Sustentabilidade e Empreendedorismo, v. 2, n. 4, p. 183-205, out-dez. Disponível em: <http://www.relise.eco.br/index.php/relise/article/view/104/102>. Acesso em: 29 Set 2019.

Gonçalves, A. A., Lima, M. E. O.; Marques, M. R. (2019). A percepção e educação ambiental Horizonte, Departamento de Ciências Biológicas. Disponível em:<http://www.observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal12/Ensenanzadelageografia/Metodologiaparalaensenanza/117.pdf>. Acesso em: 04 Out 2019.

Governo de Confresa. (2020). Recuperação das matas ciliares do córrego Cacau é o tema de uma reunião entre prefeitura de Confresa e parceiros. Disponível em: <https://confresa.org/recuperacao-das-matas-ciliares-do-corrego-cacau-e-o-tema-de-uma-reuniao-entre-prefeitura-de-confresa-e-parceiros/>. Acesso em: 29 Jan. 2020.

Guimarães, M. (2016). Por uma educação ambiental crítica na sociedade atual. Revista Margens Interdisciplinar, Abaetetuba-PA, v. 7, n. 9, p. 11-22. Disponível em: <https://periodicos.ufpa.br/index.php/revistamargens/article/view/2767>. Acesso em: 30 de Set de 2019.

Hofstatter, L. J. V.; Oliveira, H. T. de; souto, F. J. B. (2016). Uma contribuição da educação ambiental crítica para (des)construção do olhar sobre a seca no semiárido baiano. Ciência & Educação, Bauru, v. 22, n. 3, p. 615-633, jul./set. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132016000300615&lang=eng>. Acesso em: 30 Set 2019.

IBGE. (2020). Confresa. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mt/confresa/panorama>. Acesso em: 22 Jan 2020.

Jardim, R. M. (2012). Revitalização de espaços urbanos ociosos como estratégia para a sustentabilidade ambiental: o caso do High Line Park no contexto do PlaNYC. 180 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia Urbana e Ambiental) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Disponível em: <http://www.urb.puc-rio.br/dissertacao/dissertacao_renata_jardim.pdf>. Acesso em: 29 Set 2019.

Junior, L. P. C.; Sá, L. P. (2017). Conhecimento pedagógico do conteúdo no contexto da educação ambiental: uma experiência com mestrandos em ensino de ciências. Revista Ensaio, Belo Horizonte, v.19, e2589. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-21172017000100204&lang=en>. Acesso em: 30 Set 2019.

Leite, I. A.; Leite, C. A. (2017). Percepção de alunos acerca de educação ambiental em uma comunidade escolar, Patos-PB. Revista Biodiversidade, Rondonópolis-MT, v. 16, n. 2, p. 45-53. Disponível em: <http://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/biodiversidade/article/view/5600>. Acesso em: 29 Nov 2019.

Lima, A. E. F.; Rocha, N. M. M. (2009). Dinâmica de parques urbanos em Fortaleza-CE: considerações sobre o parque Rio Branco. Conexões-Ciência e Tecnologia, v. 3, n. 1, p. 53-61. Disponível em: <http://www.conexoes.ifce.edu.br/index.php/conexoes/article/view/128>. Acesso em: 29 Lima, G. A. de O.; Sobrinho, D. M. dos S. (2017). Educação ambiental nos anos iniciais do ensino fundamental. Disponível em: <https://monografias.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/5771/3/Educa%C3%A7%C3%A3o%20ambiental_Artigo_2017.pdf>. Acesso em: 11 Jan 2020.

Marconi, M. de A.; Lakatos, E. M. (2007). Técnicas de Pesquisa. 6th ed. São Paulo: Editora Atlas S. A.

Moura, D.; Guerra, I.; Seixas, J.; Freitas; M. J. (2006). A revitalização urbana cidades – contributos para a definição de um conceito operativo. Comunidades e Territórios, n. 12/13, p. 15-34. Disponível em: <https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/3428/1/Cidades2006-12-13_Moura_al.pdf>. Acesso em: 30 Set 2019.

Oliveira, D. E. R. (2018). Relatos de experiência e história da educação ambiental: grupo ecológico kaa-eté. In: 11 Encontro Internacional de Formação de Professores. Aracaju-SE, Anais. Disponível em:<https://eventos.set.edu.br/index.php/enfope/article/view/9091>. Acesso em: 29 Set 2019.

Ostrovski, D.; Ostrovski, C. S. (2015). A percepção e educação ambiental de estudantes universitários. In: Educere, XII Congresso Nacional de Educação. Disponível em: <https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/16078_7385.pdf>. Acesso em: 24 Out. 2019.

Pádua, E. M. M. de. (2012). Metodologia da pesquisa: abordagem teórico-prática. 18 ed. Campinas, SP: Papirus. (Coleção Magistério: formação e trabalho pedagógico).

Pitanga, Â. F. (2016). Crise da modernidade, educação ambiental, educação para o desenvolvimento sustentável e educação em química verde: (re)pensando paradigmas. Ensino pesquisa educação e ciência, Belo Horizonte, v. 18, n. 3, 141-159. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s1983-21172016000300141&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 03 Out 2019.

Reis, D. A. dos; Silva, L. F. (2016). Análise de dissertações e teses brasileiras de Educação Ambiental: compreensões elaboradas sobre o tema "mudanças climáticas". Ciência & Educação, Bauru, v. 22, n. 1, p. 145-162. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-73132016000100145&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 04 Out 2020.

Rodrigues, D. G.; Saheb, D. (2018). A educação ambiental na educação infantil segundo os saberes de Morin. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 99, n. 253, p. 573-588, set./dez. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-66812018000300573&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 30 Set 2019.

Rubira, F.G. (2016). Definição e diferenciação dos conceitos de áreas verdes/espaços livres e degradação ambiental/impacto ambiental. Caderno de Geografia, Minas Gerais, v. 26, n. 45, p. 134-150. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/geografia/article/view/P.2318-2962.2016v26n45p134>. Acesso em 30 Set 2019.

Silva, M. S. (2016). Crescimento urbano e degradação ambiental: a ausência de espaços livres no Residencial Novo Tempo em Timon-MA, 108p. Dissertação (Mestrado em Práticas em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade Federal Rural, Rio de Janeiro. Disponível em: <https://tede.ufrrj.br/handle/jspui/2135>. Acesso em: 30 Set 2019.

Silva; N. C. da. (2017). Os desafios do ensino da educação ambiental em uma escola do campo: Um estudo de caso. 22 f. Trabalho de conclusão do Curso de Especialização (Especialização em Educação no Campo) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso, Confresa.

Sorrentino, M.; Trajber, R. (2007). Políticas de Educação Ambiental do Órgão Gestor. In: MELLO, Soraia Silva de (Coord.); TRAJBER, Rachel (Coord.). Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: UNESCO, p. 13-21.

Stanganini, F. N.; Lollo, J. A. de. (2018). O crescimento da área urbana da cidade de São Carlos/SP entre os anos de 2010 e 2015: o avanço da degradação ambiental. Urbe, Revista Brasileira de Gestão Urbana, Curitiba, v. 10, supl. 1, p. 118-128, nov. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-33692018000400118&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 01 Nov 2019.

Sulaiman, S. N.; Aledo, A. (2016). Desastres naturais: convivência com o risco. Estudo Avançado, São Paulo, v. 30, n. 88, p. 11-23, dez. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142016000300011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 28 Jan 2020.

Tanscheit, P. (2017). Espaços Púbicos: a transformação urbana com a participação da população. Archdaily. Disponível em: . Acesso em: 28 Jan 2020.

Teixeira, L. C. (2016). Projeto de revitalização do parque aquático municipal da cidade de Arcos-MG. 99 f. Trabalho de Conclusão de Curso - Curso de Arquitetura e Urbanismo. Centro Universitário de Formiga, Formiga-MG.

Zancheti, S.; Somekh, N.; Fregonezi, B. (2015). Revitalização urbana no Brasil comparando seis centros históricos. Fórum Patrimônio: Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável. Belo Horizonte, v.8, n.1. jan./jun. Disponível em: <http://www.forumpatrimonio.com.br/seer/index.php/forum_patrimonio/article/view/151>. Acesso em: 30 Set 2019.

Publicado
2020-12-27
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 29
  • PDF downloads: 15
Cómo citar
Pereira, K. dos S., & Leão, M. F. (2020). EDUCACIÓN AMBIENTAL: PERCEPCIONES DE LOS AGENTES QUE TRABAJARON EN EL PROYECTO PARA REVITALIZAR UN PARQUE URBANO EN EL MUNICIPIO DE CONFRESA/MT. PARADIGMA, 139-170. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p139-170.id844