Aprendizaje matemático y tecnologías digitales: invenciones robóticas para el tratamiento de Parkinson

Palabras clave: Ensino de Matemática, Jogos Digitais, Robótica, Tratamento de Parkinson.

Resumen

Nosso objetivo é compreender o processo criativo de aprendizagem matemática ao longo da produção do jogo Navegação, associado a dispositivo robótico, destinado ao tratamento de sintomas doença de Parkinson. Norteados pela pesquisa qualitativa, a produção de dados foi realizada com alunos do Ensino Médio do IF-XXX, XXXX. O cenário formativo de pesquisa foi criado como lugar para construir/propor soluções para problemas reais a partir da matemática e da robótica a favor da sociedade, de modo que as carreiras científicas e tecnológicas sejam um dos possíveis projetos de vida e transformação social, intelectual e científica dos alunos. Para isso, colocamos em pauta discussão-análises do desenvolvimento científico-tecnológico, colaborativo-argumentativo e inventivo-criativo de tecnologias, indo além dos muros da sala de aula de matemática. Suscitamos análise-reflexões sobre o processo de se tornar pensador criativo em matemática em detrimento da reprodução de conceitos e mecanismos pedagógicos que não se justificam. Para tanto, baseamos nossas ações na Teoria de Aprendizagem Criativa e na Insubordinação Criativa. Concluímos que o processo criativo de aprendizagem matemática se mostra dinâmico e fluído, constituído por passos não lineares, e se fortalece por elementos inerentes ao processo formativo, entre os quais se destacam: curiosidade, imaginação, argumentação e invenção.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Greiton Toledo de Azevedo, Instituto Federal Goiano (IF-Goiano)
Matemático e especialista em Educação Matemática com ênfase em Matemática Computacional pelo Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de Goiás (IME/UFG). Mestre em Educação em Ciências e Matemática (PPGECM/UFG). Doutorando em Educação Matemática pelo Instituto de Geociências e Ciências Exatas da (IGCE/UNESP) com estágio na modalidade sanduíche at Rutgers University, New Jersey, Estados Unidos (EUA/USA), como Research Scholar. Professor efetivo do Instituto Federal Goiano (IF-Goiano). Membro do Grupo de Pesquisa em Informática, outras Mídias e Educação Matemática (GPIMEM/UNESP). Escritor de livros paradidáticos de matemática: Coleção Hora do Pensar. Publicou artigos em periódicos especializados e vários trabalhos em anais de eventos. Possui capítulos de livros publicados e várias produções técnicas. Coordena projetos de Pesquisa, Ensino e Extensão. Conquistou diferentes prêmios na carreira, entre os quais se destacam: Prêmio Nacional Educador Nota 10 pela Fundação Victor Civita (FVC) em parceria com a Rede Globo; Prêmio Internacional Learning Creative pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT); Prêmio Paulo Freire pelo júri popular brasileiro; e Menção Honrosa do Prêmio Nacional Criativos da Escola. Nos últimos anos tem se dedicado aos estudos e pesquisas referentes ao processo de ensino e aprendizagem de matemática; aprendizagem criativa; pensamento computacional; construção de jogos digitais e dispositivos de robótica; formação de professores.
Marcus Vinicius Maltempi, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Produtividade em Pesquisa do CNPq (PQ-2). Graduado em Ciência da Computação pela Unesp, mestre em Ciências da Computação e Matemática Computacional pela USP, doutor em Engenharia Elétrica e de Computação pela Unicamp, tendo realizado parte do doutoramento na Universidade de Toronto (Canadá). Fez pós-doutorado na Universidade de Londres (Inglaterra), é Livre-docente em Educação Matemática pela Unesp. Atualmente é Professor Associado III da Unesp de Rio Claro, Vice-Coordenador Executivo do Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas (IEP³-Unesp), Coordenador Geral da Unesp do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB-Capes) e membro titular da Câmara de EaD/UAB da Abruem. Foi Vice-Chefe de Departamento, Coordenador do Curso de Ciências da Computação, Coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação Matemática e Coordenador do Núcleo de Educação a Distância (NEaD-Unesp). Editor-chefe das Revistas Bolema (Boletim de Educação Matemática) e da InFor - Inovação e Formação. Possui projetos em andamento com financiamento de agências de fomento (Capes e Fapesp). Tem experiência na área de Informática na Educação, mais especificamente em Educação Matemática e Educação a Distância. Publicou artigos em periódicos especializados e vários trabalhos em anais de eventos. Possui capítulos de livros publicados e várias produções técnicas. Apresentou trabalhos em eventos no Brasil e no exterior. Orientou dissertações de mestrado e teses de doutorado, além de trabalhos de iniciação científica e conclusão de curso nas áreas de Educação Matemática e Ciência da Computação. Atualmente orienta alunos em diferentes níveis. (março de 2020)

Citas

Azevedo, G. T. de (2017). Construção de conhecimento matemático a partir da produção de jogos digitais em um ambiente construcionista de aprendizagem: possibilidades e desafios. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Instituto de Matemática e Estatística. Universidade Federal de Goiás. Goiânia.

Azevedo, G. T.; Maltempi, M. V.; Lyra, G. M. V (2019). Computacional thinking and Active Learning in Mathematics as a contribution to the treatment of Parkinson's disease. In: SCIENCE AND MATHEMATICS EDUCATION IN THE 21st CENTURY, 2019, Braga. Braga: Universidade do Minho, p. 75-76.

Azevedo, G. T.; Maltempi, M. V.; Lyra, G. M. V.; Ribeiro, J. P. M (2018). Produção de games nas aulas de Matemática: por que não? Acta Scientiae, Canoas, v. 20, p. 950-966.

Bicudo, M. A. V (2006). Pesquisa qualitativa e pesquisa qualitativa segundo a abordagem fenomenológica. In: BORBA, Marcelo de Carvalho; Araújo, Jussara de Loiola. (Org.). Pesquisa qualitativa em Educação Matemática. São Paulo: Autêntica, p. 100-118.

Bogdan, R. C.; Biklen, S. K (1994). Investigação qualitativa em Educação. Tradução Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994.

D’Ambrosio, U.; D’AmbroSIO, B. S. (2013). The role of ethnomathematics in curricular leadership in mathematics education. Journal of Mathematics Education at Teachers College, New York/NY, v.4, n. 1, p.10-16, (Primavera - Verão.

D’Ambrosio, B. S.; Lopes, C. E. (2015). Insubordinação Criativa: um convite à reinvenção do educador matemático. Revista Bolema, Rio Claro (SP), v. 29, n. 51, p. 1-17.

Freire, P. (2005). Pedagogia da autonomia – saberes necessários à prática educativa. 31. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Maltempi, M. V (2012). Construcionismo: pano de fundo para pesquisas em informática aplicada à Educação Matemática. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani; Borba, M. C.. (Org.). Educação Matemática: pesquisa em movimento. São Paulo: Cortez, p. 287-307.

Maltempi, M. V. (2005). Novas tecnologias e construção de conhecimento: reflexões e perspectivas. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 5, 2005, Porto. Actas do V CIBEM. Porto: Associação de Professores de Matemática.

Moreira, C. S.; Martins, K. F. C.; Neri, V. C.; Araújo, P. G (2007). Doença de Parkinson: como diagnosticar e tratar. Revista Científica da Faculdade de Medicina de Campos, v. 2, n. 2, p. 19-29.

Papert, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era informática. Tradução de Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 2008.

Papert, S. (1993). Mindstorms: Children, Computers and Powerful Ideas. New York: Basic Books, Inc.

Resnick, M. (2017). Lifelong Kindergarten: cultivating creativity through projects, passion, peers and play. Cambridge: MIT Press.

Triviños, A. N. S. (2009). Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em Educação. 18. reimp. São Paulo: Atlas, 2009.

Publicado
2020-09-03
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 318
  • PDF downloads: 96
Cómo citar
de Azevedo, G. T., & Maltempi, M. V. (2020). Aprendizaje matemático y tecnologías digitales: invenciones robóticas para el tratamiento de Parkinson. PARADIGMA, 81-101. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p81-101.id818