MODELO F @ R: REFLEXIÓN CONJUNTA REALIZADA POR DOCENTES QUE ENSEÑAN MATEMÁTICAS DESPUÉS DE UN PROCESO DE CAPACITACIÓN CON TECNOLOGÍAS

Palabras clave: Formación de profesores, Modelo f @ r, Conocimiento tecnológico y pedagógico del contenido (TPACK), Softwares Educativos

Resumen

El presente artículo es fruto de una investigación del tipo observación participante y tiene por objetivo identificar, a partir de reflexiones presentadas por profesoras que enseñan matemáticas en la escuela primaria, contribuciones de un proceso formativo pautado en un modelo enfocado en el uso de softwares educativos. El modelo f@r (Formación-Acción-Reflexión) propuesto por Costa (2012) concibe cinco etapas, a saber: visión, plan, práctica, interacción y reflexión. Para alcanzar el objetivo propuesto para el presente artículo, analizamos los discursos de cinco profesoras, participantes de los encuentros de formación, recogidas por medio de grabaciones en audio y video de dos encuentros que componen la etapa de reflexión propuesta por el modelo f@r. Los resultados mostraron que el contexto establecido por ese proceso de formación propuesto posibilitó que cada una de las profesoras, en diferentes niveles, desarrollara al mismo tiempo, lo que sabían sobre tecnologías, sobre las estrategias pedagógicas y sobre el conocimiento de determinado contenido matemático.Palabras clave: Formación de profesores. Modelo f @ r. Conocimiento tecnológico y pedagógico del contenido (TPACK). Softwares Educativos.Modelo f@r: reflexão conjunta realizada por professores que ensinam matemática após um processo formativo com tecnologiasResumoO presente artigo é fruto de uma pesquisa do tipo observação participante e tem por objetivo identificar, a partir de reflexões apresentadas por professoras que ensinam matemática nos anos iniciais do ensino fundamental, contribuições de um processo formativo pautado em um modelo focado no uso de softwares educativos. O modelo f@r (Formação-Ação-Reflexão) proposto por Costa (2012) concebe cinco etapas, a saber: visão, plano, prática, interação e reflexão. Para atingirmos o objetivo proposto para o presente artigo, analisamos as falas de cinco professoras, participantes dos encontros de formação, coletadas por meio de gravações em áudio e vídeo de dois encontros que compõem a etapa de reflexão proposta pelo modelo. Os resultados mostraram que o contexto estabelecido por esse processo de formação proposto possibilitou que cada uma das professoras, em diferentes níveis, desenvolvesse em simultâneo, o que sabiam sobre tecnologias, sobre as estratégias pedagógicas e sobre o conhecimento de determinado conteúdo matemático.Palavras-chave: Formação de Professores. Modelo f@r. Conhecimento Tecnológico e Pedagógico do Conteúdo (TPACK). Softwares Educativos.F@r model: joint reflection of teachers who teach mathematics after a formative process with technologiesAbstractThis article is the result of a research of the type participant observation and aims to identify, from reflections presented by teachers who teach mathematics in the initial years of elementary school, contributions of a formative process based on a model focused on the use educational software. The f@r model (Formation-Action-Reflection) proposed by Costa (2012) conceives five stages, namely: vision, plan, practice, interaction and reflection. In order to reach the objective proposed for this article, we analyze the statements of five teachers, participants in the training meetings, collected through audio and video recordings of two meetings that make up the reflection stage proposed by the model. The results showed that the context established by this proposed training process allowed each of the teachers, at different levels, to simultaneously develop what they knew about technologies, pedagogical strategies and knowledge of a certain mathematical content.Keywords: Teacher Education. f@r Model. Technological and Pedagogical Knowledge of Content (TPACK). Educational Software.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Fábio Douglas Farias, Universidade Cidade de São Paulo
Mestre em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Licenciado em Matemática pela Universidade Cidade de São Paulo - UNICID. Licenciado em Pedagogia pela Universidade Cidade de São Paulo - UNICID. Professor da Universidade Cidade de São Paulo. Pesquisador no grupo de pesquisa Desenvolvimento Profissional Docente em Matemática, do(a) Universidade Cidade de São Paulo. Um dos responsáveis pelas atividades do Setor de Avaliação da Graduação EaD no Campus Virtual do Grupo Cruzeiro do Sul Educacional.. Professor de Matemática na rede pública de ensino da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.
Douglas da Silva Tinti, Universidade Federal de Ouro Preto
Doutor em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), com período sanduíche na Universidade de Sevilha/Espanha. Mestre em Educação Matemática pela PUC/SP. Especialista em Estatística Aplicada e Licenciado em Matemática e pela Universidade Metodista de São Paulo. É professor do Departamento de Educação Matemática (DEEMA) da Universidade Federal de Ouro Preto.
Ana Lúcia Manrique, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Possui graduação em Matemática pela Universidade de São Paulo (1987), mestrado em Ensino de Matemática (1994) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) (2003), ambos pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e Pos-Doutorado no Programa de Pós-graduação em Educação da PUC/RJ (Pós-Doc Júnior CNPq) (2008). É professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atuou como pesquisadora no projeto aprovado no edital dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia do MCT/CNPq/FNDCT/CAPES/FAPEMIG/FAPERJ/FAPESP intitulado por "Instituto Nacional de Eletrônica Orgânica (INEO)". Coordenou subprojeto da área de Ciências Exatas do PIBID-PUC/SP. Coordenou projeto aprovado no Observatório da Educação, edital 2010, "Desafios para a educação inclusiva: pensando a formação de professores sobre os processos de domínio da matemática nas séries iniciais da educação básica". Participou como pesquisadora do projeto aprovado no Observatório da Educação, Capes, edital 2012, intitulado"Rede Colaborativa de Práticas na formação de professores que ensinam matemática: múltiplos olhares, diálogos e contextos", projeto em rede com a UFSCar, UFABC e PUC-SP. Coordenou projeto aprovado no edital 44/2014 do Programa de Apoio à Formação de Profissionais no campo das Competências Socioemocionais, projeto em parceria entre PUC/SP e UFTM. Coordenou localmente projeto aprovado no edital 59/2014 no Programa Tecnologia Assistiva no Brasil e Estudos sobre Deficiência, projeto em rede entre UFRJ, PUC/SP e UNIVAP. Pesquisa sobre os seguintes temas: Formação de professores que ensinam matemática, Formadores de professores, Saberes docente, Trabalho docente, Mapas conceituais, Cálculo Diferencial e Integral e Educação Inclusiva

Citas

ALMEIDA, M. E. B. (2006). Inclusão Digital do Professor: formação e prática pedagógica. São Paulo: Articulação. 234p.

BRASIL. (1997). Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF.

COSTA, F. A. et al. (Coord.). (2012). Repensar as TIC na educação: O professor como agente transformador. Carnaxide: Santillana. 143p.

COSTA, M. L. C.; LINS, A. F. (2010). Trabalho colaborativo e utilização das tecnologias da informação e comunicação na formação do professor de Matemática. Educação Matemática Pesquisa, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 452-470, set./dez. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/4509/3719>. Acesso em: 13 nov. 2013.

CRESWELL, J. W. (2010). Projeto de Pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3 ed. Porto Alegre: Artmed. 296p.

FARIAS, F. D. (2015). Uso de softwares educativos para o ensino de Matemática: contribuições de um processo de formação de professores dos anos iniciais do ensino fundamental. 108 f. Dissertação (Mestrado em Educação Matemática) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática. Pontifícia Universidade Católica. São Paulo.

IMBERNÓN, F. (2010). Formação Continuada de Professores. Porto Alegre: Artmed, 2010. 120p.

KENSKI, V. M. (2007). Educação e Tecnologias: O novo ritmo da informação. 2 ed. Campinas: Papirus.

MISHRA, P. & KOEHLER, M.J. (2006). Technological Pedagogical Content Knowledge: A Framework for Teacher Knowledge. Teachers College Record, 108(6), 1017-1054

MISKULIN, R. G. S. (2003). As possibilidades didático-pedagógicas de ambientes computacionais na formação colaborativa de professores de Matemática. Disponível em: <http://www.pucrs.br/famat/viali/tic_literatura/artigos/ava/Miskulin_Rosana.pdf>. Acesso em: 07 de abril de 2014

Publicado
2020-06-30
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 99
  • PDF downloads: 53
Cómo citar
Farias, F. D., Tinti, D. da S., & Manrique, A. L. (2020). MODELO F @ R: REFLEXIÓN CONJUNTA REALIZADA POR DOCENTES QUE ENSEÑAN MATEMÁTICAS DESPUÉS DE UN PROCESO DE CAPACITACIÓN CON TECNOLOGÍAS. PARADIGMA, 465-483. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2020.p465-483.id805