ANÁLISIS DE LA ESTRUCTURA DE SITUACIONES PROBLEMÁTICAS ELABORADAS POR DOCENTES EN UN PROCESO FORMATIVO

Palabras clave: Segundo Ciclo de Educación Primaria, Proporción simple, Estructura Situación problemática.

Resumen

El objetivo principal de este artículo es analizar la estructura de las situaciones problemáticas que dan sentido a los conceptos de proporción simple, clase uno para muchos, desarrollada por docentes desde el comienzo de la escuela primaria, durante un proceso formativo. Para alcanzar este objetivo, nos apoyamos en la Teoría de Campos Conceptuales y la Formulación de Problemas. En este estudio participaron cuatro docentes que trabajaron en el segundo ciclo de escuela primaria y participaron de un proceso formativo en el ámbito del Programa Observatorio de la Educación. Los instrumentos utilizados para la recolección de datos fueron: elaboración inicial y final de situaciones problemáticas y audios de las reuniones formativas. Para el análisis se utilizaron categorías y subcategorías que surgieron de los marcos teóricos y los datos. Los resultados indican que, al inicio del proceso formativo, más de la mitad de las situaciones presentaban falta de información y el resto, aunque suficientes, contenían errores de puntuación, ortografía y regencia verbal. Al final del proceso formativo, se observó una reducción de situaciones con ausencia de información, especialmente en aquellas que no especificaron la división, lo que puede estar relacionado con las discusiones brindadas en la capacitación sobre la necesidad de observar la estructura del enunciado de una situación. problema, buscando presentar información clara que facilite la comprensión durante la resolución.Palabras clave: Proporción simple. Elaboración de situaciones problemáticas. Educación primaria. Formación de profesores.ANALYSIS OF THE STRUCTURE OF PROBLEM SITUATIONS ELABORATED BY TEACHERS IN A FORMATIVE PROCESSAbstractThis article has as main objective to analyze the structure of the problem situations that give meaning to the concepts of simple proportion, class one for many, elaborated by teachers of the early years of elementary school, during a formative process. To reach this goal, we contribute in Conceptual Field Theory and Problem Formulation. Four teachers who worked in the second cycle of basic education took part in this study and participated in a training process within the scope of the Education Observatory Program. The instruments used for data collection were: initial and final elaboration of problem situations and audios of the formative meetings. For the analysis, categories and subcategories that emerged from the theoretical frameworks and data were used. The results indicate that, at the beginning of the training process, more than half of the situations presented lack of information and the rest, although sufficient, contained errors in punctuation, spelling and verbal regency. At the end of the training process, there was a reduction in situations with an absence of information, especially in those that did not specify the division, which may be related to the discussions provided in the training on the need to observe the structure of the statement of a problem situation, seeking to present clear information that facilitates understanding during resolution.Key words: Simple proportion. Elaboration of problem situations. Elementary School. Teacher training.ANÁLISE DA ESTRUTURA DE SITUAÇÕES-PROBLEMA ELABORADAS POR PROFESSORES EM UM PROCESSO FORMATIVOResumoEste artigo tem como objetivo principal analisar a estrutura das situações-problema que dão sentido aos conceitos de proporção simples, classe um para muitos, elaboradas por professores dos anos inicias do ensino fundamental, durante um processo formativo. Para alcançar esse objetivo, aportamo-nos na Teoria dos Campos Conceituais e na Formulação de Problemas. Fizeram parte deste estudo quatro professores que atuavam no segundo ciclo do ensino fundamental e participaram de um processo formativo no âmbito do Programa Observatório da Educação. Os instrumentos utilizados para a coleta de dados foram: inicial e final de elaboração de situações-problema e áudios dos encontros formativos. Para a análise, foram utilizadas categorias e subcategorias que emergiram dos referenciais teóricos e dos dados. Os resultados indicam que, no início do processo formativo, mais da metade das situações apresentavam ausência de informações e, as demais, embora sendo suficientes, continham erros de pontuação, ortografia e regência verbal. No fim do processo formativo, houve uma redução das situações com ausência de informações, em especial, naquelas que não especificavam a divisão, o que pode ter relação com as discussões oportunizadas na formação sobre a necessidade se observar a estrutura do enunciado de uma situação-problema, buscando apresentar informações claras que facilitem a compreensão durante a resolução.Palavras-chave: Proporção simples. Elaboração de situações-problema. Ensino fundamental. Formação de professores.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Eurivalda R. dos S. Santana, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC, Brasil)
Professora da Universidade Estadual de Santa Cruz, BahiaPós Doutora em Didática da Matemática pela Universidade de Lisboa (2017)Doutora em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2010)Graduada em Ciências Matemática pela Federação das Escolas Superiores de Ilhéus e Itabuna (1991)eurivalda@uesc.br  Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)Possui graduação em Ciências Matemáticas pela Federação das Escolas Superiores de Ilhéus e Itabuna (1991), mestrado em Matemática pela Universidade Federal da Bahia (2001) e doutorado em Educação Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2010). Atualmente, é professora titular da Universidade Estadual de Santa Cruz e atua no Mestrado Acadêmico em Educação Matemática dessa universidade e como coordenadora geral institucional do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC), no estado da Bahia. Tem experiência na área de Matemática, com ênfase em Educação Matemática, principalmente nos seguintes temas: ensino fundamental, estruturas aditivas, ensino, aprendizagem e matemática.  
Pedro Henrique Milagre, IUniversidade Estadual de Santa Cruz (UESC, Brasil)
Professor Substituto do Instituto Federal do Espírito Santo, Campus Venda Nova do ImigranteMestre em Educação Matemática pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2017)Licenciado em Matemática pelo Instituto Federal do Espírito Santo (2014)phmilagre@gmail.com   Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC)Mestrando em Educação Matemática pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática (PPGEM) da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Graduado em Licenciatura Plena em Matemática (2014) pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo (IFES). Especialista em Educação Matemática Comparada (2015) pelo Instituto Superior de Educação Ateneu (ISEAT).

Citas

AZEREDO, J. C. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Publifolha, 2008.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução por Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora, 1994. 335 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental – Matemática, v.3. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação; Secretaria da Educação Básica, 2018. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/12/BNCC_19dez2018_site.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2019.

BUTTS, T. Formulando problemas adequadamente. In: KRULIK, S.; REYS, R.E. A resolução de problemas na matemática escolar. São Paulo: Atual, 1997, p.32-48.

CHICA, C. H. Por que formular problemas? In: SMOLE, K. S; DINIZ, M. I. (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 151-173.

CORREA, J.; SPINILLO, A. G. O desenvolvimento do raciocínio multiplicativo em crianças. In: PAVANELLO, R. M. (Org.) Matemática nas séries iniciais do ensino fundamental: A pesquisa e a sala de aula. São Paulo: SBEM, v. 2, 2004, p. 103-127.

DINIZ, M. I. Os problemas convencionais nos livros didáticos. In: SMOLE, K. S; DINIZ, M. I.(Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 99-101.

FONSECA, M. C.; CARDOSO, C. A. Educação matemática e letramento: textos para ensinar matemática, matemática para ler textos. In: Nacarato, A. M.; Lopes, C. E. (Org.). Escritas e leituras na educação matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2009, p. 63-76.

GITIRANA, V; CAMPOS, T. M. M.; MAGINA, S; SPNILLO, A. Repensando multiplicação e divisão: contribuições da Teoria dos Campos Conceituais. São Paulo: PROEM, 2014.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. de S. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 2922 p.

LIMA, D. C. A formação continuada de professores que ensinam matemática nos anos iniciais e as estruturas multiplicativas. 2016. 161 f. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus. 2016.

MAGINA, S.; MERLINI, V.; SANTOS, A. A estrutura multiplicativa sob a ótica da Teoria dos Campos Conceituais: uma visão do ponto de vista da aprendizagem. In: 3º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, v. 1. p. 1-12, 2012.

NUNES, T.; BRYANT, P. Crianças fazendo matemática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

SACCONI, L. A. Nossa gramática: teoria e prática. 5. ed. São Paulo: Atual, 1983.

SANTOS, A. Formação de professores e as estruturas multiplicativas: reflexões teóricas e práticas. 1 ed. Curitiba: Appris, 2015.

SANTANA, E. R. dos S.; OLIVEIRA, T. da S. O raciocínio combinatório revelado ao longo da educação básica. Jornal Internacional de Estudos em Educação Matemática, v. 8, p. 31-55, 2015.

SANTANA, E.; LAUTERT, S. L.; CASTRO FILHO, J. A. DE; SANTOS, E. M. Observatório da educação em rede: as estruturas multiplicativas e a formação continuada. Revista Educação Matemática em Foco. 5(01), 2016, p.77-96.

SILVA, S. H.; BARRETO, M. C. Aspectos conceituais considerados por professores quando da proposição de problemas do campo multiplicativo. In: MARTINS, E.; LAUTERT, S. (Org.). Diálogos sobre o ensino, aprendizagem e a formação de professores: contribuições da Psicologia da Educação. Rio de Janeiro: Editora Autografia, 2016. p. 155-182.

SMOLE, K. S. Textos em matemática: por que não? In: SMOLE, K. S; DINIZ, M. I. (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 29-68.

SMOLE, K. S; DINIZ, M. I. Ler e aprender matemática. In: _______ (Org.). Ler, escrever e resolver problemas: habilidades básicas para aprender matemática. Porto Alegre: Artmed, 2001. p. 69-86.

SOUZA, E. I. R. Estruturas multiplicativas: concepção de professor do ensino fundamental. 2015. 109 f. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus. 2015.

SOUZA, M. A. V. F. de; SOUZA, S. F. Enunciados verbais de problemas de matemática e representações mentais: uma discussão. Educação & Linguagem, v. 19, 2016, p. 205-221.

VERGNAUD, G. A Teoria dos Campos Conceituais. In: BRUN, J. Didáctica das matemáticas. Tradução: Maria José Figueiredo. Lisboa: Instituto Piaget, 1996. P. 155-191.

VERGNAUD, G. A. O que é aprender? In: BITTAR, M; MUNIZ, C. A. (Org.). A aprendizagem matemática na perspectiva da Teoria dos Campos Conceituais. Curitiba: Editora CRV, 2009. p. 13-36.

VERGNAUD, G. A. A criança, a matemática e a realidade: problemas do ensino da matemática na escola elementar. Tradução de: MORO, Maria Lúcia Faria. Edição revisada. Curitiba: Editora da UFPR, 2014.

Publicado
2020-12-27
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 28
  • PDF downloads: 13
Cómo citar
Santana, E. R. dos S., & Milagre, P. H. (2020). ANÁLISIS DE LA ESTRUCTURA DE SITUACIONES PROBLEMÁTICAS ELABORADAS POR DOCENTES EN UN PROCESO FORMATIVO. PARADIGMA, 510-536. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.0.p510-536.id772