Mais do mesmo ou ameaças renovadas? Uma análise de recentes iniciativas brasileiras inspiradas nas escolas charter

Palabras clave: Escolas charter. Privatização da educação. Organizações sociais na educação.

Resumen

Escolas charter nos Estados Unidos da América são entendidas como públicas, mas gerenciadas por entes privados. No Brasil, existem formas de privatização semelhantes há décadas, como as escolas conveniadas. A partir de 2015, surgiram projetos inspirados nas escolas charter que apresentam diferenças em relação aos convênios. Podem ser citados: os Contratos de Gestão na educação de Goiás; as Escolas Comunitárias de Porto Alegre; e o Projeto Somar de Minas Gerais. O principal objetivo aqui é analisar as diferenças entre convênios, charter e “charter brasileiras”, a fim de compreender as iniciativas citadas. Foi realizada uma análise documental em textos normativos, tais como editais, termos de colaboração e termos de fomento; e textos informativos, como notícias publicadas nos sítios oficiais das secretarias de educação e entrevistas para jornais. Ao contrário dos convênios, que se justificam pela incapacidade de oferta estatal, as iniciativas são marcadas pelo discurso da inovação e da eficiência e são propostas como estratégias para melhorar os índices de proficiência. Conclui-se que os projetos apresentam obstáculos para a efetivação do direito à educação. As diferenças entre as charter brasileiras e os convênios, apesar de sutis, possibilitam que as charter avancem sobre espaços que os convênios não ocupam.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ABDALA, P. R. Z.; PUELLO-SOCARRÁS, J. F. Reflexiones sobre la administración pública y el neoliberalismo en nuestramérica, siglo xxi, REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), v. 25, p. 22–39, 2019.

ADRIÃO, T.; OLIVEIRA, R. P.; MOCARZEL, M. O público, o privado e o comunitário: Novas categorias administrativas para as escolas brasileiras e a disputa pelo fundo público na educação. Education Policy Analysis Archives, v. 30, 2022. Disponível em: <https://epaa.asu.edu/index.php/epaa/article/view/7172>. Acesso em: 14 mar. 2023.

AZEVEDO, M. L. N. A “Escola Cooperativa de Maringá” ou uma escola com “ensino público e gratuito com microgestão privada” (1991-1992): Uma experiência de charter school no Brasil avant la lettre. Education Policy Analysis Archives, v. 26, p. 132–132, 2018. Disponível em: <https://epaa.asu.edu/index.php/epaa/article/view/3712>. Acesso em: 9 dez. 2022.

BALL, S. J. Diretrizes Políticas globais e relações públicas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, 2001, p. 99-116. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol1iss2articles/ball.pdf>. Acesso em: 06 ago. 2022.

BLAZER, C. Literatura review research comparing charter schools and traditional public schools. Research Services Office of Assessment, Research, and Data Analysis Miami-Dade County Public Schools. 2010. Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/ED536259.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

BORBA, E.; LAC, C. Prefeitura inaugura escola inovadora com turno integral na Zona Sul | Prefeitura de Porto Alegre. [S. l.], 2019. Disponível em: https://prefeitura.poa.br/gp/noticias/prefeitura-inaugura-escola-inovadora-com-turno-integral-na-zona-sul. Acesso em: 22 mar. 2023.

BRASIL, Presidência da República. LEI No 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em: 14 mar. 2023.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 05 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>. Acesso em: 21 nov. 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Básica 2022: Resumo Técnico. Brasília, 2022. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/resumo_tecnico_censo_escolar_2022.pdf. Acesso em: 14 mar. 2023.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Básica 2019: Resumo Técnico. Brasília, 2020. Disponível em:https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/estatisticas_e_indicadores/resumo_tecnico_censo_da_educacao_basica_2019.pdf. Acesso em: 17 abr. 2021.

BRASIL. Lei no 13.019, de 31 de julho de 2014. Estabelece o regime jurídico das parcerias entre a administração pública e as organizações da sociedade civil, em regime de mútua cooperação, para a consecução de finalidades de interesse público e recíproco, mediante a execução de atividades ou de projetos previamente estabelecidos em planos de trabalho inseridos em termos de colaboração, em termos de fomento ou em acordos de cooperação; define diretrizes para a política de fomento, de colaboração e de cooperação com organizações da sociedade civil; institui o termo de colaboração e o termo de fomento; e altera as Leis no 8.429, de 2 de junho de 1992, e no 9.790, de 23 de março de 1999. Brasília: 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13019.htm. Acesso em: 28 mar. 2023.

BRASIL. Lei no 13.868, de 3 de setembro de 2019. Brasília: 2019. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2019/lei-13868-3-setembro-2019-789062-publicacaooriginal-158989-pl.htmlhttps://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2019/lei-13868-3-setembro-2019-789062-publicacaooriginal-158989-pl.html. Acesso em: 14 mar. 2023.

BRASIL. Lei no 9.637, de 15 de maio de 1998. Dispõe sobre a qualificação de entidades como organizações sociais, a criação do Programa Nacional de Publicização, a extinção dos órgãos e entidades que menciona e a absorção de suas atividades por organizações sociais, e dá outras providências. Brasília: 1998. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9637.htm. Acesso em: 13 mar. 2023.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Democracia, estado social e reforma gerencial. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 1, p. 112–116, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-75902010000100009&lng=pt&tlng=pt>. Acesso em: 11 mar. 2023.

BRITO, A. N. Atenção ao aluno: gestão da educação de Porto Alegre: 2017-2020. Porto Alegre: Editorial Philosophia, 2021.

BUDDE, R. Education by Charter: Restructuring School Districts. Key to Long-Term Continuing Improvement in American Education. The Regional Laboratory for Educational Improvement of the Northeast & Islands. Massachusetts. 1988.

CRUZ, M. Reflexões sobre o marco regulatório de acesso a recursos públicos pelas Organizações da Sociedade Civil Brasileira. In: MACIEL, Ana Lúcia Suaréz; BORDIN, Erica Bomfim. A face Privada na gestão das políticas públicas. Porto Alegre: Fundação Irmão José Otão. 403 p.

DIAS, M. C. N.; GUEDES, P. M. O modelo de escola charter : a experiência de Pernambuco. São Paulo: : Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial : Fundação Itaú Social, 2010. Disponível em: <https://www.seduc.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/37/2011/04/modelo_de_escola_charter_a_experiencia_de_pernambuco_itau_social_e__instituto_fernand_braudel.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2023.

EDWARDS, B.; HALL, S. M. Escolas charter: gestão de professores e aquisição de recursos na Colômbia. Cadernos de Pesquisa, v. 47, p. 442–468, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/j/cp/a/kG8kvDqv3T87VGMZwFbV9Pg/abstract/?lang=pt>. Acesso em: 9 dez. 2022.

EPPLE, D.; ROMANO, R.; ZIMMER, R. Charter Schools: A Survey of Research on Their Characteristics and Effectiveness. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.3386/w21256. Acesso em: 13 mar. 2023.

FRANCO, D.; DOMICIANO, C.; ADRIÃO, T. Privatização das creches em São Paulo e seus efeitos sobre a qualidade da oferta. Teoria e Prática da Educação, v. 22, n. 3, p. 80-96, 2019. Disponível em: < https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/TeorPratEduc/article/view/50491 >. Acesso em: 30 jun. 2020.

GOIÁS. Secretaria de Estado da Casa Civil. Despacho nº596 de 2015. PROCESSO Nº201500006020341, quanto à transferência da gestão de unidades escolares da rede pública estadual a organizações sociais de educação, por meio da celebração de contratos de gestão – art. 6º, parágrafo único, da Lei estadual nº 15.503/05. Goiás, 2015.

HARVEY, D. O neoliberalismo: histórias e implicações. São Paulo: Edições Loyola. 2008.

HOXBY, C. M. Achievement in charter schools and regular public schools in the united states: understanding the diferences. Harvard University And National Bureau of Economic Research. Massachusetts. 2004. Disponível em: http://www.wacharterschools.org/learn/studies/HoxbyCharters_Dec2004.pdf. Acesso em: 10 jan. 2021.

HUBBARD, L.; KULKARNI, R. Escolas charter: aprendendo com o passado, planejando para o futuro. In: BROOKE, Nigel (Org.). Marcos históricos na reforma da educação. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012, 520 p.

MARTINS, A. C. F. A construção das identidades profissionais das professoras de bebês. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Estudos da Criança). Orientação: FERREIRA, Fernando Ilídio da Silva. Instituto de Educação. Universidade do Minho, Minho, 2014.

MENDES, V. R.; PERONI, V. M. V. Estado, mercado e formas de privatização: a influência dos think tanks na política educacional brasileira, Revista Espaço Pedagógico, v. 27, n. 1, p. 65–88, 2020.

NATIONAL ALLIANCE FOR PUBLIC CHARTER SCHOOLS. Charter School Data Dashboard. National Alliance for Public Charter Schools. 2023. Disponível em: <http://data.publiccharters.org/>. Acesso em: 10 mar. 2023.

NAZARETH, H. D. G. A (não) implementação de Escolas Charter em Goiás: Uma análise da tentativa de implementação de um programa e suas consequências. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, p. 2177–2193, 2022b. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16624>. Acesso em: 21 dez. 2022.

NAZARETH, H. D. G. Escolas charter e o novo FUNDEB: um necessário obstáculo à privatização e as tentativas de derrubá-lo. FINEDUCA-Revista de Financiamento da Educação, v. 11, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/fineduca/article/view/113290. Acesso em: 30 jan. 2022. http://dx.doi.org/10.22491/2236-5907113290

NAZARETH, H. D. G. Escolas charter no Brasil: soluções ou ameaças aos princípios do ensino? 1. ed. Curitiba: Appris, 2022a.

NAZARETH, H. D. G. Escolas charter, contratos de gestão e avaliação externa: o IDEB como cláusula contratual. Olhar de Professor, v. 23, p. 1–15, 2020. Disponível em: <https://revistas.uepg.br/index.php/olhardeprofessor/article/view/15211>. Acesso em: 27 dez. 2022.

OLIVEIRA, N. Minas pode ter quatro escolas no modelo “charter” em 2021; entenda. O Tempo, 2020. Disponível em: <https://www.otempo.com.br/cidades/minas-pode-ter-quatro-escolas-no-modelo-charter-em-2021-entenda-1.2385195>. Acesso em: 17 mar. 2023.

PARTIDO NOVO. Minas inova na educação com o Projeto Somar que coloca em prática o modelo de gestão em parcerias com entidades privadas. Disponível em: <https://novo.org.br/minas-inova-na-educacao-com-o-projeto-somar-que-coloca-em-pratica-o-modelo-de-gestao-em-parcerias-com-entidades-privadas/>. Acesso em: 17 jun. 2023.

PERONI, V. M. V., Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação, Políticas Educativas – PolEd, v. 15, n. 2, 2021. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/index.php/Poled/article/view/121220. Acesso em: 08 fev 2023.

PORTO ALEGRE. Prefeitura anuncia quarta escola charter de Porto Alegre, com metodologia inovadora. Prefeitura de Porto Alegre, 2020. Disponível em: <https://prefeitura.poa.br/smed/noticias/prefeitura-anuncia-quarta-escola-charter-de-porto-alegre-com-metodologia-inovadora>. Acesso em: 20 mar. 2023.

PORTO ALEGRE. SGP - Sistema de Gestão de Parcerias | Prefeitura de Porto Alegre. 2023. Disponível em: <https://prefeitura.poa.br/smtc/projetos/sgp-sistema-de-gestao-de-parcerias>. Acesso em: 24 mar. 2023.

RIO DE JANEIRO. Mais uma creche parceira em 2022: já foram abertas mais de 8 mil vagas. 2022. Disponível em: https://prefeitura.rio/noticias/mais-uma-creche-parceira-em-2022-ja-foram-abertas-mais-de-8-mil-vagas/ Acesso em: 15 mar. 2023.

ROSEMBERG, F. O movimento de mulheres e a abertura política no Brasil: o caso da creche. Cadernos de Pesquisa, n. 51, p. 73-79, 1984.

SCHULLER, F. Temos lei para inovar, vamos usar? Época. 25 set. 2017.

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS (SEE-MG). Edital de chamamento público nº 4/2021: Para a seleção de propostas de organização da sociedade civil para gestão compartilhada da Escola Estadual Coronel Adelino Castelo Branco. 2021. Disponível em: https://www2.educacao.mg.gov.br/images/documentos/Edital%20Chamamento%20Público%2004-2021%20-%20Republic.%2011-05-21.pdf. Acesso em 10 fevereiro de 2022.

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PORTO ALEGRE (SMED-POA). Plano de trabalho para implementação da oferta de educação obrigatória na etapa de Ensino Fundamental com a OSC Fraternidade Cristã Espírita., 2019. Disponível em: https://sgp.procempa.com.br/detalheParceriaPortal/612. Acesso em: 22 mar. 2023.

SEDUCE-GO. Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás. Aviso de chamamento público Nº 003/2016. SEDUCE, Goiás. 2016. Disponível em: <http://www.seduce.go.gov.br>. Acesso em: 30 nov. 2017.

SEDUCE-GO. Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás. Aviso de chamamento público Nº 001/2017. SEDUCE, Goiás. 2017a. Disponível em: <http://www.seduce.go.gov.br>. Acesso em: 30 nov. 2017.

SEDUCE-GO. Secretaria de Educação, Cultura e Esporte de Goiás. Aviso de chamamento público Nº 002/2017. SEDUCE, Goiás. 2017b. Disponível em: <http://www.seduce.go.gov.br>. Acesso em: 30 abr. 2018.

SILVA, M. V. A privatização da educação secundária na Inglaterra por meio das Sponsored Academies e das Multi-Academy Trusts. Educação & Sociedade, v. 41, p. e241712, 2020. Disponível em: <http://www.scielo.br/j/es/a/MVh965Lb46T6Hcs7ZCKJFMs/?lang=pt>. Acesso em: 12 mar. 2023.

SILVA, M. V.; RICHTER, L. M. A Adoção Da Nova Gestão Pública Nas Agendas Governamentais Em Diferentes Países: Influências Nas Reformas Educacionais E No Ensino Médio Mineiro. Revista on line de Política e Gestão Educacional, v. 22, n. 3, p. 1276–1296, 2018. Disponível em: <https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=637766274004>. Acesso em: 13 mar. 2023.

SUSIN, M. O. K.; MONTANO, M. R. A política educacional para a infância e a parceria público-privada em municípios brasileiros. In: PERONI, Vera Maria Vidal; ROSSI, Alexandre José; LIMA, Paula Valim (Eds.). Diálogos sobre a relação entre o público e o privado no Brasil e na América Latina. 1. ed. São Paulo: Livraria da Física, 2021, p. 371. Disponível em: <https://lume.ufrgs.br/handle/10183/250603>.

TAKAHASHI, F. Empresário sabe mais de gestão do que educador, diz secretária. Folha de São Paulo. São Paulo. 09 dez. 2015. Disponível em:< http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2015/12/1716663-empresario-sabe-mais-de-gestao-do-que-o-educador-diz-secretaria-de-goias.shtml/>. Acesso em: 28 de nov.

TEÓFILO, S. Estado deve implantar OSs na área da Educação aos moldes das charter schools americanas. Jornal Opção. Goiânia. 12 jan. 2015. Disponível em:https://www.jornalopcao.com.br/reportagens/estado-deve-implantar-oss-na-area-da-educacao-aos-moldes-das-charter-schools-americanas-2-25931/.

UNITED STATES OF AMERICA (USA). Congress. Improving America's Schools Act of 1994. Public Law 103-382. 20 de outubro de 1994.

Publicado
2023-11-04
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 54
  • PDF (Português (Brasil)) downloads: 32
Cómo citar
Nazareth, H. D. G. de. (2023). Mais do mesmo ou ameaças renovadas? Uma análise de recentes iniciativas brasileiras inspiradas nas escolas charter . PARADIGMA, 44(5), 596-622. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2023.p596-622.id1518