A Vulgarização da Inovação nas Políticas Públicas e a Hegemonia Proprietária na Plataformização da Educação Pública

Palabras clave: Tecnologia Educacional. Políticas Públicas. Inovação Educacional.

Resumen

O presente texto tem o propósito de contribuir com reflexões a respeito da vulgarização da inovação nas políticas públicas e da hegemonia proprietária no processo de plataformização da educação pública. Para tanto, são analisados exemplares de documentos da legislação vigente enfatizando que as novidades, recorrentemente anunciadas nas reformas educativas, não   explicitam concepções críticas das tecnologias. Examina-se dados de relatórios de pesquisas e censos escolares que sublinham a presença hegemônica de softwares e plataformas pertencentes às big techs na educação pública. O acesso e vigilância sobre as informações da comunidade e das instituições escolares demarca a ausência do Estado e o avanço do setor privado ao passo em que se renuncia à soberania dos dados. Conclusivamente, argumenta-se que as medidas distributivas de equipamentos e os programas desordenados de capacitação acentuam o caráter instrumentalizador e tecnicista. Assim, não fomentam a inovação educacional para a resolução contextualizada dos desafios históricos da educação brasileira tais como evasão, repetência, defasagem idade-série, desvalorização e precarização do trabalho docente. Portanto, ao compor essas inferências interpretativo-críticas, estão sendo problematizados e avaliados aspectos peculiares das tecnologias educacionais no amplo espectro do quadro normativo cognitivo da política pública voltada para a Educação Básica e Ensino Superior.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ALVES, N.; OVELHA, I. A.; MELLO, F. Pesquisas na Pandemia e os Artefatos da Cibercultura. Revista Espaço do Currículo, v. 14, n. Especial, p.1-10, Ano.2021 ISSN1983-1579. Disponível em https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2021v14nEspecial.60700 Acesso em 15 mar. 2023.

APPLE, M. “Endireitar” a educação: as escolas e a nova aliança conservadora. Currículo sem Fronteiras, v.2, n.1, pp.55-78, Jan/Jun 2002.

BAUER, F. Cenário da Exclusão Escolar no Brasil Um alerta sobre os impactos da pandemia da COVID-19 na Educação. São Paulo: CENPEC/UNICEF, 2021. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/media/14026/file/cenario-da-exclusao-escolar-no-brasil.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

BELFIELD, C.R e LEVIN, H. M. A privatização da educação: causas e implicações. Porto: UNESCO e ASA Editores, 2002. Disponível em https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000133075_por Acesso em 15 mar. 2023.

BIESTA, G. Medir o que valorizamos ou valorizar o que medimos? Globalização, responsabilidade e a noção de propósito da educação. Revista Educação Especial, v. 31 n. 63, out./dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/educacaoespecial Acesso em 15 mar. 2023.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação(CNE). Câmara de Educação Básica (CEB). Parecer CEB nº 15/98. Relatora Guiomar Namo de Mello. 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ensino Médio: Bases Legais. Brasília, DF, 2000. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

BRUSCATO. A. M e BAPTISTA, J. Modalidades de ensino nas universidades brasileiras e portuguesas: um estudo de caso sobre a percepção de alunos e professores em tempos de Covid-19. Revista Brasileira de Educação. v. 26 e260035, 2021. Disponível em https://www.scielo.br/j/rbedu/a/C8ShLSSdgT9YRCbjB7mVmhG/ Acesso em 15 mar. 2023.

CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil. Resumo Executivo Pesquisa TIC Educação 2019. São Paulo, 2020. Disponível em https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20201123090925/resumo_executivo_tic_edu_2019.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas brasileiras: TIC Educação 2020 : edição COVID-19 : metodologia adaptada. São Paulo, 2021. Disponível em https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20211124200326/tic_educacao_2020_livro_eletronico.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil. Resumo Executivo Pesquisa TIC Domicílios 2021. São Paulo, 2022a. Disponível em https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20221121125804/resumo_executivo_tic_domicilios_2021.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

CGI.br - Comitê Gestor da Internet no Brasil. Resumo Executivo Pesquisa TIC Educação 2021. São Paulo, 2022b. Disponível em https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20221121124500/resumo_executivo_tic_educacao_2021.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

CHAUÍ, Marilena. Cultura e democracia. Em: Crítica y emancipación: Revista latinoamericana de Ciencias Sociales. Año 1, no. 1 (jun. 2008). Buenos Aires: CLACSO, 2008.

DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial comum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação & Sociedade [online], v. 25, n. 87, 2004. p. 423-460. Acesso em 15 mar. 2023.

DELLAGNELO, L.; BACICH, L.; CARRATURI, M. CIEB: notas técnicas #18: Ensino híbrido e o uso das tecnologias digitais na educação básica. São Paulo: CIEB, 2021. Disponível em: https://cieb.net.br/wp-content/uploads/2021/02/Nota-tecnica-18_Ensino-hibrido.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

DOURADO, L. F. e SIQUEIRA, R. M. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores: retrocessos e resistência propositiva. Revista Textura (ULBRA).v. 24 n. 59 p. 55-77 jul./set. 2022. Disponível em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra/

article/download/7273/4396 Acesso em 15 mar. 2023.

EDUCAUSE Horizon Report. Teaching and Learning Edition. Boulder, CO: EDUCAUSE, 2021. Disponível em: https://library.educause.edu Acesso em 15 mar. 2023.

FREITAS, L. C. Espaço Aberto. Privatização do ensino público no Brasil e movimentos de resistência dos estudantes. Desidades. Rio de Janeiro: UFRJ, 2016. Disponível em https://desidades.ufrj.br/open_space/privatizacao-do-ensino-publico-no-brasil-e-movimentos-de-resistencia-dos-estudantes/ Acesso em 15 mar. 2023.

GONSALES, P. e LIMA, S.H.B. Educação em um cenário de plataformização e de economia dos dados: problemas e conceitos. Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR. - São Paulo, SP : Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2022.

IMBERNÓN, F. En busca del discurso educativo. La escuela, la innovación educativa, el curriculum, el maestro y su formación. Buenos Aires: Magisterio del Río de La Plata, 1996.

JENKINS, H.; GREEN, J.; FORD, S. Cultura da conexão. São Paulo: Aleph, 2014.

KOERNER,A. Capitalismo e vigilância digital na sociedade democrática. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 36, n° 105, 2021. Disponível em https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/3RSTj7mCYh6YcHRnM8QZcYD/ Acesso em 15 mar. 2023.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LATOUR, Bruno. A vida em Laboratório. São Paulo: Relumé-Dumará, 1999.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo, UNESP, 2000.

LATOUR, Bruno. A Esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2000.

LÉVY, P. Inteligência coletiva. Edições Loyola, 2002.

MALLMANN, E. M. e SCHNEIDER, D. R. Políticas públicas, tecnologias educacionais e Recursos Educacionais Abertos (REA). Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 16, p. 1113–1130, 2021. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15118 Acesso em: 15 mar. 2023.

MOTA, R. e SCOTT, D. Educando para inovação e aprendizagem independente. 1. ed. - Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

PICO, M. L. M.; CASTILLO, B. M. O.; ENCALADA, M. A. C. Innovación educativa, pedagógica y didáctica. Concepciones para la práctica en la Educación Superior. Universidad y Sociedad, v. 12, n. 1, p. 396-403, 2020. Disponível em: http://scielo.sld.cu/pdf/rus/v12n1/2218-3620-rus-12-01-396.pdf Acesso em 15 mar. 2023.

PONCIANO, J. Apple é a maior empresa de tecnologia do mundo em 2022. Forbes. 2022. Disponível em https://forbes.com.br/forbes-tech/2022/05/as-maiores-empresas-de-tecnologia-do-mundo-em-2022/ Acesso em 15 mar. 2023.

PRETTO, N. De L.; ASSIS, A. Ensaio: cultura digital e educação: redes já! In PRETTO, N. DE L., e SILVEIRA, S. A. (orgs). Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. [online]. Salvador: EDUFBA, 2008. pp. 75-83. ISBN 978-85-2320-889-9. Disponível em: https://books.scielo.org/id/22qtc/pdf/pretto-9788523208899-06.pdf Acesso em: 15 Mar. 2023.

RIVAS, A. The Platformization of Education: A framework to Map the New Directions of Hybrid Education Systems. UNESCO International Bureau of Education, 2021.

SACRISTÁN, J. G.; PEREZ GOMEZ, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4.ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

SACRISTÀN, J. G. O que significa currículo? In: SACRISTÀN, J. G.(org.) Saberes e incertezas sobre o currículo. São Paulo: Penso, 2013.

SAMPAIO, M. das M. F. e MARIN, A. J. Precarização do trabalho docente e seus efeitos sobre as práticas curriculares. Educação & Sociedade [online], v. 25, n. 89, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302004000400007 Acesso 15 mar. 2022.

SANTOS, Boaventura de Sousa. As três ignorâncias contra a democracia. In: Outras Palavras, 2019. Disponível em: https://outraspalavras.net/crise-civilizatoria/boaventura-tres-ignorancias-contra-a-democracia/ Acesso em 15 mar. 2023.

SCHIAVI, I. e SILVEIRA, S. A.. A cidade neoliberal e a soberania de dados: mapeamento do cenário dos dispositivos de dataficação em São Paulo. Urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v.14, 2022. Disponível em https://doi.org/10.1590/2175-3369.014.e20210145 Acesso em 15 mar. 2023.

SILVA, T. T. da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2.ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SILVA, M. A.; GRILLO, Á. C.; FERREIRA, A. E.S.C.S.. Ensino emergencial a distância durante a pandemia de COVID-19: Perspectivas sobre uso da ferramenta Google Classroom e privacidade de dados. SCIAS Edu., Com., Tec., Belo Horizonte, v.2, n.2, p. 211-230, jul./dez. 2020. Disponível em https://docente.ifrn.edu.br/julianaschivani/disciplinas/midias-educacionais/sobre-a-gafam/view Acesso em 15 mar. 2023.

SILVA, A.M.; GOMES, T. A. M. M.; MOTTA, V. C. Formas e tendências de precarização do trabalho docente e os influxos do empresariamento na educação. Cadernos de Educação. n. 63, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/download/17406/11983 Acesso em 15 mar. 2023.

SILVEIRA, S. A. Tudo sobre tod@s: redes digitais, privacidade e venda de dados pessoais. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2017.

UNESCO. Recommendation on Open Educational Resources (OER). The General Conference of the UNESCO: 40th session. Paris, nov. 2019.

Publicado
2023-11-04
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 71
  • PDF (Português (Brasil)) downloads: 42
Cómo citar
Mallmann, E. M. (2023). A Vulgarização da Inovação nas Políticas Públicas e a Hegemonia Proprietária na Plataformização da Educação Pública. PARADIGMA, 44(5), 542-568. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2023.p542-568.id1516