Estado da Arte: Pesquisas Sobre Licenciatura(s) no Contexto dos Institutos Federais (2011 – 2021)

Palabras clave: Formação de professores. Educação Profissional e Tecnológica. Ciências.

Resumen

Pesquisa de cunho bibliográfico e do tipo estado da arte, a partir da qual se busca um panorama sobre a temática em determinado período e área. Tendo como foco estudos sobre a formação de professores em Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, investigamos produções sobre licenciaturas oferecidas nessa instituição. Assim, a problemática foi: o que pesquisas recentes sobre as licenciaturas em Institutos Federais indicam sobre consensos, controvérsias e lacunas da formação de professores nessas instituições? O recorte temporal foi de teses e dissertações publicadas entre 2011 e 2021. Com o uso de banco de dados e de critérios de seleção, foram selecionados 29 trabalhos, os quais foram organizados e analisados a partir de categorias emergentes: currículo; evasão; formação docente; criação, implantação e implementação; consolidação e expansão; professores formadores. A abordagem de análise foi qualitativa e o corpus textual foi analisado segundo os pressupostos da Análise Textual Discursiva, seguindo o ciclo de desconstrução, unitarização, de categorização emergente e comunicação por meio do metatexto. Diante dos resultados, percebe-se um tema em evidência e que, sendo multifacetado, contempla diferentes focos de investigação; que esses cursos possuem especificidades que precisam ser [re]conhecidas, debatidas e enfrentadas; e que a pesquisa contribui para esse processo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ANDRADE, J. M. S. Por uma docência institucionária: professores(as)-formadores(as) dos cursos de licenciatura do Instituto Federal Farroupilha e seus processos auto(trans)formativos. 2019. 336 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2019.

ASSIS, M. C. Licenciaturas nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: sua implantação, resultados e desafios. 2013. 87 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

AQUINO, I. J. S. A formação de professores nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: uma faceta da política nacional da formação de professores. 2016. 178 f. Dissertação (Mestrado em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares) — Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

ARANTES, F. J. F. Formação de professores nas licenciaturas do Instituto Federal Goiano: políticas, currículos e docentes. 2013. 139 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2013.

ARAUJO, O. H. A. A.; FORTUNATO, I. De professor formador para professor formador: quatro desafios para formar para a docência nas licenciaturas. Educação em Perspectiva, Viçosa, v. 11, n. 00, p. e020004, 2020.

ARAUJO, A. V. B.; SANCHEZ, L. B. Avanços e desafios da expansão dos cursos de licenciaturas no Instituto Federal do Amapá no período de 2011 - 2019. Colloquium Humanarum, Presidente Prudente, v. 17, p. 72–84, 2020.

BARBOSA, J. G. Os cursos de Licenciatura em Matemática ofertados no Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Minas Gerais: seus desafios e particularidades. 2017. 186 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) - Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2017.

BAVARESCO, D. Política de formação de professores nos Institutos Federais e a licenciatura em matemática do IFRS – Câmpus Bento Bonçalves. 2014. 225 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2014.

BIDO, J. M. Formação de professores no Instituto Federal do Paraná à luz da Teoria Crítica. 2018. 287 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade Estadual de Maringá, 2018.

BOURSCHEID, J. L. W. A Educação Ambiental para a Sustentabilidade na formação docente em um curso em Ciências Biológicas de um Instituto Federal de Educação situado na Região Sul do Rio Grande do Sul. 2016. 207 f. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) — Universidade Luterana do Brasil, Canoas, 2016.

BRASIL. Poder Legislativo. Ministério da Educação. Lei nº 11.982, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, p. 1, 30 dez. 2008.

CAMPOS, D. F. A história da ciência nas licenciaturas em Ciências da Natureza no Instituto Federal de Goiás. 2016. 159 p. Dissertação (mestrado em Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática) — Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

CASTRO, T. L. Evasão nos Cursos de Licenciatura do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais. 2019. 162 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.

DUELI, L. J.; PORTUGAL, M. J. S.; SOUZA, S. A. O estado do conhecimento sobre a formação de professores de Matemática nos Institutos Federais. Revista RBBA, Vitória da Conquista, v. 9, n. 1, p. 183—212, jul., 2020.

FERREIRA, G. L. Pesquisa-formação com professoras de Ciências e Biologia: uma perspectiva hermenêutico-narrativa. 2020. 271 f. Tese (Doutorado Educação em Ciências) — Universidade de Brasília, Brasília, 2020.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educ. Soc., Campinas, ano XXIII, n. 79, p. 257—272, ago. 2002.

FLACH, A. Formação de professores nos Institutos Federais: estudo sobre a implantação de um curso de licenciatura em um contexto de transição institucional. 2014. 208 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2014.

FONSECA, G. L. M. Indicadores de evasão e baixa procura nos cursos de licenciatura do IFFAR — Campus São Vicente do Sul: rearticulações na gestão. 2018 268 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Gestão Educacional) — Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2018.

FRIGOTTO, G. Contexto da problemática do objeto da pesquisa, objetivos, categorias de análise e procedimentos metodológicos. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: relação com o ensino médio integrado e o projeto societário de desenvolvimento. Rio de Janeiro: UERJ-LPP, 2018a. p. 17 - 40.

FRIGOTTO, G. Projeto societário, ensino médio integrado e educação profissional: o paradoxo da falta e sobra de jovens qualificados. FRIGOTTO, Gaudêncio (org.). Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: relação com o ensino médio integrado e o projeto societário de desenvolvimento. Rio de Janeiro: UERJ-LPP, 2018b. p. 41 - 62.

GANDELMAN, F. S. Evasão de Estudantes em cursos de licenciatura do Instituto Federal de São Paulo. 2020. 95 f. Dissertação (Mestrado em Educação: História, Política, Sociedade) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2020.

GATTI, B. A. A formação inicial de professores para a educação básica: as licenciaturas. Revista USP, São Paulo, n. 100, p. 33 – 46, dez./jan./fev., 2013—2014.

IFPR Instituto Federal do Paraná. IFPR em Números: Indicadores. Curitiba: Reitoria, 2017. Disponível em: http://info.ifpr.edu.br/wp-content/uploads/ifpr-em-numeros.pdf. Acesso em: 25 jul. 2019.

IMBERNÓN MUÑOZ, F. A formação dos professores e o desenvolvimento do currículo. In: GIMENO SACRISTÁN, J. (Org.). Saberes e incertezas sobre o currículo. Tradução: Alexandre Salvaterra; revisão técnica: Miguel González Arroyo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 494 – 507.

LIMA, M. F. B. A expansão das licenciaturas no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo: percursos e características. 2015. 210 f. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MAGELA, W. F. Educação Ambiental nas Licenciaturas em Química dos Institutos Federais no Brasil. 2020. 114 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) — Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2020.

MAUÉS, O.; SEGENREICH, S.; OTRANTO, C. As políticas de formação de professores: a expansão comprometida. Revista Educação em Questão, Natal, v. 51, n. 37, p. 42-72, jan./abr. 2015. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5639/563959986003.pdf. Acesso em: 17 fev. 2023.

MENDES, M. A. L. Ser professor nos cursos de licenciatura do IFSULDEMINAS: concepções e práticas. 2018. 153 f. Dissertação (Mestrado em Educação Tecnológica) — Centro Federal de Educação Tecn. de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciênc. Educ., Bauru, v. 9, n. 2, p. 191—210, 2003.

MOTA, R. D. P. Identidades em Trânsito: a pesquisa nas licenciaturas em Química dos Institutos Federais de Goiás. 2015. 168 f. Tese (Doutorado em Química) — Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

NARDOTO, C. A. C. Permanência em cursos de licenciaturas do IFES:

problematizações e possibilidades. 2021. 166 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Educação) — Universidade Federal do Espírito Santo, Espírito Santo, 2021.

NOGUEIRA, C. G. As licenciaturas em Física no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais. 2017. 131 f. Dissertação (Mestrado em Educação Tecnológica) — Centro Federal de Educação Tecn. de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

OLIVEIRA, D. L. O Instituto Federal do Tocantins e a formação de professores: caminhos, contradições e possibilidades. 2019. 267 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.

PACHECO, E. Desvendando os Institutos Federais: identidade e objetivos. Educação Profissional e Tecnológica em Revista, Jucutuquara, v. 4, n. 1, p. 4-22, 2020 - Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica.

PACHECO, E. Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. In: PACHECO, E. (Org.). Institutos Federais: uma revolução na Educação Profissional e Tecnológica. São Paulo: Editora Moderna, 2011. p. 13 – 32.

PAES, E. F. Mobilizações no Processo de Estágio Supervisionado na Formação Inicial de Professores: reflexos de experiências no Instituto Federal Fluminense. 2017, 158 f. Tese (Doutorado em Educação) — Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

PENHA, M. R. A implantação e implementação de licenciaturas de Ciências da Natureza no Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de Rondônia – IFRO. 2018. 309 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) — Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2018.

PEREIRA, C. W. S. Política e concepção de Formação de Professores nos cursos de Licenciatura dos Institutos Federais. 2017. 186 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, 2017.

RANGEL, F. O. et al. Evasão ou mobilidade: conceito e realidade em uma licenciatura. Ciênc. Educ., Bauru, v. 25, n. 1, p. 25-42, 2019.

SECCO, D.; REBEQUE, P. V.; DE SOUZA, J. Análise da evolução dos projetos pedagógicos de um curso de formação inicial de professores de Física. #Tear: Revista de Educação, Ciência e Tecnologia, Canoas, v. 6, n. 2, 2017.

SILVA, I. B. G. Contexto da Educação Profissional Tecnológica no Brasil: olhares sobre licenciaturas. 2017. 204 f. Tese (Doutorado em Educação) — Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2017.

SILVA, S. F. Licenciatura em Matemática à Distância do Instituto Federal de Triângulo Mineiro: entre o pensado e o realizado. 2015. 143 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Tecnologias, Comunicação e Educação) — Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2015.

SILVA NETO, O. A formação dos professores de matemática no Instituto Federal Catarinense. 2015. 138 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Matemática) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

SLONGO, I. I. P.; DELIZOICOV, Nadir Castilho; ROSSET, Jéssica Menezes. A formação de professores enunciada pela área de educação em ciências. Alexandria, Florianópolis, v. 3, n. 3, p. 97—121, 2010.

SOARES, S. J. A trajetória de formação dos professores da licenciatura em Computação do Instituto Federal do Tocantins. 2015. 93 f. Dissertação (Mestrado em Educação) — Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.

TORQUATO, K. A. D. A formação do professor de Matemática no Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia de São Paulo - Campus São Paulo, pelas narrativas de professores formadores. 2016. 97 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática) — Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, 2016.

ZABIELA, F. P. A concepção do curso de Licenciatura em Ciências da Natureza: Biologia e Química do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul – Campus Porto Alegre. 2021. 119 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências Química da Vida e Saúde) — Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2021.

ZACARIA, E. G. D.; REBEQUE, P. V.; LIMA, F. B. G. Dez anos de criação dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia: sobre a oferta de licenciaturas nas áreas de Ciências e Matemática, # Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia, Canoas, v.9, n.1, p. 1—17, 2020.

ZEICHNER, K. M. Tradução: Cristina Antunes. Uma agenda de pesquisa para a formação docente. Form. Doc., Belo Horizonte, v.1, n. 1, p. 13—40, ago./dez., 2009.

Publicado
2023-11-04
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 56
  • PDF (Português (Brasil)) downloads: 41
Cómo citar
Branco, A. B. de G., & Oliveira, A. L. de. (2023). Estado da Arte: Pesquisas Sobre Licenciatura(s) no Contexto dos Institutos Federais (2011 – 2021). PARADIGMA, 44(5), 491-521. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2023.p491-521.id1514