Neotecnicismo e reconversão docente: a atuação do centro de políticas públicas e avaliação da educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAED/UFJF)

Palabras clave: Neotecnicismo. Reconversão docente. Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (Caed/UFJF).

Resumen

O presente artigo analisa a atuação do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação, da Universidade Federal de Juiz de Fora (Caed/UFJF), as iniciativas por ele desenvolvidas e as concepções de formação docente que o orientam, refletindo acerca da reforma gerencial e neotecnicista da educação no país e dos processos de reconversão docente, a partir de 1990. O estudo está fundamentado nas reflexões de Antonio Gramsci acerca dos aparelhos privados de hegemonia e do caráter educador do Estado e adotou como procedimentos de coleta de dados a revisão bibliográfica e a análise de documentos de política educacional. O artigo se justifica pela importância do CAEd/UFJF no oferecimento de um amplo “portfólio de serviços”, envolvendo iniciativas relativas à gestão, à avaliação e à formação docente; pela longevidade de sua ação, abrangência e incidência dessas ações, alcançando quase todos os estados da federação, em articulação com os governos federal, estaduais e municipais, empresas, fundações, institutos privados, organizações internacionais e outros países. O Caed/UFJF foi identificado como um aparelho privado de hegemonia, que atua na difusão de concepções que visam a promoção da reconversão docente no país.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Adrião, T. (2018). Dimensões e formas da privatização da educação no Brasil: caracterização a partir de mapeamento de produções nacionais e internacionais. Currículo sem Fronteiras, 18(1), 8-28.

Abrucio, F. L. (2005). Os avanços e os dilemas do modelo pós-burocrático: a reforma da administração pública à luz da experiência internacional recente. In L. C. B. Pereira & P. Spink. (Orgs.). Reforma do Estado e administração pública gerencial. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Afonso, A. J. (2009). Avaliação educacional - regulação e emancipação: para uma sociologia das políticas avaliativas contemporâneas. São Paulo: Cortez.

Albino, Ângela C. A., & Da Silva, A. F. (2019). BNCC e BNC da formação de professores: repensando a formação por competências. Retratos da Escola, 13(25), 137-153. DOI: 10.22420/rde.v13i25.966. Recuperado de https://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/966. Consulta: 30/04/2023.

Barreto, E. S. S. (2013). Políticas de currículo e políticas docentes para educação básica. In A. M. Martins, A. I. Calderón, P. Ganzeli & T. O. G. Garcia (Orgs.). Políticas e gestão da educação: desafios em tempo de mudanças. Campinas: Autores Associados.

Bernardes, G. G. A. & Oliveira, J. F. (2021). Políticas de educação superior e da EAD no contexto do PNE (2014-2024): expansão, embates e desafios. In J. F. Oliveira & A. M. D. A. Castro (Orgs.). Políticas de educação superior e o PNE (2014-2024): educação a distância, pós-graduação e inclusão. Curitiba: CRV.

Bertagna, R. H. (2018). Mapeamento dos sistemas estaduais de avaliação da educação (2005-2015). In T. Garcia & T Adrião (Orgs.). Currículo, gestão e oferta da educação básica brasileira: incidências de atores privados nos sistemas estaduais (2005-2015). Curitiba: CRV.

Bertagna, R. H. & Borghi, R. F. (2018). Sistemas de avaliação dos estados no Brasil: avanços do gerencialismo na educação básica. Teias, 19(54), 48-62. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2018.36248.

Behring, E. R. (2008). Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Recuperado de https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECPN22015.pdf?query=LICENCIATURA. Consulta: 13/04/2023.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Recuperado de https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECPN22019.pdf. Consulta: 13/04/2023.

Brasil. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº1, de 27 de outubro de 2020. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Continuada de Professores da Educação Básica (BNC-Formação Continuada). Recuperado de https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_RES_CNECPN12020.pdf?query=Educacao%20Ambiental#:~:text=Link%20copiado!&text=Disp%C3%B5e%20sobre%20as%20Diretrizes%20Curriculares,(BNC%2DForma%C3%A7%C3%A3o%20Continuada). Consulta: 13/04/2023.

Brasil. (1997). Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Programa de Apoio à Avaliação Educacional (PROAV). Infocapes, 5(4), 63-77. Recuperado de https://www.gov.br/capes/pt-br/centrais-de-conteudo/1997INFOCAPESn41997.pdf. Consulta: 10/07/2022.

Burgos, M. B. (2020). A avaliação externa e os novos sujeitos da educação. Revista Pesquisa e Debate em Educação, 10(1), 1082-1102.

Cary, P. & Jany-Catrice, F. (2015). Novos indicadores de riqueza: avaliar o que e para quem? In A. C. B. Arcoverde (Org.). Avaliação de políticas públicas no capitalismo globalizado: para que e para quem? Recife: Editora UFPE.

Castro, M. H. G (2016). O Saeb e a agenda de reformas educacionais: 1995 a 2002. Em Aberto, 29(96), 85-98. Recuperado de http://www.emaberto.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/3153/2888. Consulta: 10/08/2022.

Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação. CAEd. Início. 2022. Recuperado de https://institucional.caeddigital.net. Consulta: 10/12/2021.

Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação. CAEd. Vamos fazer algo notável juntos? 2021. Recuperado de https://institucional.caeddigital.net/sobre.html. Consulta: 30/07/2021.

Coelho, M. G. (2021). Formação docente a distância e a hegemonia do setor privado com fins lucrativos. Trabalho de Conclusão de Curso. Graduação em Ciências Sociais. Universidade Federal Fluminense, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Niterói.

Condé, E. S. (2018). Processo n. 23071.016447/2018-08: Parecer. Em Brasil. Ministério da Educação. Universidade Federal de Juiz de Fora. Conselho Superior. Resolução n. 28/2018. Opina favoravelmente quanto à proposta de alteração do Estatuto da Fundação do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação – CAEd. Juiz de Fora, MG, 2-13.

Controladoria-Geral da União (2016). Secretaria Federal de Controle Interno. Controladoria Regional da União no Estado de Minas. Relatório de Auditoria n.º 201316808. Belo Horizonte/MG.

Coutinho, C. N. (1989). Teoria “ampliada” do Estado. In C. N. Coutinho. Gramsci: um estudo sobre se pensamento político. Rio de Janeiro: Campus.

Dale, R. (2004). Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “Cultura Educacional Mundial Comum” ou localizando uma “Agenda Globalmente Estruturada par aa Educação”? Educação & Sociedade, 25(87), 423-460.

De Rossi, V. L. S. (2005). Mudança com máscaras de inovação. Educação & Sociedade, 26(92), 935-957. Recuperado de https://www.scielo.br/j/es/a/33f3MHgds3mrbvP679kGdqt/?lang=pt&format=pdf. Consulta: 12/10/2021.

Eagleton, T. (1997). Ideologia: uma introdução. Tradução Silvana Vieira, Luís Carlos Borges. São Paulo: Universidade Estadual Paulista: Boitempo.

Evangelista, O. (2012). Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. In R. M. L. Araújo & D. S. Rodrigues (Orgs.). A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Campinas: Editora Alínea.

Freitas, L. C. (2012). Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação & Sociedade, 33(119), 379-404.

Freitas, L. C. (2014). Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação e Sociedade, 35(129), 1085-111

Fundação de Apoio e Desenvolvimento ao Ensino, Pesquisa e Extensão (FADEPE). FADEPE, 2018. Recuperado de https://fadepe.org.br/fadepe/. Consulta: 08/04/2022.

Fundação Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (Fundação CAEd). Estatuto Social. 2017. Recuperado de http://fundacaocaed.org.br/resources/arquivos/estatuto/2-alteracao-estatutaria_registrada-em-cartorio.pdf. Consulta: 06/03/2021.

Gramsci, A. (2000). Caderno do Cárcere. Tradução Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Harvey, D. (2011). O enigma do capital e as crises do capitalismo. Tradução João Alexandre Peschanski. São Paulo: Boitempo.

Lima, L. C. (2021). Máquinas de administrar a educação: dominação digital e burocracia aumentada. Educação & Sociedade, 42, e249276. Recuperado de https://doi.org/10.1590/ES.249276. Consulta: 06/03/2021.

Martins, A. (2009). A direita para o social: a educação da sociabilidade no Brasil contemporâneo. Juiz de Fora: Editora UFJF.

Melo, A. A. & outros (2015). Mudanças na educação básica no capitalismo neoliberal de Terceira Via no Brasil. In A. S. Martins & L. M. W. Neves (Orgs.). Educação básica: tragédia anunciada? São Paulo: Xamã.

Oliveira, M. A. A. (2019). Discursos em circulação sobre políticas de avaliação e accountability na educação básica: estados na Região Nordeste em foco. Tese de doutorado. Centro de Educação, Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/36320/1/TESE%20Maria%20Angela%20Alves%20de%20Oliveira.pdf. Consulta: 24/06/2022.

Oliveira, D. A. & Clementino, A. M. (2020). As políticas de avaliação e responsabilização no Brasil: uma análise da Educação Básica nos estados da região Nordeste. Revista Iberoamericana de Educación, 83, 143-162. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7436641. Consulta: 10/05/2023.

Perboni, F., Militão, A. N., & Di Giorgi, C. A. G. (2019). Manifestações do “quase-mercado” nas avaliações externas e em larga escala. Educação, 44, e21/ 1–24. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1984644434678.

Perboni, F. (2016). Avaliações externas e em larga escala nas redes de educação básica dos estados brasileiros. Tese de Doutorado. Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista. Presidente Prudente, Brasil.

Protetti, F. H. & Vaidergorn, J. (2011). As fundações de apoio às universidades públicas: efeitos da reforma do Estado na educação superior brasileira. Inter-Ação, 36(1), 159-178. DOI: https://doi.org/10.5216/ia.v36i1.15035.

Peroni, V. M. V. (2018). Implicações da relação público-privada para a democratização da educação. In V. M. V. Peroni, P. V. Lima & C. R. Kader (Orgs.). Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. São Leopoldo: Oikos.

POULANTZAS, N. (2000). O Estado, o poder, o socialismo. Tradução Rita Lima. São Paulo: Paz e Terra.

Rodrigues, J. (2021). Prêmio Escola de Valor no contexto das políticas de accountability na Rede Estadual de Ensino da Paraíba (2012-2018). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Campina Grande. Centro de Humanidades. Campina Grande, Brasil.

Scheibe, L. (2003). Formação de professores e pedagogos na perspectiva da LDB. In R. L. L. Barbosa (Org.). Formação de professores: desafios e perspectivas. São Paulo: Editora Unesp.

Shiroma, E. O. (2018). Gerencialismo e formação de professores nas agendas das

Organizações Multilaterais. Momento: diálogos em educação, 27(2), 88-106. Recuperado de https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8093. Consulta: 26/01/2021.

Shiroma, E. O. & Evangelista, O. (2015). Formação humana ou produção de resultados? Trabalho docente na encruzilhada. Revista Contemporânea de Educação, 10(20), Recuperado de https://revistas.ufrj.br/index.php/rce/article/view/2730. Consulta: 26/04/2021.

Shiroma, E. O. & Evangelista, O. (2011). Avaliação e responsabilização pelos resultados: atualizações nas formas de gestão de professores. Perspectiva, 29(1), 127-160. Recuperado de https://periodicos.ufsc.br/index.php/

perspectiva/article/view/2175-795X.2011v29n1p127. Consulta: 11/07/2021.

Shiroma, E. O. & Evangelista, O. (2008). Redes para reconversão docente. In A. F. Fiuza & G. H. Conceição (Orgs.). Política, educação e cultura. Cascavel: Edunioeste.

Shiroma, E. O. & Evangelista, O. (2003). A mística da profissionalização docente. Revista Portuguesa de Educação, 16(2), 07-24. Recuperado de https://core.ac.uk/download/pdf/25652751.pdf. Consulta: 26/04/2021.

Silva, A. F., Silva, L. L., & Freire, A. M. S. (2022). Políticas de accountability na educação estadual do Ceará, Pernambuco e Paraíba. Estudos em Avaliação Educacional, 33, 1-25.

Silva, A. F. (2018). Projetos em disputa na definição das políticas de formação de professores para a educação básica no Brasil (1987-2001). Curitiba: Appris.

Silva Júnior, J. R. (2017). Elementos sobre uma teoria do capitalismo acadêmico e a nova economia. In J. R. Silva Júnior. The new brasilian university: a busca por resultados comercializáveis: para quem? Bauru: Canal.

Souza, L. M. (2014). Três ensaios sobre avaliação de políticas públicas. Natal: EDUFRN.

Publicado
2023-11-04
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 132
  • PDF (Português (Brasil)) downloads: 61
Cómo citar
Garcia, L. T. dos S., & Silva, A. F. da. (2023). Neotecnicismo e reconversão docente: a atuação do centro de políticas públicas e avaliação da educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (CAED/UFJF). PARADIGMA, 44(5), 463-490. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2023.p463-490.id1513

Artículos más leídos del mismo autor/a