O Instituto Unibanco e suas implicações na política educacional cearense

Palabras clave: Parceria. Público e privado. Instituto Unibanco. Política Educacional cearense.

Resumen

A educação brasileira evidencia um embate incisivo, nos últimos 30 anos, entre as esferas do público e privado, via proliferação dos thinks tanks. Esse estudo tem como objetivo discutir a atuação do Instituto Unibanco e suas implicações no estado do Ceará, como think tank na política educacional. O método de pesquisa utilizado foi o materialismo histórico-dialético, que considera o mundo como um processo de complexos em constante transformação, e não como um conjunto de coisas acabadas. A partir de uma metodologia qualitativa, foram construídos mapas utilizando o software Atlas T.I., traçando um panorama das diretrizes e bases nacionais para a educação e relacionando com ações construídas no processo de fortalecimento da parceria entre SEDUC - Ceará e IU. Para entender a atuação do IU na educação é preciso observar as razões que favorecem sua permanência: marketing social, formação de jovens para avaliações externas, formação de gestores e professores. Conclui-se que os interesses do capital, representados pelo IU, tem determinado a definição e concepção de políticas educacionais, principalmente, no contexto cearense.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo. 4. ed. Lisboa: Edições 70.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília.

Brasil. (2014). Lei n.13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF., 26 jun 2014. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm>. Acesso: 29 mar. 2023.

Ceará. (2016). Lei nº 16.025, de 30 de maio de 2016. Dispõe sobre o Plano Estadual de Educação. Fortaleza, 2016. Disponível em: https://www.cee.ce.gov.br/legislacao/leis/leis-estaduais/ . Acesso em: 9 nov. 2022

Cury, C. R. J. (2002). Educação e Contradição. São Paulo: Cortez.

Di Pietro, M. S. Z. (2021). Direito Administrativo. 33. ed. São Paulo: Atlas, 2021.

Favaro, N. de A. L. G.; Semzezem, P.; Gotardo, C. A. (2020). Las funciones de la escuela secundaria brasileña en el contexto del ajuste neoliberal y de la crisis del capital. Paradigma, Maracay, p. 730-751. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2020.p730-751.id809 Acesso em: 03 abr. 2023.

Frigotto, G. (1991). O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. In: Fazenda, I. (Editor). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez.

Frigotto, G.; Ciavatta, M. (2003). Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e concedida à lógica do mercado. Educação & Sociedade. v. 24, n. 82, p. 93-130, abr.

Gibbs, B. (2009). Análise de Dados Qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Giddens, A. (2001). A Terceira Via: Reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro: Record.

Gohn, M. G. (2010). Educação Não Formal e o Educador Social: atuação no desenvolvimento de projetos sociais. São Paulo: Cortez.

Gonçalves, R. (1998). Globalização econômica e vulnerabilidade externa. Seminário Economia Global, Integração Regional e Desenvolvimento Sustentável. Colégio do Brasil e Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 17 de abr.

Harvey, D. (2008). O neoliberalismo história e implicações. São Paulo: Loyola.

Instituto Unibanco. Boletim Aprendizagem em Foco. Página de Apresentação. [s/d]. Disponível em: < https://www.institutounibanco.org.br/aprendizagememfoco/>. Acesso em: 01 de março de 2023.

Kosik, K. (1976). A Dialética do Concreto. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Landin, L. Defining the nonprofit sector in developing societies: Brazil. In: SALAMON, Lester M.; ANHEIER, Helmut K. (org.) Defining the nonprofit sector: acrossnational analysis, p. 323 349. New York: Manchester University Press, 1997.

Marx, K. (1988). O Capital: crítica da economia política. v. 1. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Melo, A. A. S. de. et. al. (2015). Mudanças na educação básica no capitalismo neoliberal de Terceira Via no Brasil. In: Martins, A. S.; Neves, L. M. W. (Editores). Educação Básica: tragédia anunciada, p. 23-44. São Paulo: Xamã.

Minto, L. W. (2018). Educação Superior no PNE (2014-2024): apontamentos sobre as relações público-privadas. Revista Brasileira de Educação, v. 23. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/gqC8fgq6CzxBNjwsxQBrhdm/?format=pdf&lang=pt Acesso em 28 de março de 2023.

Oliveira, R. P.; Araújo, G. C. (2005). Qualidade do ensino: uma nova dimensão da luta pelo direito à educação. Revista Brasileira de Educação, n. 28. jan./abr. Disponível em: https://www.academia.edu/2460068/Qualidade_do_ensino_uma_nova_dimens%C3%A3o_da_luta_pelo_direito_%C3%A0_educa%C3%A7%C3%A3o Acesso: 28 mar. de 2023.

Oliveira, A.; Haddad, Sérgio. (2001). As organizações da sociedade civil e as ONGs de educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 112, p. 61-83, mar.

Publicado
2023-11-04
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 35
  • PDF (Português (Brasil)) downloads: 24
Cómo citar
Souza, A. S., & Moreira, H. A. G. (2023). O Instituto Unibanco e suas implicações na política educacional cearense. PARADIGMA, 44(5), 182-203. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2023.p182-203.id1501