Avaliação em Matemática Partindo do Paradigma da Complexidade - O Princípio de uma Ação Contra Hegemônica

Resumen

Este artigo faz parte de uma pesquisa, a nível de doutorado, intitulada “Avaliação em Matemática partindo do Paradigma da Complexidade”, desenvolvida no Programa de Pós- graduação para Estrangeiros da Universidade Nacional de Rosario - ARG.  Entendemos que o ato de avaliar na disciplina de Matemática carece urgentemente de um olhar conjuntural.  Compreendemos também, que isto só é tangível através de um deslocamento de paradigma: da Simplicidade para a Complexidade. Logo, nos propomos a estruturar e executar um curso de formação inicial e continuada (FIC) visando oportunizar, aos colegas desta área, um (re)pensar sobre o ato de avaliar sob uma perspectiva complexa (balizado em Edgar Morin).  Este foi o pano de fundo para que desenvolvêssemos uma investigação com abordagem qualitativa, definida quanto a sua natureza como aplicada, classificada segundo seus objetivos como descritiva e enquadrada segundo os procedimentos, como Estudo de caso. Para a análise e interpretação das informações obtidas utilizamos a Análise Textual Discursiva (ATD). Dela emergiram cinco (5) metatextos; um destes dá nome a este artigo. 

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

BOGGINO, N.; BARÉS, E. (2016). Cómo evaluar desde el paradigma de la complejidad: pensar de nuevo la evaluación en el campo educativo. Rosario: Homo Sapiens.
GALIAZZI, M. C.; MORAES, R. (2016). Análise textual discursiva. 3. ed. Ijuí: Unijuí.
MORAES, R. (2003). Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação (Bauru), v. 9, n. 2, p. 191–211.
MORIN, E. (2015). Introdução ao pensamento complexo. 5. ed. Porto Alegre: Editora Sulina.
MORIN, E.; CIURANA, E. R.; MOTTA, R. D.; et al. (2003). Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. São Paulo: Cortez.
PETRAGLIA, I. C. (1995). Edgar Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. Petrópolis: Vozes.
SOUSA, R.S.; GALIAZZI, M.C. (2018). O jogo da compreensão na análise textual discursiva em pesquisas na educação em ciências: revisitando quebra-cabeças e mosaicos. Ciência & Educação (Bauru), v. 24, n. 3, p. 799–814.
STAKE, R. E. (2000). Case studies. In N. K. Denzin, Y. S. Lincoln (eds.), Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage Publications.
YIN, R. K. (2001). Estudo de caso. Porto Alegre: Bookman.
Publicado
2023-09-02
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 44
  • PDF downloads: 39
Cómo citar
Euzébio Bastos, V., & Medeiros Alves, A. M. (2023). Avaliação em Matemática Partindo do Paradigma da Complexidade - O Princípio de uma Ação Contra Hegemônica. PARADIGMA, 44(5), 88-101. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2023.p88-101.id1468