Foucault e a Educação Especial e Inclusiva: notas introdutórias e reflexões

Palabras clave: Foucault, Educação Especial, Educação Inclusiva, Escola

Resumen

As escolas são instituições de grande relevância para a sociedade, contribuindo com o seu desenvolvimento através de melhorias na qualidade do ensino, preparando jovens para o ingresso no ensino superior e no mercado de trabalho. No entanto, muito distante do que seria idealizado pela população, existe uma grande defasagem no sistema de ensino brasileiro, além de uma precariedade física e profissional, o que leva a deterioração da qualidade do ensino no País. Os mais afetados com esse descaso, todavia, são os alunos portadores de necessidades especiais, os quais frequentemente possuem dificuldades de socialização e aprendizado. Considerando que os alunos que não são portadores de tais necessidades já apresentam grandes dificuldades de aprendizado, um grande esforço deve ser despendido com o objetivo de proporcionar condições de inclusão para alunos deficientes, através da Educação Especial e Inclusiva. Nesse sentido, Foucault traz para o campo da discussão a questão das biopolíticas e do biopoder, que, em seu entendimento, são exercidos sobre a população e por ela em paralelo, os quais podem contribuir com melhorias a qualidade de ensino e na inclusão social. Considerando as contribuições do filósofo para uma temática tão importante e atual, o presente trabalho teve por objetivo propor uma reflexão sobre os pensamentos de Foucault e a Educação Especial e Inclusiva no Brasil e no mundo.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Yuri Miguel Macedo, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul
Doutor Honoris Causa - OCB (2022), pesquisador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da Universidade Federal do Espirito Santo (UFES), Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS). Mestre em Ensino e Relações Étnico-Raciais pela Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), atua nos seguintes temas: Identidade, Cultura, Classe, Gênero, Educação Inclusiva, Educação, Devoções, Transversalidade, Africanidades e Ancestralidade. Coordenador do Grupo de Pesquisa Educação Transversal (UFES) e do Grupo de Pesquisa Erê-Ecoa (UFES). É pesquisador associado ao Grupo de Pesquisas em Linguagens, Poder e Contemporaneidade (IFBA) ; Espaços Deliberativos e Governança Pública (UFV/CLACSO) e Educação para as relações étnico-raciais, territorialidades e novas mídias (UFES). Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPED), Société Internationale d'Ergologie (SIE) e Associação Brasileira de Ensino de Ciências Sociais (ABECS). 
Antônio Carlos do Nascimento Osório, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1996). Professor Titular da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2005). Docente-pesquisador no ensino de graduação (licenciaturas, Pedagogia e Psicologia) e na pós-graduação (PPGEdu/FAED - desde1996) e PPGPsi/FACH - 2011). Coordenador do Fórum de Pós-graduação em Educação da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Educação - ANPED (2004 - 2006). Título de Professor do Magistério Superior Emérito da UFMS. Coordenador do Grupo de Estudos nos Referenciais Acadêmicos Foucaultianos (GEIARF/CNPq) desde 2001. Pesquisa e orienta nas problematizações: Educação e Psicologia por intermédio das práticas sociais, culturais, pedagógicas e do Sujeito. Relações políticas (poderes e saberes) na constituição do sujeito, da sociedade, do Estado e das instituições. Sujeições, concessões e o adoecimento.

Citas

Borsa, J. C. 2007. O papel da escola no processo de socialização infantil. Psicologia - O Portal dos Psicólogos.

Caciano, C. & Silva, G. A; 2012. Foucault e educação: as práticas de poder e a escola atual. Revista E-PED, 2: 98-108.

Costa, J. A. 1999. O papel da escola na sociedade atual: implicações no ensino das ciências. Instituto Politécnico de Viseu - Dissertação de Mestrado.

Foucault, M. 2006. A Hermenêutica do Sujeito. Curso dado no Collège de France, 1981-1982. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. 2009. A Ordem do Discurso. Aula Inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 19.ed. São Paulo: Edições Loyola.

Foucault, M. 1995. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. 2005. Em Defesa da Sociedade. Curso no Collège de France, 1975-1976. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. 2006. Ética, Sexualidade, Política. 2.ed. (Coleção Ditos e Escritos V). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. 1977. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Rio de Janeiro, Edições Graal.

Foucault, M. 2007. Microfísica do Poder. 24.ed. São Paulo: Edições Graal.

Foucault, M. 2008. Nascimento da biopolítica. Curso dado no Collège de. France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. 2008b. Segurança, Território, População. Curso dado no Collège de France, 1977-1978. São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. Vigiar e Punir: Nascimento da Prisão. Petrópolos: Editora Vozes, 1987.

Garcia, R. M. C. & Michels, M. H. 2011. A política de educação especial no Brasil (1991-2011): Uma análise da produção do GT15 – Educação Especial da ANPEd. Revista Brasileira de Educação Especial,17: 105-124.

Laplane, A. 2006. Uma análise das condições para a implementação de políticas de educação inclusiva no Brasil e na Inglaterra. Educação & Sociedade, 27: 689-715.

Miranda, A. A. B. 2009. Educação especial no brasil: desenvolvimento histórico. Cadernos De História Da Educação, 7.

Publicado
2024-01-30
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 105
  • PDF (Português (Brasil)) downloads: 79
Cómo citar
Miguel Macedo, Y., & Carlos do Nascimento Osório, A. (2024). Foucault e a Educação Especial e Inclusiva: notas introdutórias e reflexões. PARADIGMA, 45(1), e2024002. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2024.e2024002.id1330
Sección
Artículos