LA EDUCACIÓN AMBIENTAL DESDE LA PERSPECTIVA DE LOS ESTUDIANTES DE CIENCIAS DE LA NATURALEZA: DE LOS CONCEPTOS A LAS ACTITUDES SOSTENIBLES COMO EL RECICLAJE

Palabras clave: Educación ambiental., Sustentabilidad, Graduación, Reciclaje

Resumen

La sociedad actual vive procesos de desarrollo insostenibles, cuyas principales consecuencias reflejan el aumento de la pobreza y la crisis ambiental. El ámbito educativo está estrechamente ligado a estos temas, especialmente a los aspectos socioambientales. El objetivo del trabajo fue investigar la percepción de Educación Ambiental (EA) de los estudiantes de pregrado principiantes de un curso de Ciencias de la Naturaleza, así como identificar qué entienden sobre prácticas sustentables en el entorno donde se insertan. Este estudio cualitativo-cuantitativo, parte de una encuesta, utilizó un cuestionario semiestructurado como instrumento de recolección de datos. La pregunta abierta sobre las concepciones de EA se categorizó a través del Análisis Textual Discursivo; para la pregunta sobre el conocimiento del reciclaje, se creó categorización, de acuerdo con los conceptos de los autores y la legislación vigente. Las otras preguntas se analizaron utilizando la metodología recuento de eventos. Los resultados revelan que la mayoría de los discursos se asignaron en la categoría naturalista (41%) todavía como una visión tradicional y en la categoría educativa (29%). Sobre los hábitos sostenibles en la vida cotidiana, la gran mayoría menciona conocimiento, recogida selectiva (98,6%) y reciclaje (93%), pero la mayoría no lo practica, 29,2%. Se considera que la EA puede contribuir a la solidificación teórico-metodológica curricular de la Universidad, como un espacio político privilegiado para la formación social, crítica y reflexiva.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Ailton Dinardi, Universidade Federal do Pampa
Possui graduação em Ciências Habilitação em Biologia pela Universidade do Sagrado Coração (1992), Especialização em Educação Ambiental pela Unesp de Botucatu/SP, Mestrado em Educação para Ciências pela Unesp de Bauru/SP e Doutorado em Ciência Florestal pela UNESP, campus de Botucatu/SP. Desde agosto de 2014 é Professor Adjunto da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA, Campus de Uruguaiana-RS e Docente Permanente do PPG Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. Coordena o Curso de Especialização em Educação Ambiental (Lato sensu) e o Curso de Ciências da Natureza (Gestão 2019-2020). Atua como pesquisador do COMCIÊNCIA, grupo de pesquisa em Ambiente, Educação, Ciênciometria e Ensino de Ciências. Compõe o Banco de Avaliadores do INEP - Basis.
Edward Pessano, Universidade Federal do Pampa
Graduado em Ciências Biológicas pela PUCRS em 2003, Especialista em Educação Ambiental pela FACISA em 2005, Mestre e Doutor em Educação em Ciências pela UFSM, em 2015. Atualmente é Professor na Fundação Universidade Federal do Pampa. Tem formação na área da Educação, Ensino de Ciências, Biologia, Ecologia e Zoologia. Atua principalmente em estudos na área do Ensino de Ciências, Educação Ambiental, Biologia, Zoologia e Ecologia. Na Unipampa é responsável pelo Laboratório de Biologia e Diversidade Animal - LBDA, atuando como líder do Grupo de Pesquisa em Ambiente, Educação, Cienciometria e Ensino de Ciências - ComCiência, e vice-líder no Núcleo de Pesquisas Ictiológicas, Limnológicas e Aquicultura da Bacia do Rio Uruguai (NUPILABRU). É Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências, Química da Vida e Saúde da UNIPAMPA e está como Pró-Reitor de Gestão de Pessoas da Universidade Federal do Pampa. Pai da Eduarda, da Alice e do Francisco. Já integrou a banda Palometas do Sucesso e Acústico Regressivo. É produtor de cerveja artesanal (Cervejaria Xisme). Site do Laboratório de Biologia e Diversidade Animal: http://porteiras.s.unipampa.edu.br/lbda/

Citas

ARRAIS, A.; BIZERRL, M. A. A Educação Ambiental Crítica e pensamento freiriano: tecendo possibilidades de enfrentamento e resistência frente ao retrocesso estabelecido no contexto brasileiro. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 2020. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/10885. Acesso em: 10 jun. 2021.

ART, H. Dicionário de Ecologia e Ciências Ambientais. São Paulo: Melhoramentos, 1998.

BASTOS, A. Pesquisa identifica fatores de desperdício de alimentos em famílias de baixa renda. Embrapa. 2015. Disponível em: https://www.embrapa.br/web/mobile/noticias/-/noticia/3381192/pesquisa-identifica-fatores-de-desperdicio-de-alimentos-em-familias-de-baixarenda. Acesso em: 21 out. 2020.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasília: MEC. 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

BRASIL. Lei 9.795. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, 28/04/99. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/leis/L9795.htm. Acesso em: 19 dez. 2019.

BRASIL. Lei 12.305. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, altera a Lei 9.605 de fev. 1998 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, ago. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 19 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução 2. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. CNE, Conselho Pleno. Brasília, jun. 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Diagnóstico dos resíduos sólidos urbanos, 2013. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/7633. Acesso em: 04 mar. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular – Educação é a Base – Ciências da Natureza. Brasília, dez. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/imagens/BNCCEIEF 110518versaofinalsite.pdf. Acesso em: 22 mar. 2021.

CARVALHO, F. O ato de educar em Paulo Freire. (Monografia), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil), 2007. Disponível em: http://www2.unirio.br/unirio/cchs/educacao/graduacao/pedagogiapresencial/ FlaviaAssisdeCarvalho.pdf. Acesso em: 15 mai. 2021.

COHEN, M. Truman and israel. Berkeley: University of California press, 1990.

CHIZZOTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. São Paulo: Cortez, 1991.

DINARDI, A. J. Meio Ambiente e Educação Ambiental: Concepções dos Graduandos de uma Universidade Pública, Setor Educação da UFPR, 2017. Disponível em: http://www.epea2017.ufpr.br/wp-content/uploads/ 2017/07/06-07-fich%C3%A1rio.pdf. Acesso em: 04 abr. 2021.

FAGUNDES, D. Gerenciamento de resíduos sólidos urbanos em Tarumã e Teodoro Sampaio – SP, Sociedade & Natureza, p. 159-179, Uberlândia, 2009.

FERNANDES, E.; CUNHA, A.; MARÇAL, O. Educação Ambiental e Meio Ambiente: concepções de profissionais da educação. In: IV Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. São Carlos-SP, 2002.

FERREIRA, G. P. A ação política em Paulo Freire: uma introdução sobre o processo de libertação e organização dos oprimidos. Revista Florestan, São Carlos, v.1, n.2, 2014. Disponível em: http://www.revistaflorestan.ufscar.br/index.php/Florestan/article/view/53. Acesso em: 15 mai. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

GAUDIANO, E. G. Educação Ambiental. Lisboa: Stória Editores, 2005.

GIL, A. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2019.

HARDY, M.; BRYMAN, A. The handbook of Data Analysis. Sage Publications, 2009.

JESUS, D.; SILVA, R. A inclusão da educação ambiental nos conteúdos curriculares do ensino superior sul-mato-grossense: cenários e perspectivas. Revbea, v.11, n.2, p.164-177, 2016.

LEGASPE, L. O uso racional de sobras orgânicas urbanas na transformação alimentar humana, ração animal e adubo na CEAGESP São Paulo. In: Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia em Resíduos e Desenvolvimento sustentável e Ciclo de Conferências sobre Política e Gestão Ambiental. Anais. Florianópolis: ICTR, NISAM, 2004. 1 CD-ROM.

JUNGES, J. (Bio) Ética Ambiental. São Leopoldo: Ed. Unisinos, 2010.

MAGERA, M. Os caminhos do lixo: da obsolescência programada à logística reversa. Campinas: Átomo Alínea, 2013.

MAGERA, M.; COSTA, R.; PACHECO, J.; MARCO, A. BAU, F. Viabilidade econômica da reciclagem dos resíduos urbanos da cidade de Lisboa – PT – análise utilizando o aplicativo verdes-pt. Research, Society and Development, v.9, n.5, 2020.

MARCONI, M.; LAKATOS, E. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2011.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, v.12, n.1, p.117-128, 2006.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. Análise textual discursiva. Ijuí, Brasil: Ed Unijuí, 2007.

MULLER, J. Educação ambiental: Diretrizes para a prática pedagógica. Porto Alegre: Cortez. 1999.

OLIVEIRA, M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis, Brasil: Vozes, 2007.

OLIVEIRA, C.; COSTA, S. Projeto Cidadão. O Lixo Agora é Problema de Todos, 2010. Disponível em: http://cpsustentaveis.planejamento.gov.br/assets/conteudo/uploads/responsabilidadecompartilhada.pdf. Acesso em: 01 jun. 2021.

PERSICH, J.; SILVEIRA, D. Gerenciamento de Resíduos Sólidos – Importância da Educação Ambiental no Processo de Implantação da Coleta Seletiva de Lixo – Caso de Ijuí/RS. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reget/article/view/3858. Acesso em: 06 jun. 2021.

RIBEIRO, H.; BESEN, G. Panorama da coleta seletiva no Brasil: desafios e perspectivas a partir de três estudos de caso. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente - InterfaceHS. v.2, n.4, p.1-18. 2007.

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado de Educação. Departamento Pedagógico União Nacional dos Dirigentes Municipais em Educação. Referencial Curricular Gaúcho: Ciências da Natureza. Porto Alegre, 2018. Disponível em: http://portal.educacao.rs.gov.br/Portals/1/Files/1530.pdf. Acesso em: 22 dez. 2020.

SANTOS, R. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo:Oficina de Textos, 2004.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes de Educação Ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (Orgs.), Educação Ambiental: pesquisas e desafios. Porto Alegre, Brasil:Artmed, 2005. p.17-44.

SILVA, S. Concepções e representações sociais de meio ambiente: uma revisão crítica da literatura. In: VII ENPEC: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis-SC, 2009.

SILVA, D. A Educação Ambiental no Contexto Escolar... como prática participativa. (Trabalho de Conclusão de Especialização) – Instituto a vez do Mestre, Universidade Candido Mendes, RJ, 2010. Disponível em: https://www.avm.edu.br/docpdf/monografiaspublicadas/T205898.pdf. Acesso em: 04 abr. 2021.

SIQUEIRA, M.; MORAES, M. Saúde coletiva, resíduos sólidos urbanos e os catadores de lixo. Ciência e Saúde Coletiva, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232009000600018&script=sciart text. Acesso em: 14 dez. 2020.

TOZONI-REIS, M. Pesquisa-ação em Educação Ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, v.3, n.1, p.155-169, 2008.

VALLE, C. Qualidade ambiental: como ser competitivo protegendo o meio ambiente. São Paulo: Pioneira, 1995.

VIZEU, F.; MENEGHETTI, F.; SEIFERT, R. Por uma crítica ao conceito de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, v.10, n.3, p.569-583, 2012.

WOLLMANN, E.; SOARES, F.; ILHA, P. As percepções de Educação ambiental e Meio ambiente de professoras das séries finais e a influência destas em suas práticas docentes. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v.15, n.2, 2015.

ZARO, M.; KALSING, R.; THEODORO, H. Consumo e descarte de resíduos alimentares em um bairro do município de Caxias do Sul/RS. #Tear: Revista de Educação Ciência e Tecnologia, Canoas, v.7, n.1, 2018.

Publicado
2023-01-01
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 90
  • PDF downloads: 88
Cómo citar
Braccini Pereira, K., Dinardi, A., & Pessano, E. (2023). LA EDUCACIÓN AMBIENTAL DESDE LA PERSPECTIVA DE LOS ESTUDIANTES DE CIENCIAS DE LA NATURALEZA: DE LOS CONCEPTOS A LAS ACTITUDES SOSTENIBLES COMO EL RECICLAJE. PARADIGMA, 44(1), 269-295. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2023.p269-295.id1240
Sección
Artículos