Rigor y Veracidad en Investigaciones Desarrolladas Según el Enfoque Fenomenológico en el Alcance de la Educación Matemática

Palabras clave: Investigación cualitativa, Fenomenología, Historia, Clases Hospitalarias, Afectividad

Resumen

Este texto tiene como objetivo presentar comprensiones sobre el rigor y la verdad en la investigación desarrollada en una perspectiva fenomenológica. En este sentido, discutimos este enfoque en investigaciones ubicadas en el ámbito de la Educación Matemática. Para ello, describimos tres investigaciones: una situada en el ámbito de las producciones históricas; otra realizada en la interconexión de espacios de formación, en la que la enseñanza de las matemáticas se desarrolla en los espacios de las aulas hospitalarias; y, aún, una tercera, que se remonta a comprender el entrelazamiento entre afectividad y aprendizaje matemático a partir de lo que se revela en el mundo de la vida. Los contextos de investigación presentados no agotan el tema, pero constituyen un punto de partida para pensar el tratado.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Érica Czigel, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro
Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Câmpus de Guaratinguetá. Atualmente é mestranda em Educação Matemática pelo Programa de Pós-graduação em Educação Matemática na Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Câmpus de Rio Claro. Tem experiência nas áreas de Matemática, Educação Matemática e Filosofia da Educação Matemática.
Joel Gonçalves dos Santos, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro
Licenciado em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Câmpus de Guaratinguetá. Atualmente é mestrando em Educação Matemática pelo Programa de Pós-graduação em Educação Matemática na Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Câmpus de Rio Claro. Tem experiência nas áreas de Educação, Educação Matemática e Filosofia.
Romário Costa da Rocha Júnior, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro
Licenciado em Matemática pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) - Câmpus de Viçosa. Atualmente é mestrando em Educação Matemática pelo Programa de Pós-graduação em Educação Matemática na Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Câmpus de Rio Claro. Tem experiência nas áreas de Matemática, Educação Matemática e Filosofia da Educação Matemática
Fabiane Mondini, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Sorocaba
Licenciada em Matemática pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) – Câmpus de Erechim. Especialização em Educação Matemática pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI)- Câmpus de Erechim. Mestrado e Doutorado em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Câmpus de Rio Claro Professora do Departamento de Engenharia de Controle e Automação do Instituto de Ciência e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Câmpus de Sorocaba e do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Campus de Rio Claro. Tem experiência em Matemática, com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente em Filosofia da Educação Matemática.

Citas

Bicudo, M. A. V. (1994). Sobre a fenomenologia. In Bicudo, M. A. V., & Espósito, V. H. C. Pesquisa qualitativa em educação (pp. 15-22.). Piracicaba: UNIMEP.

Bicudo, M. A. V. (1999a). A contribuição da fenomenologia à educação. In Bicudo, M. A.V., & Cappelletti, I. F. Fenomenologia: uma visão abrangente da Educação (p. 11-55). (1a ed.) São Paulo: Olho d'Água.

Bicudo, M. A. (1999b). Ensino de Matemática e Educação Matemática: algumas considerações sobre seus significados. Bolema, 12(13), 1-11. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/10638. Acesso em: 16 nov. 2021.

Bicudo, M. A. V. (2011a). A pesquisa qualitativa olhada para além dos seus procedimentos. In: Bicudo, M. A. V (Org.). Pesquisa qualitativa: segundo a visão fenomenológica (pp. 11-28). São Paulo: Cortez.

Bicudo, M. A. V. (2011b). Aspectos da pesquisa qualitativa efetuada em uma abordagem fenomenológica. In: Bicudo, M. A. V. (Org.). Pesquisa qualitativa: segundo a visão fenomenológica (pp.29-40). São Paulo: Cortez.

Bicudo, M. A. V. (2012). A pesquisa em educação matemática: a prevalência da abordagem qualitativa. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia – RBECT, 5(2), 15-26.

Bicudo, M. A. V. (2016a). Sobre história e historicidade em Edmund Husserl. Cadernos da Escola de Magistratura Regional Federal – EMARF, 9(1), 21-48.

Bicudo, M. A. V. (2016b). Filosofia, fenomenologia, psicologia e ciências: temas importantes para estudiosos da educação matemática. In Bicudo, M. A. V., & Antúnez, A. E. A. (Org.). Fenomenologia, psicopatologia e neurociências: e a consciência? Seminários com Angela Ales Bello na Universidade de São Paulo (pp. 18-30). São Paulo: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação. Porto: Porto Editora.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília.

Brasil. Ministério da Educação. (2001). Resolução CNE/CEB n.º 2, de 11 de setembro de 2001. Estabelece as Diretrizes Nacionais de Educação Especial. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília.

Brasil. Ministério da Educação. (2002). Classe hospitalar e atendimento pedagógico domiciliar: estratégias e orientações. Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/livro9.pdf. Acesso em: 27 de abr. 2021.

Chizzotti, A. (2003). A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, 16(2), p. 221-236.

Coêlho, I. M. (1999). Fenomenologia e Educação. In: Bicudo, M. A.V.; Cappelletti, I. F. Fenomenologia: uma visão abrangente da Educação (pp. 53-104). São Paulo: Olho d'Água.

Costa, M. G. (2017). O cuidado na filosofia de Martin Heidegger. Disponível em: http://famariana.edu.br/blog/2017/10/03/o-cuidado-na-filosofia-de-martin-heidegger/#:~:text=Percebemos%20ag%20a%20 dualidade%20do,ainda%20que%20 de%20 modo%20 privativo. Acesso em: 17 nov. 2021.

Fontes, D. S. R. (2008). Da classe à pedagogia hospitalar: a educação para além da escolarização. Revista Linhas, 9(1), (p. 72-92). Disponível em: http://www.periodicos.udesc.br/index.php/linhas/article/download/1395/1192. Acesso em: 12 dez. 2021.

Gadamer, H. G. (2014). Verdade e método I: complementos e índice. (14. ed.). Petrópolis: Vozes.

Garnica, A. V. M. (1997). Algumas notas sobre pesquisa qualitativa e fenomenologia. Interface-comunicação, saúde, educação, 1(1), 109-122. Disponível em: https://www.scielo.br/j/icse/a/CMZhfgQZbFHBdTjg9fFWpkd/?format=pdf&lang=pt/ Acesso em: 25 mar. 2022.

Heidegger, M. (2005). Ser e Tempo. Petrópolis: Vozes.

Husserl, E. (2008). A crise da humanidade europeia e a filosofia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

Inwood, M. (2002). Dicionário Heidegger. Tradução de Luísa Buarque de Holanda. Zahar.

Martins, J. (2006). Estudos sobre existencialismo, fenomenologia e educação. São Paulo: Centauro.

Martins, J., Bicudo, M. A. V. (1989). Pesquisa qualitativa em Psicologia: Fundamentos e Recursos Básicos. Sociedade de Estudos e Pesquisas Qualitativos. São Paulo. Moraes.

Mazzotti, A. J. A. (1991). O planejamento de pesquisas qualitativas em educação. Cadernos de pesquisa, (77), 53-61.

Merleau-ponty, M. (2006). Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto de Ribeiro Moura. São Paulo: Martins Fontes.

Mondini, F., & Bicudo, M. A. V. (2019). Uma interpretação analítica da organização escolar da Matemática durante a Primeira República Brasileira. ZETETIKÉ, 27, 1-25.

Mondini, F., Mocrosky, L. F., & Bicudo, M. A. V. (2016). A hermenêutica em educação matemática: compreensões e possibilidades. Revista Eletrônica de Educação Matemática, 11, 317-327.

Mondini, F.; Paulo, R. M., & Mocrosky, L. F. (2018). As contribuições da fenomenologia à Educação. In: Anais do Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos (p. 1-8). Foz do Iguaçu. Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos, 2018.

Neves, J. L. (1996). Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, 1(3), p. 1-5. Disponível em: https://www.hugoribeiro.com.br/biblioteca-digital/NEVES-Pesquisa_Qualitativa.pdf. Acesso em: 25 mar. 2022.

Praseres, J. S. (2015). Fenomenologia da Afetividade: Um Estudo a partir de Michel Henry. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. São Paulo: McGraw-Grill.

Teixeira, R. A. G., Ribeiro, W. S., Teixeira, U. S. C., & Souza, M. J. (2017). Classe Hospitalar: percepções sobre o ensino de Matemática no contexto hospitalar. Signos, Lajeado, 38(2), p. 111-130. Disponível em: http://www.univates.br/revistas/index.php/signos/article/view/1595. Acesso em: 12 dez. 2021.

Zuben, N. A. V. (2003). Formação de professores: da incerteza à compreensão. In: Bicudo, M. A. V. (Org.). Formação de professores? Da incerteza à compreensão (pp. 47-84). Bauru, EDUSC.

Publicado
2022-05-01
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 100
  • PDF downloads: 56
Cómo citar
Czigel, Érica, Santos, J. G. dos, Rocha Júnior, R. C. da, & Mondini, F. (2022). Rigor y Veracidad en Investigaciones Desarrolladas Según el Enfoque Fenomenológico en el Alcance de la Educación Matemática. PARADIGMA, 43(2), 471-489. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p471-489.id1235