Características fundamentales del trabajo con Modelación Matemática en el ámbito de la Educación Matemática

Palabras clave: Modelación matemática, Educación matemática, Fenomenología, Investigación cualitativa

Resumen

La pregunta que nos mueve en la articulación de este texto se centra en lo qué caracteriza el trabajo con la Modelación Matemática en la Educación Matemática. La indagación busca comprender los aspectos que se abren y que implican trabajar con la MM en el aula. Los datos producidos para la investigación se refieren a entrevistas con sujetos significativos que trabajan con Modelación Matemática en la Educación Matemática. Los análisis fueron guiados por procedimientos de investigación cualitativa, guiados por la visión fenomenológica. Las discusiones que presentamos indican que la Modelación Matemática en la Educación Matemática como horizonte abierto de posibilidades de enseñanza y aprendizaje, las matemáticas y la realidad, los aspectos concernientes al modo de ser del estudiante, presentes también en la acción ciudadana, la formalización e la interdisciplinariedad son aspectos característicos del trabajo con Modelación Matemática en situaciones de enseñanza y aprendizaje.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Carla Melli Tambarussi, Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel, PR. Mestre em Educação pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Cascavel, PR. Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Rio Claro, SP. Atualmente é professora substituta do Instituto Federal do Paraná (IFPR), Assis Chateaubriand, PR.
Maria Aparecida Viggiani Bicudo, Universidade Estadual Paulista
Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual Paulista. Pesquisadora 1-A do CNPq. Presidente da Sociedade de Estudos e Pesquisa Qualitativos (www.sepq.org.br). Coordenadora do Grupo de Pesquisa “Fenomenologia em Educação Matemática. Autora de livros, de capítulos de livros e de artigos em periódicos. Site: www.mariabicudo.com.br.

Citas

Abbagnano, N. (2007). Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes.
Almeida, L. M. W. de., Silva, K. P. da., & Vertuan, R. E. (2012). Modelagem Matemática na educação básica. São Paulo: Contexto.
Barbariz, T. A. M. (2017). A constituição do conhecimento matemático em um curso de matemática à distância. (Tese de doutorado). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro.
Barbosa, J. C. (2004). As relações dos professores com a Modelagem Matemática. In Anais do 8º Encontro Nacional de Educação Matemática (pp. 1-11). Recife: SBEM.
Bassanezi, R. C. (2002). Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo: Contexto.
Batistela, R. de F. (2017). O teorema da incompletude de Gödel em cursos de licenciatura em matemática. (Tese de doutorado). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro.

Bean, D. (2001). O que é Modelagem Matemática? Educação Matemática em Revista, (9), 49-57.
Bicudo, M. A. V. (org.). (2011). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez.
Bicudo, M. A. V. (2020). The origin of number and the origin of geometry: issues raised and conceptions assumed by Edmund Husserl. Revista Pesquisa Qualitativa, 8(18), 387-4180.
Biembengut, M. S. (2009). 30 anos de Modelagem Matemática na Educação Brasileira: das propostas primeiras às propostas atuais. Alexandria, 2(2), 7-32.
Blum, W. (2011). Can Modelling Be Taught and Learnt? Some Answers from Empirical Research. In E. G. KAISER. et al. (eds.). Trends in Teaching and Learning of Mathematical Modelling, International Perspectives on the Teaching and Learning of Mathematical Modelling (pp. 15-30). [S.I.]: Springer.
Burak, D. (2004). A modelagem matemática e a sala de aula. In Anais do 1º Encontro Paranaense de Modelagem em Educação Matemática (pp. 1-10). Londrina: UEL, 2004.p. 1-10.
Burak, D. (2010). Modelagem Matemática sob um olhar de Educação Matemática e suas implicações para a construção do conhecimento matemático em sala de aula. Revista de Modelagem na Educação Matemática, 1(1), 10-27.
Burak, D., & Aragão, R. M. R. de. (2012). A modelagem matemática e relações com a aprendizagem significativa. Curitiba: CRV.
Ceolim, A. J., & Caldeira, A. D. (2015). Modelagem Matemática na Educação Matemática: obstáculos segundo professores da Educação Básica. Educação Matemática em Revista, 1, 25-3.
Da Silva, J. J. (2007). Filosofias da Matemática. São Paulo: Editora Unesp.
Heidegger, M. (2008). Ser e tempo (3. ed). Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Petropólis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco.
Houaiss, A. (2017). Dicionário Houaiss de sinônimos e antônimos. São Paulo: Objetiva.
Husserl, E. (2006). Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Tradução de M. Suzuki. Aparecida: Ideias & Letras.
Husserl, E. (2008). A Crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: uma introdução à filosofia fenomenológica. Tradução de Pedro M. S. Alves. [S.I.]: Phainomenon e Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa.
Japiassú, H., & Marcondes, D. (2001). Dicionário básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.
Meyer, J. F. da C. de A., Caldeira, A. D., & Malheiros, A. P. dos S. (2011). Modelagem em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica.

Mutti, G. de. S. L. (2020). Adoção da modelagem matemática para professores em um contexto de formação continuada. (Tese de doutorado). Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel.
Oliveira, W. P. (2016). Modelagem Matemática nas licenciaturas em matemática das universidades estaduais do Paraná. (Dissertação de mestrado). Centro de Educação, Comunicação e Artes, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel.
Palmer, R. E. (1969). Hermenêutica. Tradução de Maria Luísa Ribeiro Ferreira. Lisboa: Edições 70.
Sberga, A. A. (s.d.). A formação da pessoa em Edith Stein. Curitiba: Paulus.
Silva, K. A. P., Kato, L. A., & Klüber, T. E. (2014). Modelagem Matemática na Educação Matemática: Perspectivas e Diálogos entre os diferentes níveis de ensino. In Anais do 12º Encontro Paranaense de Educação Matemática (pp. 1-4). Campo Mourão: UNESPAR.
Snapper, E. (1984). As Três Crises da matemática: o Logicismo, o Intuicionismo, e o Formalismo. Tradução de J. P. de Carvalho. Humanidades, 2(8), 85-93.
Tambarussi, C. M., & Bicudo, M. A. V. (2020). Focando o conceito de conhecimento em Modelagem Matemática na Educação Matemática. Paradigma, XLI(2), 311-330.
Tambarussi, C. M. (2021). A produção do conhecimento matemático ao se trabalhar com Modelagem Matemática. (Tese de doutorado). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro.
Vargas, M. (1996). História da matematização da natureza. Estudos Avançados, 10(28), 249-276.
Venturin, J. A. (2015). A Educação Matemática no Brasil da perspectiva do discurso de pesquisadores. (Tese de doutorado). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.
Publicado
2022-05-01
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 51
  • PDF downloads: 57
Cómo citar
Tambarussi, C. M., & Viggiani Bicudo, M. A. (2022). Características fundamentales del trabajo con Modelación Matemática en el ámbito de la Educación Matemática. PARADIGMA, 43(2), 307-328. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p307-328.id1228