Aspectos metodológicos de una investigación sobre la enseñanza del cálculo con realidad aumentada

Palabras clave: Fenomenología, Educación Matemática, Constitución del conocimiento, Escenas significativas

Resumen

En este texto, traemos aspectos de una investigación de doctorado en curso que nos permite exponer una posibilidad de, al describir los datos de una investigación fenomenológica, encontrar recursos expresivos que puedan evidenciar la experiencia vivida por alumnos de Licenciatura en Matemática que se envolvieron con tareas sobre contenidos trabajados en la disciplina de Cálculo Diferencial e Integral. Esa vivencia se dio en un curso libre de corta duración, en el cual los contenidos fueron explorados con un aplicativo de Realidad Aumentada: o GeoGebra AR. En este artículo se trae una breve discusión de la temática en que la pregunta de investigación se sitúa, también presentamos la postura asumida en la investigación, la fenomenológica, para hablar de la importancia de la descripción y cómo entendemos la constitución de conocimiento. Como la investigación de la que se desprende la escritura de este texto está en curso, los resultados presentados aquí son parciales y optamos por evidenciar lo que, para nosotros, tiene sentido en términos de movimiento comprensivo de alumnos que participaron del curso. Interpretamos que este movimiento no es preconcebido u orientado conceptualmente, pero, es la acción del cuerpo-propio, potencia expresiva que se instala en el medio circundante.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Rosa Monteiro Paulo, Universidade de Mogi das Cruzes
Possui graduação em Ciências com Habilitação em Matemática pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Mestre e Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Rio Claro. É professora e orientadora do Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Rio Claro. Professora do Departamento de Matemática da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá, responsável por disciplinas no curso de Licenciatura em Matemática. Pesquisadora e vice coordenadora do grupo de pesquisa Fenomenologia em Educação Matemática, vinculado a Unesp, campus Rio Claro.
Anderson Luís Pereira, Universidade Estadual Paulista
Licenciado em Matemática pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus Guaratinguetá. Mestre e doutorando em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus Rio Claro. É membro do grupo de pesquisa Fenomenologia em Educação Matemática, vinculado à Unesp, campus Rio Claro. É Professor de Educação Básica II em Matemática da rede municipal de ensino de Guaratinguetá e, atualmente, é Orientador de Polo Univesp – Guaratinguetá. É Google Trainer e possui experiência na capacitação de Professores para o uso das ferramentas Google for Education.

Citas

Azuma, T. R. (1997). A Survey of Augmented Reality. Presence: Teleoperators and Virtual Environments, 6(4), 355-385. Disponível em: http://www.ronaldazuma.com/papers/ARpresence.pdf. Acesso em: 20 jun. 2017
Bicudo, M. A. V. (2020). Pesquisa Fenomenológica em Educação: possibilidades e desafios. Revista Paradigma (Edición Cuadragésimo Aniversario: 1980-2020), XLI, 30-56.
Bicudo, M. A. V. (2020). Fenomenologia: confrontos e avanços. São Paulo: Editora Cortez.
Cardoso, C. L. (2007). Um estudo fenomenológico sobre a vivência em família: com a palavra a comunidade. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
Devlin, K. (2010). O gene da matemática. (5. ed.). Rio de Janeiro: Record.
Detoni, A. R., & Paulo, R. M. (2011). A organização dos dados da pesquisa em cena: um movimento possível de análise. In M. A. V. Bicudo. (Org.). Pesquisa Qualitativa segundo uma visão fenomenológica (pp. 99-120). São Paulo: Editora Cortez, 2011.
Fernandes, S. A. (2014). A priori material e a priori formal: Husserl. Joaquim de Carvalho e Delfim Santos Studies 2. Arquivo Delfim Santos, (2), 32-39. Disponível em: http://files7.webydo.com/91/9126988/UploadedFiles/B704B625-E056-F7D6-9975-651DA3568A3E.pdf. Acesso em: 07 dez. 2021.
Fischbein, E. (1994). The interaction between the formal, the algorithmic, and the Intuitive components in a mathematical activity. Didactics of Mathematics as a Scientific Discipline, 231-245.
Gouveia, C. A. A. (2010). Processos de Visualização e Representação de Conceitos de Cálculo Diferencial e Integral com um Software Tridimensional. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, UNESP, Rio Claro.
Husserl, E. (2012a). A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: uma introdução à filosofia fenomenologia. Tradução D. F. Ferrer. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.
Husserl, E. (2012b). Investigações Lógicas: investigações para a fenomenologia e a Teoria do Conhecimento. Tradução Pedro M. S. Alves e Carlos Aurélio Morujão. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
Husserl, E. (2006). Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. São Paulo: Ideias e Letras.
Kirner, C. (2011). Prototipagem Rápida de Aplicações Interativas de Realidade Aumentada. Tendências e Técnicas em Realidade Virtual e Aumentada, 2(1), 29-54.
Kirner, C., Tori, R., & Siscouto, R. (2006). Fundamentos e Tecnologia de Realidade Virtual e Aumentada. Livro do Pré-Simpósio - VIII Symposium on Virtual Reality. Belém - PA,
Lee, K. (2012). Augmented Reality in Education and Training. TechTrends, 56(2), 13-21. https://doi.org/10.1007/s11528-012-0559-3
Lima, G. L. (2012). A disciplina de Cálculo I do curso de Matemática da Universidade de São Paulo: um estudo de seu desenvolvimento, de 1934 a 1994. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.
Martins Junior, J. C. (2015). Ensino de Derivadas em Cálculo I: aprendizagem a partir da visualização com o uso do GeoGebra. (Dissertação de Mestrado Profissional). Universidade Federal de Ouro Preto, Minas Gerais.
Merleau-Ponty, M. (1994). Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martins Fontes.
Paganini, E. M. L., & Allevato, N. S. G. (2014). Ensino e aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral: um mapeamento de algumas teses e dissertações produzidas no Brasil. Vidya, 34(2), 61-74.
Sberga, A. A. (2014). A Formação da Pessoa em Edith Stein. São Paulo: Paulus.
Schaun, T. T. (2019). As Representações Tridimensionais das Superfícies Quádricas na Disciplina de Cálculo com Realidade Aumentada. (Dissertação de Mestrado). Instituto de Física e Matemática, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas.
Schuster, P. E. S. (2020). Uma professora em cyberformação com tecnologias digitais de realidade aumentada: como se dá a constituição do conhecimento matemático? (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.
Silva, A. A. (2017). A produção do conhecimento em Educação Matemática em grupos de pesquisa. (Tese de Doutorado). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro.
Stewart, J. (2013). Cálculo, Volume 2 (7. ed.). Tradução: EZ2 Translate. São Paulo: Cengage Learning.
Tombolato, M. A., & Santos, M. A. (2020). Análise Fenomenológica Interpretativa (AFI): fundamentos básicos e aplicações em pesquisas. Phenomenological Studies. Revista de Abordagem Gestaltica, XXVI(3), 293-304.
Valentim, T. A. (2017). O uso da Realidade Aumentada no ensino da Geometria Espacial. (Dissertação de Mestrado profissional). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
Publicado
2022-05-01
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 46
  • PDF downloads: 51
Cómo citar
Paulo, R. M., & Pereira, A. L. (2022). Aspectos metodológicos de una investigación sobre la enseñanza del cálculo con realidad aumentada. PARADIGMA, 43(2), 82-104. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p82-104.id1219