Un movimiento formativo en Educación Matemática: el procedimiento fenomenológico a la hora de constituir y analizar datos

Palabras clave: Educación Matemática, Investigación cualitativa, Fenomenología, Forma/Acción

Resumen

En este artículo abordamos la investigación cualitativa en Educación Matemática, enfatizando el enfoque fenomenológico como movimiento investigativo que tiene el potencial de orientar la actitud formativa de los docentes. Nos valemos de la constitución y análisis de datos de un estudio de doctorado profesional, para afirmar cómo se pueden dinamizar decisiones por procedimientos cualitativos y solicitar a los investigadores parcelas genuinas pertinentes a lo investigado. Concluimos explicando las articulaciones de la producción al analizar datos que revelan posibilidades para pensar la investigación cualitativa en Educación Matemática en una perspectiva formativa con direcciones a la enseñanza. Se destaca el término formativo porque, a diferencia de un formador, no prevé procedimientos sistemáticos antes de la constitución de los datos. También, se evidencia por emerger de los desafíos que provoca el involucramiento del indagador, el cual, a su vez, solicita que el investigador, a la luz de lo interrogado, esté abierto a escuchar a los participantes y los datos que se van produciendo. Al igual que la investigación, la constitución de los datos y sus respectivos análisis pueden contribuir a la comprensión de los educadores matemáticos sobre el cotidiano de la enseñanza escolar, como una acción cualitativa creativa en la que lo que mueve, y a la vez está en el centro, es el dar- cuenta de la acción misma y su análisis en las expresiones intencionales de quienes las actualizan.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Nelem Orlowski, Universidade Federal do Paraná
Licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Licenciada em Matemática pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), Mestre em Educação em Ciências e em Matemática pela Universidade Federal do Paraná (PPGECM/UFPR), Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica (PPGFCET/UTFPR).  Atualmente é professora dos anos iniciais na Rede Municipal de Ensino de Curitiba (RME).
Luciane Ferreira Mocrosky, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG),  Mestre e doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho -UNESP/Rio Claro. Atualmente é professora Titular da Carreira EBTT na Universidade Tecnológica Federal do Paraná e no Programa de Pós-Graduação em Formação Científica, Educacional e Tecnológica (PPGFCET-UTFPR). Tem experiência na área de Educação com ênfase em Educação Matemática, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Matemática, Ensino e Aprendizagem da Matemática e Formação de Professores.

Citas

Barbariz, T. A. M. (2017). A constituição do conhecimento matemático em um curso de matemática à distância. (Tese de doutorado), Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.
Bicudo, M. A. V. & Miarka, R. (2015). Metodologia de Pesquisa em Filosofia da Educação Matemática. Perspectivas da Educação Matemática, 8(18), 430-447.
Bicudo, M. A. V. & Kluth, V. S. (2011). A rede de significação: um pensar metodológico de pesquisa. In Bicudo, M. A. V. (Org.). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica (pp.75-95). São Paulo: Cortez.

Bicudo, M. A. V. & Miarka, R. (2010). Forma/ação do professor de matemática suas concepções de mundo e de conhecimento. Ciência & Educação, 16(3), 557-565.
Bicudo, M. A. V. & Paulo, R. M. (2011). Um exercício filosófico sobre a pesquisa em educação matemática. Bolema, 25(41), 251-298. Recuperado de: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/bolema/article/view/5746
Bicudo, M. A. V. (2003). A formação de professores: um olhar fenomenológico. In Bicudo, M. A. V. (org.). Formação de Professores? Da incerteza à compreensão (pp.19-46). Bauru: EDUSC.
Bicudo, M. A. V. (2010). Filosofia da Educação Matemática segundo uma perspectiva Fenomenológica. In Bicudo, M. A. V. Filosofia da Educação Matemática: Fenomenologia, concepções, possibilidades didático-pedagógicas (pp.23-46). São Paulo: Editora UNESP.
Bicudo, M. A. V. (2012). A pesquisa em educação matemática: A prevalência da abordagem qualitativa. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, 5(2), 15-26. https://doi.org/10.3895/S1982-873X2012000200002
Bicudo, M. A. V. (2018). Filosofia da educação matemática: sua importância na formação de professores de matemática. In Silva, R. S. R. (org.). Processos formativos em Educação Matemática. Perspectivas filosóficas e pragmáticas [recurso eletrônico] (pp. 29-46). Porto Alegre: Editora Fi.
Bicudo, M. A. V. (2020a). Pesquisa Fenomenológica em Educação: possibilidades e desafios. Paradigma, XLI, 30-56. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2020.p30-56.id928
Bicudo, M. A. V. (2020b). Concepção de forma/ação de professores e possibilidades investigativas. REMATEC: Revista de Matemática, Ensino e Cultura, (15)36, 95-107.
Bicudo, M. A.V. (2011). Análise fenomenológica estrutural e variações interpretativas. In: Bicudo, M. A. V. (org.). Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica (pp.53-74). São Paulo: Cortez.
Borba, M., & Araújo, J. L. (2019). Introdução. In: Borba, M. C., Araújo, J. L. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Coleção Tendências e Educação Matemática (pp. 18-22). (6a ed.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Garnica, A. V. M. (2019). História Oral e educação Matemática. In: Borba, M. C.; Araújo, J. L. (Orgs.). Pesquisa Qualitativa em Educação Matemática. Coleção Tendências e Educação Matemática (pp. 66-82). (6a ed.). Belo Horizonte: Autêntica Editora.
Kluth, V. S. (1997). O que acontece no encontro sujeito-matemática? (Dissertação de mestrado), Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.
Kluth, V. S. (2020). Metodologia de Pesquisa Fenomenológica em Educação Matemática: A Rede de Significação. Educ. Matem. Pesq., (22)3, p. 84-104.
Martins, J., Bicudo, M. A. V. (1983). Estudos sobre existencialismo, fenomenologia e educação. São Paulo: Moraes.

Merleau-Ponty, M. (2011). Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. (4a ed.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.
Mocrosky, L. F. (2010). A Presença da Ciência, da Técnica, da Tecnologia e da Produção no Curso Superior de Tecnologia em Fabricação Mecânica. (Tese de doutorado) Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.
Mocrosky, L. F., Orlovski, N., Tychanowicz, S. D., & Andrade, P. S. (2019). Frações na Formação Continuada de Professoras dos Anos Iniciais: fragmentos de uma complexidade. Bolema, 33(65), 1444- 1463.
Orlovski, O, Mocrosky, L. F. (2016). Professor que Ensina Matemática nos Anos Iniciais: Re-Tratando seu Acontecer Histórico. JIEEM, 9(1), 86-114.
Souza, J. S. (2020). Abdução e a produção do conhecimento matemático. (Tese de doutorado), Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Rio Claro.
Souza, J. S.; Paulo, R. M. (2020). A Hermenêutica na Pesquisa Fenomenológica: expondo uma possibilidade de análise dos dados. Educ. Matem. Pesq., (22) 3, 285-314. Recuperado de: https://revistas.pucsp.br/index.php/emp/article/view/50866.
Publicado
2022-05-01
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 76
  • PDF downloads: 79
Cómo citar
Orlowski, N., & Ferreira Mocrosky, L. (2022). Un movimiento formativo en Educación Matemática: el procedimiento fenomenológico a la hora de constituir y analizar datos. PARADIGMA, 43(2), 59-81. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p59-81.id1218