Tesis en formato multipapel: lo develamiento de una posibilidad en la perspectiva fenomenológica de la investigación

Palabras clave: Formato de artículo, Fenomenología, Investigación cualitativa, Tesis

Resumen

Hablar del movimiento de construcción de una tesis implica hablar de investigación. La investigación, a su vez, dice de una acción de búsqueda intencional que tiene como objetivo sacar a la luz significados sobre un objeto de estudio. Considerando las diferentes formas en que se puede decir de un objeto de estudio, nos dedicamos, en este texto, a las posibilidades que surgen de la construcción de una tesis, desde la perspectiva fenomenológica de la investigación, en el formato Multipaper. Con este fin, nos dirigimos a las particularidades sobre el formato Multipaper presente en los documentos que rigen los programas de posgrado stricto sensu brasileños en las áreas de Educación y Enseñanza y a la literatura brasileña e internacional dirigida a este tema, buscando centrarse en sus aspectos epistemológicos y filosóficos. Destacamos que las discusiones esbozadas revelaron que la producción de una tesis Multipaper, desde la perspectiva fenomenológica, puede entenderse como constituida por momentos/artículos que, aunque puedan ser dados a conocer, es decir, publicados por separado, permanecen, en su génesis, dependientes de la cuestión que los establece y parte integrante de un todo más amplio, la tesis.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Gabriele de Sousa Lins Mutti , Universidade Estadual do Oeste do Paraná
Licenciada em Matemática pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Unioeste. Mestrado em Ensino pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Unioeste e Doutorado em Educação em Ciências e Educação Matemática Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Unioeste. Atualmente é professora da Secretaria de Estado da Educação e do Esporte do Paraná. Tem experiência em Educação Matemática, Modelagem Matemática e Fenomenologia.
Tiago Emanuel Klüber , Universidade Estadual do Centro-Oeste
Licenciado em Matemática pela Universidade Estadual do Centro-Oeste, Unicentro. Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, UEPG e Doutorado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC. Tem experiência em Educação Matemática, Modelagem Matemática.

Citas

Badley, G. (2009). Academic writing: contested knowledge in the making? Quality Assurance in Education, Bradford, 17(2), 104-117.
Barbosa, J. C. (2015). Formatos insubordinados de dissertações e teses na Educação Matemática. In B. D’ Ambrósio & C. E. Lopes (org.). Vertentes da subversão na produção científica em educação matemática (pp. 347-367). Campinas: Mercado de Letras.
Bicudo, M. A. V. (1993). A Hermenêutica e o Trabalho do professor de Matemática. Cadernos da Sociedade de Estudos e Pesquisas Qualitativos, 3(3), 63-96, 1993.
Braga, T. B. M., Farinha, M. G. (2017). Heidegger: em busca de sentido para a existência humana. Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, 23(1), 65-73.
Brasil. (2014). Fundação Capes-plataforma Sucupira. Ministério da Educação (org.). O que é a Plataforma Sucupira. Disponível em: http://www.capes.gov.br/avaliacao/plataforma-sucupira. Acesso em: 13 jul. 2021.
Broughton, J., & Carriero, J. (2012). A companion to Descartes. Oxford: John Wiley & Sons, 2010.
Costa, W. N. G. (2014). Dissertações e teses Multipaper: uma breve revisão bibliográfica. In Anais do VIII seminário sul-mato-grossense de pesquisa em educação matemática (pp. 1-10). Araguaia: UFMS, 2014. p. 01-10. Disponível em: http://seer.ufms.br/index.php/sesemat/article/view/3086/2512. Acesso em: 10 ago. 2021.
Duke, N. K., Beck, S. W. (1999). Research news and comment: Education should consider alternative formats for the dissertation. Educational Researcher, 28(3), 31-36.
Fiorentini, D. (2011). Parâmetros balizadores de pesquisa no Brasil. In: Fórum de discussão sobre parâmetros balizadores da pesquisa em Educação Matemática. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=M37ECcmBtmw. Acesso em: 10 abr. 2020.
Fiorentini, D. (2016). Pesquisar práticas colaborativas ou pesquisar colaborativamente? In M. C. Borba, & J. L. Araújo (org.). Pesquisa qualitativa em educação matemática (pp. 47-76). (5. ed.). Belo Horizonte: Autêntica.
Frank, A. G., & Yuyihara, E. (2013). Formatos alternativos de teses e dissertações [Blog Ciência Prática], 2013. Disponível em: https://www.ufrgs.br/blogdabc/teses-e-dissertacoes-pros-e-contras-dos-formatos-tradicional-e-alternativo/. Acesso em: 04 nov. 2019.
Gadamer, H. G. (1997). Verdade e método. (3. ed.). Trad. Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes.
Gurwitsch, A. (1957). The Last Work of Edmumd Husserl. Philosophy and Phenomenological Research, 17(3), 370-398.
Heidegger, M. (2015). Ser e tempo. (10. ed.). Petrópolis: Vozes.
Houaiss, A. (2017). Dicionário Houaiss de sinônimos e antônimos. (6. ed.). São Paulo: Objetiva.
Husserl, E. (1900a). Investigaciones Lógicas (2. ed.). Trad. José Gaos. Madrid: Alianza.
Husserl, E. (1990b). A idéia da fenomenologia. Trad. Artur Morão. Edição. Lisboa: Edições 70.
Husserl, E. (2001c). Meditações cartesianas: introdução à fenomenologia. Trad. Frank de Oliveira. Edição. Porto: Rés.
Husserl, E. (2008d). A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: uma introdução à filosofia fenomenológica. Evaniston: Northwestern University Press, Illinois, Phainomenom.
Japiassú, H., & Marcondes, D. (2002). Dicionário Básico de Filosofia (2. ed.). Rio de Janeiro: Zahar.
Klüber, T. E. (2012). Uma metacompreensão da Modelagem Matemática na Educação Matemática. (Tese de Doutorado). Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.
Merleau-Ponty, M. (1962a). A Jean-Paul Sartre (a linguagem indireta e as vozes do silêncio). In In M. Merleau-Ponty. Sinais (pp. 57-121). Lisboa: Minotauro.
Merleau-Ponty, M. (1962b). Sobre a fenomenologia da linguagem. In M. Merleau-Ponty. Sinais (pp. 123-145). Lisboa: Minotauro.
Merleau-Ponty, M. (1977). La fenomenologia y las ciencias del hombre. (3. ed.). Buenos Aires: Editorial Nova.
Merleau-Ponty, M. (2004). Conversas-1948. São Paulo: Martins Fontes.
Merleau-Ponty, M. (2006). A Estrutura do Comportamento: precedido de uma filosofia da ambiguidade de Waelhens. Trad. Márcia Valéria Martinez Aguiar. São Paulo: Martins fontes.
Moura, C. A. R. (1989). Crítica da razão na fenomenologia. São Paulo: Nova Stella.
Moura, C. A. R. (2006). Prefácio. In E. Husserl. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. (5. ed.). (pp. 15-25). Aparecida: Ideias & Letras.
Mutti, G. S. L., Klüber, T. E. Seminário internacional de pesquisas e estudos qualitativos, 5., 2018. Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: SEPQ, 2018. p. 01-14.
Nassi-Calò, L. (2016). Teses e dissertações: prós e contras dos formatos tradicional e alternativo [online]. SciELO em Perspectiva, [viewed 23 November 2019]. Available from: https://blog.scielo.org/blog/2016/08/24/teses-e-dissertacoes-pros-e-contras-dos-formatos-tradicional-e-alternativo/. Acesso em: 23 nov. 2019.
Ricoeur, P. (2005). Teoria da Interpretação: o discurso e o excesso de significação. Trad. Artur Mourão. Lisboa: Edições 70.
Sokolowski, R. (200). Introdução à fenomenologia. Trad. Alfedro de Oliveira Moraes. São Paulo: Edições Loyola.
Tourinho, C. D. C. (2013). A consciência e o mundo na fenomenologia de Husserl: influxos e impactos sobre as ciências humanas. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 12(3), 852-866, Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/view/8224/5975. Acesso em: 14 jul. 2021.
Publicado
2022-05-01
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 90
  • PDF downloads: 77
Cómo citar
Sousa Lins Mutti , G. de, & Klüber , T. E. (2022). Tesis en formato multipapel: lo develamiento de una posibilidad en la perspectiva fenomenológica de la investigación. PARADIGMA, 43(2), 36-58. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p36-58.id1217