SOCIALIZACIÓN DOCENTE EN EDUCACIÓN MILITAR: LA VOZ COMO DISPOSITIVO Y LA ENSEÑANZA COMO TRABAJO MORAL

Palabras clave: Profesionalización Docente. Voz de Mando. Educación Física. Expresividad

Resumen

El artículo establece un diálogo interdisciplinario entre Educación, Educación Física y Logopedia y considera la agenda conservadora del Estado brasileño, operando em la política educativa basada em la tecnología moral de la educación militar. El objetivo es analizar los dispositivos de formación y socialización docente en una institución educativa militar, com atención a la voz de mando, por parte del docente, em relación com la idea de docencia como profesión. La profesionalización docente, referenciada por Tardif (2003), exigi la docência passar de conceptos antiguos (vocación y oficio) a contemporáneos (profesión); com atención para la socialización profesional (NÓVOA, 2017). Se trata de una investigación cualitativa de carácter documental y empírico que emplea análisis de contenido de datos de documentos de una Pasantía de Adaptación Técnica/PAT de la Aeronáutica Brasileña y de entrevista a tres docentes de Educación Física. El proceso de enseñanza/aprendizaje de la voz de mando figura como dispositivo de control que afirma la docência militar como trabajo moral, en una formación alineada con la enseñanza como vocación/oficio. La voz de mando, como dispositivo de formación y socialización docente en PAT, muestra las contradicciones entre la educación militar, guiada por la enseñanza moral, y el proyecto de profesionalización docente.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Tamara Aretta Mauerberg Teche de Farias, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Rio Claro, Brasil.
       
Samuel de Souza Neto, Universidade Estadual Paulista (UNESP) Rio Claro, Brasil.
       

Citas

ALBERO, B. La formation em tant que dispositif: du terme au concept. In: CHARLIER Bernadette; HENRI, F. La technologie de l’éducation: recherches, pratiques et perspectives. Paris: PUF, coll. "Apprendre", p.47-59, 2010.

ATASSIO, A. P. A Formação dos militares e a lógica da distinção hierárquica. 34ª Encontro anual da ANPOCS ST 12 – Forças Armadas, Estado e Sociedade. Caxambu, Outubro, 2010. Disponível em: https://www.anpocs.com/index.php/papers-34-encontro/st-8/st12-6/1441-aprado-a-formacao/file. Acesso em: 13/09/2020.

AMARAL, D. P., CASTRO, M. M. Educação Moral e Cívica: A retomada da obrigatoriedade pela agenda conservadora. Caderno de Pesquisa, São Paulo, v.50, n. 178, out./dez., p. 1078-1096, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/ffwXhX5d6v4tvQmwNc5wxGc/?lang=pt&format=pdf. Acesso em 21/10/2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, 2010.

BARROS FILHO, C. A construção social da voz. In: KYRILLOS, L. (org.). Expressividade: da teoria à prática. Rio de Janeiro: Revinter, p. 27-42, 2005.

BARZOTTO, V. H. Nem respeitar, nem valorizar, nem adequar as variedades lingüísticas. Revista Ecos, v.2, n.1, p. 93-96, 2004.

BEHLAU, M. Voz: o livro do especialista – V.II. Rio de Janeiro: Revinter, 2005.

BEHLAU, M.; SAVIOLLI, M. Caracterização vocal de alunos da academia de polícia militar Barro Branco: sinais e sintomas vocais e análise acústica. In:BEHLAU,M.; GASPARINI, G. (Org). A voz do especialista III. Rio de Janeiro: Revinter, p. 77-88, 2006.

BEHLAU, M.; DRAGONE, M.L. NAGANO, L. A voz que ensina – o professor e a comunicação oral em sala de aula. Rio de Janeiro: Revinter, 2004.

BEHLAU, M.; PONTES, P.; MORETI, F. Higiene vocal – cuidando da voz. 5. Ed. Rio de Janeiro: Revinter, 2017.

BEHLAU, M.; MADAZIO, G.; FEIJÓ, D.; PONTES, P. Avaliação de voz. In: BEHLAU, M. (Org). Voz: o livro do especialista - v. I. Rio de Janeiro: Revinter, p. 85-180, 2001.

BRAND, A. F. O processo de formação identitária e a incorporação, inculcação e encarnação do habitus militar: um estudo etnográfico na PMSC. Programa de Pós Graduação em Psicologia, Centro de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina, 2014.

BRASIL, Ministério da Defesa. Portaria Normativa MD 660/2009. Regulamento de continências, honras, sinais de respeito e cerimonial militar das forças armadas, 2009. Acesso em: 08/4/2020.

BRASIL. Comando da Aeronáutica. Departamento de Ensino da Aeronáutica. Instrução do Comando da Aeronáutica (ICA) 37-393, 2015. Currículo Mínimo da 1ª Fase do Estágio de Adaptação Técnico. Boletim do COMAER n°160, 27/08/2015.

BRASIL, Ministério da Defesa, Comando da Aeronáutica, Departamento de Ensino da Aeronáutica. Plano de Unidades Didáticas da 1ª Fase do Estágio de Adaptação Técnico (EAT), MCA 37-76, 2015-a.

BRASIL. Comando da Aeronáutica. Departamento de Ensino da Aeronáutica. MCA 37-77/2015. Plano de Avaliação 1ª Fase Estágio de Adaptação Técnico (EAT), 2015-b

BRASIL, Resolução CNE/CP nº.6, 18 dezembro de 2018

BRASIL, Nota de Serviço n.226/AFA/2019. Estágio de Adaptação Técnica, 2019.

BRASIL, Resolução CNE/CP nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica. DOU de 10/2/2020, Seção 1, 2019-a, p. 87- 90.

BRASIL, Ministério da Defesa. Recrutamento e Mobilização de pessoal. QOCON TEC Magistério EAT/EIT 2019-b.

CHAIBE, M.E.S.; FERREIRA, E. P. A variação linguística na educação contemporânea: concepções e práticas pedagógicas. Exitus, Santarém, v.8, n.2, p. 358-385, 2018.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Nova tentativa de padronização dos currículos dos cursos de licenciatura no Brasil: a BNC-formação. Práxis Educacional, [S. l.], v.17, n.46, p.1-19, 2021. Disponível em: https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/8916

Acesso em: 18/10/2021. DOI: 10.22481/praxisedu.v17i46.8916

DODIER, N.; BARBOT, J. A força dos dispositivos. Rev. Soc. Estado, v.32, n.2, Maio/Agosto, p. 487 – 518, 2017.

DRAGONE, M. L.; GIOVANNI, L. O professor iniciante e a comunicação oral em sala de aula: algumas reflexões em direção a políticas de inserção profissional docente. In: GIOVANNI, L.; MARIN, A. J. (orgs) Professores iniciantes: diferentes necessidades em diferentes contextos. Araraquara: Junqueira & Marin, p. 61-78, 2014.

FARIAS, T. A. M. T., PENTEADO, R. Z., SOUZA NETO, S. Socialização docente em instituição militar: A ação de comando como dispositivo. Actualidades Investigativas en Educación, v.21, n.3, p. 1-34, 2021.

FERREIRA, L.; DRAGONE, M.L.; GIANNINI, S.P.; ZAMBON, F.C. Atuação fonoaudiológica com professores –da voz ocupacional à voz como recurso do trabalho docente. In: MARCHESAN, I.Q.; SILVA, H.; TOMÉ, M. da C. Tratado das Especialidades em Fonoaudiologia. São Paulo: Gen/Roca, p.250-57, 2014.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 42. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GAUTHIER, C. et al. Por uma teoria da pedagogia: pesquisas sobre o saber docente. 3. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 480 p., 2013.

MEC. Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. Portal MEC. Disponível em: http://escolacivicomilitar.mec.gov.br/.Acesso em: 30/04/2020.

MORA PINO, K. M. et al . Contexto ocupacional, abuso y mal uso vocal em profesores de la ciudad de Iquique. Ciencias e Trabalho, Santiago, v.20, n.62, agosto, p.116-120, 2018.

MOREIRA, N.X.; CAVALCANTI, L.F.; SOUZA, R.O. Os sentidos atribuídos ao fenômeno da deficiência a partir do habitus militar. Ciência & Saúde Coletiva, v.21, n. 10, p. 3027-3035, 2016.

NASCIMENTO, C.L. Parâmetros acústicos da voz de militares em formação submetidos ao Programa de Treinamento Militar (PTM). Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas. Campinas, SP, 2014.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa. v. 47, n.166, p.1106-1133, 2017.

OLIVEIRA, H. S. J. de; OLIVEIRA, R J. Retórica e argumentação: contribuições para a educação escolar. Educ. Rev., Curitiba, v.34, n.70, p. 197-212, 2018.

PEDERSEN, V. J.; DRAGONE, M.L. Peculiaridades do uso da voz por professores de educação física escolar: origem e função interativa. Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v.30, n.1; p. 201-207, 2018.

PENTEADO, R. Z. Linguagens nas interfaces educação e saúde: a expressividade do professor de educação física - estudo de revisão. Rev. Bras. Educ. Fís. Escolar; ano 1, v.2, p. 125-147, 2015.

PEREIRA, D.; GAYOTTO, L. H. A voz do militar: comandos e ajustes. In: V Mostra de Estudos e Pesquisas sobre Voz da PUC-SP; São Paulo, 2006.

PIMENTA, G. S.; LIMA, M. S. Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, v.3, n. 3 e 4; p .5-24, 2005/2006. Disponível em: file:///C:/Users/tamar/Downloads/10542-Texto%20do%20artigo-40790-1-10-20100722.pdf. Acesso em: 02/09/2020.

ROSA, A.; BRITO, M. "Corpo e Alma" nas organizações: um estudo sobre dominação e construção social dos corpos na organização militar. Rev. Administração Contemporânea, v.14, n.2, p. 194-211, 2010.

SANTHIAGO, R.; MAGALHÃES, V. B. Rompendo o isolamento: reflexões sobre história oral e entrevistas à distância. Revista Aedos, v. 27, e2020011, 2020.

SCHMIDT, B., PALAZZI, A., PICCININI, C. A. Entrevistas online: potencialidades e desafios para coleta de dados no contexto da pandemia de COVID-19. REFACS (online) Out/Dez, 8(4), 2020. Disponível em: http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/4877

Acesso em: 18/10/2020.

SANTOS, F. A. Caracterização da voz de comando de oficiais de polícia militar da academia de polícia militar Barro Branco (monografia). São Paulo: CEV, 2005.

SANTOS, T. D.; ANDRADA, M. A. Comunicação não verbal com profissionais da voz: o que se pesquisa na fonoaudiologia. Rev. CEFAC, v.18, n.6, p.1447-55, 2016.

SANTOS, T. D.; FERREIRA, L. P. Expressividade do profissional da voz: processo de construção de um roteiro fonoaudiológico de observação. CoDAS, 32(2), p. 1-6, 2020.

SIQUEIRA, J.; NASCIMENTO, C. L.; NAKAMURA, H.Y. Cuidado com a saúde vocal de militares em formação. Anais do XXVII Congresso de Iniciação Científica da UNICAMP. Campinas, 16 a 18 outubro, 2019. https://www.prp.unicamp.br/inscricaocongresso/resumos/2019P16030A29091O3127.pdf. Acesso em: 15/11/2019.

SOEIRO, R. S. P.; TUBINO, M. J. G. Contribuição da escola de Educação Física do Exército para o esporte nacional: 1933 a 2000. Fitness & Performance Journal, v.2, n.6, p.336-340, 2003. Disponível em: http://www.fpjournal.org.br/painel/arquivos/17264_Formacao_de_profissionais_Rev6_2003_Portugues.pdf. Acesso em: 26/03/2020.

TARDIF, M. A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Revista Educ. Soc., Campinas, v. 34, n. 123, p. 551-571, abr.-jun., 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v34n123/fr_13.pdf Acesso: 27/03/2020.

VASCONCELOS, E.; SCARPEL, R.; CAVALHEIRO, L.; MARTINS, F. Policiais militares negociadores: auto-avaliação dos recursos vocais e gestuais durante negociação. In: XIV Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; out 4-7. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Suplemento Especial. Salvador: SBFa., 2006.

ZAMBON, F.; BEHLAU, M. Bem-estar vocal – uma nova perspectiva de cuidar da voz. São Paulo: Simpro/CEV, 2006.

Publicado
2022-07-02
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 96
  • PDF downloads: 62
Cómo citar
Penteado, R. Z., Farias, T. A. M. T. de, & Souza Neto, S. de. (2022). SOCIALIZACIÓN DOCENTE EN EDUCACIÓN MILITAR: LA VOZ COMO DISPOSITIVO Y LA ENSEÑANZA COMO TRABAJO MORAL. PARADIGMA, 43(2), 105-129. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p105-129.id1182
Sección
Artículos