POLÍTICAS PÚBLICAS Y EVALUACIONES A GRAN ESCALA EN BRASIL: CRÍTICAS Y POSIBILIDADES

Palabras clave: Avaliação; Políticas Públicas; Indicadores de qualidade; Diagnóstico

Resumen

A avaliação em larga escala é uma realidade na educação pública brasileira desde a década de 1990 do século XX, nesse sentido o presente artigo oferece reflexões acerca da avaliação em larga escala enquanto instrumento orientador das políticas públicas nacionais. Inicialmente o estudo aborda as políticas educacionais no contexto das políticas públicas. Posteriormente, explicita a atual organização educacional, apresentando os aspectos legais de estrutura e avaliação e por fim questiona acerca das avaliações externas, de modo a compreender se estas atuam enquanto subsídios para indicadores de qualidade ou para práticas de ranqueamento. A pesquisa de cunho qualitativo é sustentada por fontes bibliográficas e documentais. Possibilitou a compreensão da avaliação enquanto instrumento de padronização do ensino e ranqueamento da educação, estimulando a competitividade exacerbada e potencializando a responsabilização do gestor, equipe pedagógica e docente, ficando à margem a aprendizagem dos estudantes. Vislumbra-se que essa é uma condição que só é possível mudar quando as secretarias, gestores e professores utilizarem os dados como diagnóstico para prática docente, visando a melhoria da qualidade da Educação.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Emerson Pereira Branco, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/Secretaria de Estado da Educação e do Esporte do Paraná (SEED)
Mestre em Ensino pelo Programa de Pós-graduação em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR), campus de Paranavaí. Professor PDE - Programa de Desenvolvimento Educacional - PDE 2019 - UNICENTRO. Possui graduação em Ciências Ensino Fundamental/Habilitação Matemática pela Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (2003) e graduação em Engenharia de Alimentos pela Universidade Estadual de Maringá (2008). É especialista em Educação e Gestão Ambiental. É professor de Matemática - Secretaria de Estado da Educação e do Esporte do Paraná. Trabalhou no cargo de Diretor do Colégio Estadual São Vicente de Paula de Nova Esperança-PR entre janeiro de 2012 e abril de 2019. Atualmente é Chefe do Núcleo Regional de Educação de Paranavaí. Graduando do curso de Design de Interiores.

Citas

Amaro, I. (2016). Avaliação em larga escala e qualidade: dos enquadres regulatórios aos caminhos alternativos. Linhas Críticas, Brasília, 22(48), 462-479.

Bonamino, A. & Sousa, S. Z. (2012). Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, São Paulo, 38(2), 373-388.

Branco, E. P., Branco, A. B. G., Iwasse, L. F. A. & Zanatta, S. G. (2019). Sistema Nacional de Educação: críticas no contexto da implantação da BNCC. Debates em Educação, Maceió, 11(25), 271-294.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Promulgada em 05 de outubro de 1988.

Brasil. (2014). Lei Nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília.

Calderón, A. I. & Borges, R. M. (2020). Avaliação em larga escala na Educação Básica: usos e tensões teórico-epistemológicas. Revista Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, 12(34), 28-58.

Franco, D. S. & Ferraz, D. L. S. (2019). Uberização do trabalho e acumulação capitalista. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, 17(Edição Especial), 844-856.

Guedes, G.B. B. & Barbalho, M. G. C. (2016). Planejamento educacional e gestão democrática: dimensões política e instrumental no PAR. RBPAE, 32(1), 131 – 149.

Höfling, E. M. (2001). Estado e políticas (públicas) sociais. Cadernos Cedes, XXI(55), 30-41.

Inep. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2021).

Censo da educação básica 2020: resumo técnico. Brasília: Inep.

Iwasse, L.F.A., Araújo, R.B. & RIBEIRO, A. C. (2021). Reformas da educação e trabalho no Brasil: um breve histórico do ensino em migalhas. Cadernos de História da Educação, 20, 1-21.

Mocarzel, M. S. M. V., Rojas, A. A. & Pimenta, M. F. B. (2018). A reforma do ensino médio: novos desafios para a gestão escolar. RPGE, Araraquara, 22(esp.1), 159-176.

Pasquini, A. S. & Souza, M. M. P. (2015). Gestão escolar e organização do trabalho pedagógico na educação básica. Maringá: Centro Universitário de Maringá.

Shiroma, E. O., Moraes, M. C. M. & Evangelista, O. (2011). Política Educacional. (4 Ed). Rio de Janeiro: Lamparina.

Silva, L. S., Souza, M. R. S. & Amblard, I. (2017). A avaliação em larga escala e suas implicações na prática docente. Tópicos Educacionais, Recife, 23(2), 1-23.

Sousa, C. P. & Ferreira, S. L. (2019). Avaliação de larga escala e da aprendizagem na escola: um diálogo necessário. Psicologia da Educação, São Paulo, (48), 13-23.

Souza, C. (2006). Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, 8(16), 20-45.

Souza, S. Z. L. & Oliveira, R. P. (2003). Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, 24(84), 873-895.

Tavares, A.M.B., Santos, F.A.A. & Santos, L. A. S. (2020). Políticas Públicas, Educação Escolar e Educação Profissional: apontamentos sobre as reformas a partir de 1990. Holos, 36(2).

Vianna, H. M. (2009). Fundamentos de um programa de Avaliação Educacional. Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, 1(1), 11-27.

Publicado
2022-07-02
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 37
  • PDF downloads: 33
Cómo citar
Lilian Fávaro Alegrâncio Iwasse, & Branco, E. P. (2022). POLÍTICAS PÚBLICAS Y EVALUACIONES A GRAN ESCALA EN BRASIL: CRÍTICAS Y POSIBILIDADES. PARADIGMA, 43(2), 17-37. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p17-37.id1169
Sección
Artículos