Enseñanza híbrida en escuelas de educación básica: percepciones y perspectivas de los maestros

Palabras clave: Metodologías activas, Tecnologías, Formación de profesores

Resumen

Se vive un escenario diferenciado en el contexto educativo debido a la pandemia Covid-19. La enseñanza híbrida ha sido aplicada por varios ámbitos de la enseñanza, ya que en este momento, es el modelo que más contempla las necesidades educativas de los alumnos. En este sentido, el objetivo de este estudio era analizar las percepciones de los profesores sobre la implementación de la educación híbrida en las escuelas municipales en la frontera occidental de Rio Grande do Sul (RS, Brasil). En la investigación caracterizada como cualitativa, exploratoria y descriptiva, participaron 77 profesores de educación básica asignados en 3 escuelas del sistema escolar municipal de 2 municipios del interior de RS. A partir de tres encuentros formativos, uno en cada escuela, los profesores respondieron a un cuestionario con preguntas cerradas y abiertas con el fin de entender la realidad de la enseñanza actual y las percepciones sobre la implementación de la enseñanza híbrida en el futuro. El análisis de contenido y la teoría de datos en tierra se utilizaron para el análisis de datos. Se considera, según la percepción del profesorado, que la implantación de la enseñanza híbrida es factible dentro de las realidades escolares de éstas, ya que puede permitir una mayor aproximación entre profesor y alumno, además de oportunista diferentes métodos de enseñanza.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

ALMEIDA, C. M.; et al. Propuestas de metodologías activas utilizando tecnologías digitales y herramientas metacognitivas para auxiliar en el proceso de enseñanza y aprendizaje. Revista Paradigma, p. 204-220, 2019.-. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2019.p204 – 220.id748
BACICH, L.; et al. Ensino Híbrido. L. Bacich, A. T. Neto, F. M. Trevisani (editores). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.
BACICH, L.; MORÁN, J. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico prática. Porto Alegre: Penso, 2018.
BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Ciências Sociais e Humanas. 32 (01). 25-40. 2010. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2011v32n1p25
BORSSOI, A. H.; CERON, C. G. S. Estudiantes de los primeros años escolares en tareas matemáticas desde la perspectiva de la Enseñanza Híbrida. PARADIGMA, 353-382, 2020.
BOTTENTUIT JUNIOR, J. B. B. Aplicativos de interação em sala de aula: análise de três possibilidades pedagógicas com recursos digitais. Revista Cocar, 14(30), 2020.
BRASIL. Presidência da República. Decreto n. 9.057 de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=65251-decreto9057-pdf&category_slug=maio-2017-pdf&Itemid=30192
BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo escolar da educação básica. Brasília: INEP. 2019.
BRITO, J. M. S. A singularidade pedagógica do ensino híbrido. EAD em foco, 10(1). 2020.
CANNATÁ, V. M. Ensino híbrido na educação básica: narrativas docentes sobre a abordagem metodológica na perspectiva da personalização do ensino. 158f. Dissertação de mestrado (PPG em Educação) - Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo. 2017.
CATANANTE, F.et al. Aulas on-line durante a pandemia: condições de acesso asseguram a participação do aluno?. Revista Educ@ção Científica, v. 4, n. 8, p. 977-988, 2020.
CGI. Comitê Gestor da Internet no Brasil–CGI. br. TIC Domicílios 2019. Pesquisa Sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos Domicílios Brasileiros–São Paulo: CGI.br. 2019. Disponível em: https://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/20201123121817/tic_dom_2019_livro_eletronico.pdf
CHARMAZ, K. A construção da teoria fundamentada: guia prático para análise qualitativa. Bookman Editora. 2009.
CONFORTO, D.; VIEIRA, M. C. Smartphone na Escola: Da Discussão Disciplinar Para a Pedagógica. Latin American Journal of Computing, v. II, p. 43-54, 2015.
DOTTA, S. C.; et al. Abordagem dialógica para a condução de aulas síncronas em uma webconferência. In: X Congresso Brasileiro de Ensino Superior à Distância, 2013, Belém. Anais do X Congresso Brasileiro de Ensino Superior à Distância. Belém: Unirede/UFPA, 2013.
FARIAS, D. F. Um relato de experiência: o uso do whatsapp no ensino de fisica durante o isolamento social no colégio estadual do campo de campo formoso. Estudos IAT, 5(3), 307-317, 2020.
FOUREAUX, G.; et al. O ensino-aprendizagem da anatomia humana: avaliação do desempenho dos alunos após a utilização de mapas conceituais como uma estratégia pedagógica. Ciência & Educação, 24(1), 95-110, 2018.
GARCIA, T. C. M.; et al. Ensino remoto emergencial: proposta de design para organização de aulas. Monografia (Especialização) - Curso de Educação A Distância, Sedis-ufrn, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2020.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. reimpr. São Paulo: Atlas, 2010.
GONÇALVES, A. D. M.; KANAANE, R. A prática docente e as tecnologias digitais. Revista Eletrônica Pesquiseduca, 13(29), 256-265, 2021.
HODGES, C.; et al. As diferenças entre o aprendizado online e o ensino remoto de emergência. Revista da escola, professor, educação e tecnologia, v. 2, 2020.
HORN, M. B; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015.
HUANG K.; et al. Attitudes of Chinese health Sciences postgraduate students’ to the use of information and communication technology in global health research. BMC Med Educ. 19(1):367, 2019. http://dx.doi.org/10.1186/ s12909-019-1785-6.
IPEA–Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Textos para discussão. Professores da Educação básica no Brasil: condições de vida, inserção no mercado de trabalho e remuneração, Brasília, n. 2304, 2017.
JULIANI, D. P.; et al. Utilização das redes sociais na educação: Guia para o uso do Facebook em uma instituição de ensino superior. RENOTE, 10(3), Article 3, 2012. https://doi.org/10.22456/1679-1916.36434
LIMA, J. R. R. A implementação do ensino híbrido no período pós-pandemia. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, [S. l.], v. 7, n. 2, p. 10, 2021. DOI: 10.51891/rease.v7i2.667.
MACEDO, K. D. S.; et al. Metodologias ativas de aprendizagem: caminhos possíveis para inovação no ensino em saúde. Escola Anna Nery 22(3), 2018.
MANCA, S. Snapping, pinning, liking or texting: Investigating social media in higher education beyond Facebook. The Internet and Higher Education, 44, 100707, 2020. https://doi.org/10.1016/j.iheduc.2019.100707
MASETO, M. T. O professor na hora da verdade. São Paulo: Avercamp, 2010.
MIRANDA, R. V.; et al. Ensino Híbrido: Novas Habilidades Docentes Mediadas pelos Recursos Tecnológicos. EaD em Foco. 10(913). 2020. DOI: https://doi.org/10.18264/eadf.v10i913
MITRE, S. M.; et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & saúde coletiva, 13, 2133-2144, 2008. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232008000900018
MORAIS, A. P. M.; SOUZA, P. F. Formação docente continuada: ensino hibrido e sala de aula invertida como recurso metodológico para o aprimoramento do profissional de educação. Devir Educação, 10-32, 2020.
MORAN, J. (2018). Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. Recuperado de http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/1 2/metodologias_moran1.pdf
MORAN, J. Educação Híbrida. L. Bacich, A. T. Neto, F. M. Trevisani (editores). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. (244) Porto Alegre: Penso, 2015.
NASCIMENTO, N. A.; PEIXOTO, J. Mídias digitais e desenvolvimento infantil: Para além de rótulos e explicações. Série-Estudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, 40, 119-138, 2015. https://www.serie-estudos.ucdb.br/serie-estudos/article/view/872
NETO, E. B. O ensino híbrido: processo de ensino mediado por ferramentas tecnológicas. Ponto-e-Vírgula: Revista de Ciências Sociais, (22), 59-72, 2017. doi.org/10.34117/bjdv7n1-061
NOVAIS, I. A. M. Ensino híbrido: estado do conhecimento das produções científicas no período de 2006 a 2016.143f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Maringá, Paraná, 2017.
OLIVEIRA, M. B.; et al. O ensino híbrido no Brasil após pandemia do covid-19. Brazilian Journal of Development, 7(1), 918-932, 2021.
PASIN, D. M.; DELGADO, H. O. K. O ensino híbrido como modalidade de interação ativa e reflexão crítica: relato de uma experiência docente no Brasil. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, 10(2), 87-105, 2017. https://doi.org/10.17851/1983-3652.10.2.87-105
PIFFERO, E. D. L. F.; et al. Metodologias Ativas e o ensino de Biologia: desafios e possibilidades no novo Ensino Médio. Ensino & Pesquisa. 18(02), 48-63, 2020. https://doi.org/10.33871/23594381.2020.18.2.48-63
PONTES, A. F.; BARBOZA, P. O professor de matemática frente às tecnologias e as dificuldades em integrá-las na sala de aula. Ensino Em Foco, 3(8), 33 – 47, 2021.
RODRIGUES, E. F. A questão da verificação de aprendizagem no modelo de ensino híbrido. L. Bacich, A. T. Neto, F. M. Trevisani (editores). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. (244) Porto Alegre: Penso, 2015.
SCHIEHL, E. P.; GASPARINI, I. Modelos de ensino híbrido: Um mapeamento sistemático da literatura. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE) (Vol. 28, No. 1, p. 1), 2017.
SCHNEIDER, F. Otimização do espaço escolar por meio do modelo de ensino híbrido. L. Bacich, A. T. Neto, F. M. Trevisani (editores). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. (244) Porto Alegre: Penso, 2015.
SCORSOLINI-COMIN, Fabio. Psicologia da educação e as tecnologias digitais de informação e comunicação. Psicologia Escolar e Educacional, v. 18, n. 3, p. 447-455, 2014.
SILVA, A. H.; VILHEGAS, V. P. (2013). IHC em dispositivos móveis – análise do aplicativo whatsapp. In: Encontro de iniciação científica das faculdades integradas “Antonio Eufrásio de Toledo”, 9, Presidente Prudente, SP. Anais... FIAET, n.24-25, p.1-13, set, 2013.
SILVA, A. J. F.; et al. A adesão dos alunos às atividades remotas durante a pandemia: realidades da educação física escolar. Corpoconsciência, 24(2), 57-70, 2020.
SILVA, M. M. A. Formação continuada de professores e tecnologia: concepções docentes, possibilidades e desafios do uso das tecnologias digitais na educação básica (Master's thesis, Universidade Federal de Pernambuco), 2014.
SOARES, R. G.; COPETTI, J. Formação profissional docente: perfil e compreensão de professores de uma escola pública do RS. Práxis Educacional, 16(40), 573-591, 2020. https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i40.6446
SOUZA, T. M., et al. Ensino híbrido: Alternativa de personalização da aprendizagem. Revista Com Censo, Brasília, n.16, v.6, n.1, p.55-66, 2019.
SPINARDI, J. D.; BOTH, I. J. Blended learning: o ensino híbrido e a avaliação da aprendizagem no ensino superior. Boletim técnico do senac, 44(1), 2018.
VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista. 4 (esp.), 79-97, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.38645
Publicado
2021-10-19
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 78
  • PDF downloads: 43
Cómo citar
Soares, R. G., Coelho, C. P., Fontana Piffero, E. de L., & Copetti, J. (2021). Enseñanza híbrida en escuelas de educación básica: percepciones y perspectivas de los maestros. PARADIGMA, 42(3), 454-475. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2021.p454-475.id1139