LA ENSEÑANZA COMO PROFESIÓN: PROCESOS DE PROFESIONALIZACIÓN EN BRASIL

Palabras clave: Professores. Idades do Ensino. Ofício. Profissionalização.

Resumen

Este estudo teórico-conceitual analisa o processo de profissionalização docente, tendo por base as idades do ensino, tem como propósito contribuir para o reflexo em torno da edificação da docência como profissão e para o campo da formação de professores no contexto brasileiro. O diálogo entre os aportes da sociologia das profissões e o movimento pela profissionalização do ensino foram a base deste reflexão, materializada na exploração dos elementos conceituais da profissão, nas idades do ensino e nos desafios do processo de profissionalização. Como análises apontam para um cenário de mudanças sociais e profissionais que impactaram em avanços e descontinuidades para a profissionalização, para a convivência de diferentes idades do ensino, bem como para questionamentos em relação ao lugar que o professor ocupa no campo social. Fica visível que o presente exige um esforço coletivo na construção de um espaço comum entre a formação e a profissão, na busca da construção de uma identidade profissional própria.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Paula Batista, Faculdade de Desporto da Universidade do Porto - FADEUP
Professora da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), do Departamento de Pedagogia do Desporto. É membro do Centro de Investigação em Educação, Inovação e Intervenção no Desporto (CIFI2D) da FADEUP e do Centro de Investigação e Intervenção em Educação (CIIE) da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto. Tem vasta experiência na supervisão de professores em formação inicial no Mestrado em Ensino da Educação Física. Ao longo destes anos desenvolveu múltiplos projetos pedagógicos e de investigação, apoiados pela FCT e pelo Departamento de Inovação Pedagógica da Universidade do Porto, em prol da melhoria da formação de professores e do ensino da Educação Física. É Editora da Revista RED GLOBAL de Educación Física y Deporte, e editora adjunta do Journal of Sport Pedagogy & Research da Sociedade Científica de Pedagogia do Desporto. Os seus principais interesses de pesquisa giram em torno da competência profissional, identidade profissional e supervisão pedagógica relacionada com a formação de professores e desenvolvimento profissional, nomeadamente em ambientes de comunidades de prática. A pesquisa em torno do desenvolvimento curricular em Educação Física, ensino, aprendizagem e questões de avaliação são também focos dos seus interesses investigativos.
Samuel de Souza Neto, Universidade Estadual Paulista - UNESP
Professor do Departamento de Educação da Universidade Estadual Paulista – UNESP-Rio Claro (RC). Livre-Docente em Educação Física (2009) – UNESP-RC, Doutor em Educação (1999) – FE-USP, Mestre em Educação – UFSCar (1992). Graduação em Educação Física (1977) e Pedagogia (1980) – PIME-Assis, Graduação em Letras (1980) – UNESP-Assis. Realizou Pós-Doutorado no Centre de recherche interuniversitaire sur la formation et profission ensignante (CRIFPE), Université de Montréal (2011-2012), bolsa CAPES. Na UNESP/RC esteve na Chefia do Depto de Educação (2003-2007) e Coordenação do Núcleo de Ensino (2002-2013); Coordenador do Programa de Pós-Graduação Interunidade em Ciências da Motricidade – CAPES-6 (2013-2017); Coordenador do Projeto Institucional PRODOCENCIA (CAPES-UNESP, 2010-2013) e no CNPq foi Bolsista: PQ-2 (2010-2013), PQ-1D (2013-2017). Atua como coordenador/orientador de projetos (CNPq; CAPES; FAPESP); parecerista ad hoc para instituições e periódicos; editor associado (Educação: Teoria e Prática) e membro de(o, a) associações cientificas (ACFAS; ERA; ANPED; COMBRACE). Desenvolve atividades ligadas à formação de professores na UNESP-RC e em Rede: RIAFEF (Brasill, 2012), REAFES (Espanha, 2016) e Reuniões Cientificas: SEPEF (2002…). Trabalha com o PPGI-Ciências da Motricidade (2001) e o PPG-Educação (2007) da UNESP-RC. Estuda a problemática: (A) Estágio Supervisionado e Epistemologia da Prática Profissional (âmbito internacional); (B) Profissão, Campo Profissional, Cultura Profissional; (C) Saberes Docente, Formação Profissional, Socialização Profissional; (D) Escola, Trabalho Docente e Comunidade de Práticos. Desse quadro teórico emergem quatro eixos de pesquisa: Profissão, Formação, Inserção e Intervenção Profissional. Atualmente: Pesquisador Associado internacional do CRIFPE (Montréal, 2013); Membro: GT-8 – Formação de Professores (ANPED, 2013), Comissão Permanente das Licenciaturas (UNESP-PROGRAD, 2016); Coordenador dos Grupo de Pesquisa NEPEF: FPCT (2002) e Coordenação conjunta do Grupo de Pesquisa DOFPPEN (2008); Direção do Centro de Pesquisa Internacional – Antena CRIFPE-Brasil (2016). (Texto informado pelo autor)

Citas

ABBOTT, A. The System of Professions: An Essay on the Division of Expert Labor. University of Chicago Press, 1988.

ALMEIDA, A. J. Contributos da Sociologia para a compreensão dos processos de profissionalização. Medi@ções - Revista Online, v. 1, n. 2, 2010.

ALTET, M. Profissionalização do ofício de professor e da formação em questão: explorar as contribuições da pesquisa para fortalecer refundar a profissão. In: SPAZZIANI, M. de L. (Org.). Profissão de professor: cenários, tensões e perspectivas. Editora Unesp, 2016. p. 39-66.

ARROYO, M. G. Ofício de Mestre – imagens e autoimagens. 7ª ed. Editora Vozes, 2000.

BONELLI, M. da G.; NUNES, J. H.; MICK, J. Ocupações e Profissões na Sociedade Brasileira de Sociologia: balanço da produção (2003-2017). Revista Brasileira de Sociologia. vol. 5, n. 11, 2017. http://dx.doi.org/10.20336/rbs.219.

BOURDIEU, P. Esboço de uma teoria da prática. In: ORTIZ, R. (Org.). A Sociologia de Pierre Bourdieu. Trad. Paula Monteiro e Alícia Auzmendi. Olho D’Água, 2003.

BOURDONCLE, R. Autour des mots Professionalisation, Formes et Dispositifs. Recherche et Formation, n. 35, 117-132, 2000.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CP 1, de 18 de fevereiro de 2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: Ministério da Educação, 2002.

BRASIL. Resolução nº 2, de 20 de dezembro de 2019. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília: Ministério da Educação, 2019.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoria crítica de la ensiñanza: la investigación-acción en la formación del profesorado. Ediciones Martinez Roca S. A., 1998.

CATANI, A. M.; NOGUEIRA, M. A.; HEY, A. P. Vocabulário Bourdieu. 1ª. ed. Autêntica Editora, 2017.

COELHO, A. M. S.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Olhar o magistério "no próprio espelho": O conceito de profissionalidade e as possibilidades de se repensar o sentido da profissão docente. Revista Portuguesa de Educação, p. 7-34, 2017.

CONTRERAS, J. Autonomia de professores. Trad. Sandra Trabusco Valenzuela. 2ª. ed. Cortez, 2012.

DINIZ-PEREIRA, J. E.; ZEICHNER, K. A pesquisa na Formação e no trabalho docente. Autêntica, 2002.

DUBAR, C.; TRIPIER, P. Sociologie des Professions. Armand Colin, 2003.

ENGUITA, M. F. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Teoria & Educação, n. 4, p. 91-108, 1991.

FORMOSINHO, J. Academização da formação de professores. In: FORMOSINHO, J. Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente. Porto Editora, 2009. p. 73-92.

FREIDSON, E. Renascimento do profissionalismo: Teoria, profecias e políticas. Trad. Mauro Paciomik. Editora USP, 1998.

GATTI, B. A.; BARRETTO, E. S. de S.; ANDRÉ, M. E. D. A.; ALMEIDA, P. C. A. de. Professores do Brasil: novos cenários de formação. UNESCO, 2019.

GAUTHIER, C.; MATINEAU, S.; DESBIENS, J. F.; MALO, A.; SIMARD, D. Por uma teoria da pedagogia: Pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Trad. Francisco Pereira. Unijui, 1998.

GONÇALVES, C. M. Análise sociológica das profissões: principais eixos de desenvolvimento. Sociologia: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. v. 17, 2007.

HAYWOOD-BIRD., E.; KAMEI, A. Activist in (teacher) training: Educator training programs need to do their part. Power and Education. v. 11, n. 2, p. 163-174, 2019. http://10.1177/1757743818809718.

HARGREAVES, A. Four Ages of Professionalism and Professional Learning. Teachers and Teaching: History and Practice, Vol. 6, n. 2, p. 151-182, 2000. http://10.1080/713698714.

HOLMES GROUP. Tomorrow's teachers: A report of the Holmes Group. East Lansing. Holmes Group, 1986.

HUGHES, E. C. The sociological eye. 2nd printing. Transaction Publishers, 1993.

LARSON, M. The Rise of Professionalism. University of California Press, 1977.

LARSON, M. Looking back and a little forward: Reflections on professionalism and teaching as a profession. Radical Teacher - A Socialist, Feminist, and Antiracist Journal on the Theory and Practice of Teaching, n. 99, p. 7-17, 2014.

LAWN, M. Os professores e a fabricação das identidades. Revista Currículo Sem Fronteiras, v.1, n.2, p.117-130, Jul./Dez. 2001.

LIBÂNEO, J. C. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 6ª. ed. rev. e ampl. Heccus, 2013.

MONTEIRO, A. R. Profissão docente: profissionalidade e autoregulação. Cortez, 2015.

NOGUEIRA, M. A.; NOGUEIRA, C. M. Bourdieu & a Educação. 2ª. ed. Autêntica, 2006.

NÓVOA, A. O passado e o presente dos professores. In: NÓVOA, A. Profissão professor. Porto Editora, 1999.

NÓVOA, A. Firmar a posição como professor, afirmar a profissão docente. Cadernos de Pesquisa, v. 47, n. 166, p. 1106-1133, out./dez. 2017.

NÓVOA, A. Entre a formação e a profissão: ensaio sobre o modo como nos tornamos professores. Currículo sem Fronteiras, v. 19, n. 1, 198-208, jan./abr., 2019.

PARSON, T. Professional groups and social structure. In: HOWARD, M.V.; MILLS, D. L. (Orgs.). Professionalization, Prentice-Hall. 1966.

RAMALHO, B. L.; NUÑEZ, I. B.; GAUTHIER, C. Formar o professor, profissionalizar o ensino – perspectivas e desafios. 2ª. ed. Sulina, 2004.

RODRIGUES, M. de L. Sociologia das profissões. 2ª. ed. Celta Editora, 2002.

RUGIU, A. S. Nostalgia do mestre artesão. Autores Associados, 1998.

SARTI, F. M. O triângulo da formação docente: seus jogadores e configurações. Educação e Pesquisa, v. 38, n. 2, p. 323-338, abr./jun. 2012.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Autores Associados, 2013.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo designe para o ensino e aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Artmed, 2000.

SHULMAN, L. Knowledge and teaching: foundations of the new reform. Harvard Educational Review, v. 57, n. 1, p. 1-27, fev. 1987.

SILVESTRE, M. A. Modelos de Formação e Estágios Curriculares. Formação Docente, v. 3, n. 5, p. 30-45, ago./dez. 2011.

SNOEK, M.; DENGERINK, J.; WIT, B. de. Reformulando a profissão de professor como uma profissão dinâmica e multifacetada: uma perspectiva mais ampla sobre a qualidade do professor e as estruturas de competência do professor. Eur. Jounal Educ. n. 54, p. 413-425, 2019.

STARR, P. La Transformación Social de la Medicina en los Estados Unidos de América. Fondo de Cultura Económica, 1991.

TANURI, L. M. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, n. 14, p. 61-89, Mai./Ago. 2000.

TARDIF, M. Saberes Docentes e Formação Profissional. 3ª. ed. Trad. Francisco Pereira. Vozes, 2013a.

TARDIF, M. A profissionalização do ensino passados trinta anos: dois passos para a frente, três para trás. Educação & Sociedade, v. 34, n. 123, junho, 2013b.

TARDIF, M.; LESSARD, C. Trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interação humanas. Vozes, 2005.

TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, v. 1, n. 13, 5-24, 2000.

VENUTO, A. A astrologia como campo profissional em formação. Dados [online], v. 42, n. 4, 761-801, 1999. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0011-52581999000400005 &script=sci_abstract&tlng=pt.

VICENTINI, P. P.; LUGLI, R. G. História da Profissão Docente no Brasil: representações em disputa. Cortez, 2009.

VILLELA, H. de O. S. Do artesanato à profissão: saberes de normalistas no Brasil do século XIX. In: Anais da XXVI Reunião Anual da ANPED, GT: História da Educação/n.02. MG, Poços de Caldas: 2003.

ZEICHNER, K. Repensando as conexões entre a formação na universidade e as experiências de campo na formação de professores em faculdades e universidades. Revista do Centro de Educação, v. 35, n. 10, 479-504, set./dez. 2010.

ZEICHNER, K. Políticas de formação de professores nos Estados Unidos: como e por que elas afetam vários países no mundo?. Trad. Cristina Antunes. Autêntica Editora, 2013.

Publicado
2022-07-02
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 88
  • PDF downloads: 91
Cómo citar
Carvalho Filho, J. J., Fazendeiro Batista, P. M., & Souza Neto, S. de. (2022). LA ENSEÑANZA COMO PROFESIÓN: PROCESOS DE PROFESIONALIZACIÓN EN BRASIL . PARADIGMA, 43(2), 130-153. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2022.p130-153.id1104
Sección
Artículos