Evaluación, criterios de elección y uso de los libros de texto de química: los profesores de Confresa / MT toman la palabra

Palabras clave: Enseñanza de la química, libro didáctico, recurso pedagógico.

Resumen

El Libro Didáctico (LD) es un material pedagógico muy utilizado en las escuelas públicas brasileñas, sirve para dar soporte teórico a docentes y estudiantes de Educación Básica y que acaba influyendo en el desarrollo de las clases. El objetivo de esta investigación fue identificar los criterios de elección, la forma de uso en el aula y la evaluación de los docentes de secundaria que laboran en Confresa / MT en la LD de Química. Esta encuesta descriptiva y exploratoria se realizó en 2019 e involucró a 15 profesores de Química de las 09 escuelas que ofrecen la escuela secundaria en la ciudad. Se utilizó un cuestionario que contenía 15 preguntas abiertas. Los docentes investigados adoptan la contextualización y los contenidos abordados como criterios para la elección de la DA. En cuanto a la evaluación y uso de LD, además del considerable uso de este material didáctico, afirman que LD es un medio de investigación en la elaboración y uso en clases. El LD fue elegido mediante votación en la asamblea, en base al análisis cuidadoso de cada Guía de Libros Didácticos (GLD) que presentó al Programa Nacional de Libros y Material Didáctico (PNLD). El estudio también reveló que la DA es bien evaluada por la mayoría de los profesores, principalmente en lo que respecta a la contextualización y los lenguajes utilizados que consideran apropiados. Por tanto, la DA acaba influyendo en el desempeño de los profesores de Química y en consecuencia en la construcción del conocimiento escolar de los estudiantes.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Marcelo Franco Leão, Instituto Federal de Mato Grosso
Doutorado em Educação em Ciências (UFRGS). Mestre em Ensino (UNIVATES). Especialização em Orientação Educacional (Dom Alberto) e em Relações Raciais na Educação e na Sociedade Brasileira (UFMT). Graduação em Licenciatura em Química (UNISC) e em Física (UNEMAT). Professor do Departamento de Ensino do IFMT Campus Confresa. Membro do Grupo de Pesquisa Ensino de Ciências e Matemática no Baixo Araguaia (EnCiMa).
Antônio Carlos Barros Resplandes, Instituto Federal de Mato Grosso
Licenciatura em Ciências da Natureza com Habilitação em Química (IFMT). Especialização em Ensino de Ciências (IFMT). Professor da Educação Básica na Escola Municipal Vida e Esperança, Confresa/MT. Brasil.

Citas

Augras, M. (1974). Opinião pública: teoria e pesquisa. 2th. Vozes. Petrópolis.

Bardin, L. (2012). Análise de conteúdo. Edições 70. São Paulo.

Batista, A. A. (2003). A avaliação dos livros didáticos: para entender o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). In: Roxane Rojo e Antônio Batista (Org.). Livro didático de Língua Portuguesa, Letramento e Cultura da Escrita. Mercado de Letras. Campinas, SP.

Brasil. (1939). Decreto–Lei nº 1.006, de 30 de dezembro de 1938. Estabelece as condições de produção, importação e utilização do livro didático. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, Seção 1, 05 jan. 1939, p. 277. Disponível em <http://www.lexml.gov.br/urn/urn:lex:br:federal:decreto.lei:1938-12-30;1006>.Acesso em: 22 mar. 2020.

Brasil. (2003). MEC Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Projeto de avaliação dos livros didáticos da 1ª à 4ª série. v. 2th. Brasília.

Britto, L. P. L. (2002). Livro didático e autonomia docente. Scripta, Belo Horizonte, 6(11) 162-170.

Cassab, M.; Martins, I. (2009). A escolha do livro didático em questão. In: Encontro Nacional De Pesquisa Em Educação Em Ciências, 4, 2009, Bauru. Anais... Bauru.

Chassot, A. (1990). A educação no ensino de química. Ijuí: Livraria UNIJUÍ Editora.

Comênio, J. A. (2006). Didática magna. 3 ed. Martins Fontes. São Paulo.

Dallabrida, n. (2009). A reforma Francisco Campos e a modernização nacionalizada do ensino secundário. Educação, 32(2),185-191, mai. Porto Alegre.

Delizoicov, N. C. (1995). O professor de ciências naturais e o livro didático - no ensino de programas de saúde. 1995. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Fernandes, E. F. (2009). A política de seleção/adoção do livro didático paras as escolas de ensino médio da rede estadual de ensino do município de Itapipoca. 2009. 46 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas) - Curso de Ciências Biológicas, Universidade Estadual do Ceará, Itapipoca.

Freitag, B.; Motta, V. R.; Costa, W. F. (1989). O Livro Didático em Questão. Cortez Autores Associados. São Paulo.

Gérard, F. M.; Roegiers, X. (1998). Conceber e avaliar manuais escolares. Porto. Porto.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 th. Atlas. São Paulo.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 th. Atlas. São Paulo.

Godoy, A. S. (2005). Refletindo sobre critérios de qualidade da pesquisa qualitativa. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 3(2), 81-89, mai./ago.

Lopes, A. R. C. (1992). Livros didáticos: Obstáculos ao aprendizado da ciência química I – Obstáculos animistas e realistas. Química Nova, 15(3), 254-281.

Laville, C.; Dionne, J. (1999). A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. UFMG. Belo Horizonte.

Lima, M. E. C. de C.; Silva, P. S. (2010). Critérios que professores de química apontam como orientadores da escolha do livro didático. Ensaio, 12(2), 121-135, mai. /Ago. Belo Horizonte.

Loguercio, R.Q.; Samrsla, V.E.E.; Del Pino, J.C. (2001). A dinâmica analisar livros didáticos com os professores de química. Química Nova, 24(4), 557-562.

Lopes, A. C. (2005). O livro didático nas políticas de currículo. In: Pereira, M. Z.; Moura, A. Políticas e práticas curriculares – impasses, tendências e perspectivas. Idéia. João Pessoa.

Lopes, A. R. C. (1990). Livros didáticos: obstáculos ao aprendizado da ciência química. 1990. 303f. Dissertação. (Mestrado em Educação) - Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro.

Machado, N. J. (2018). Grupo de Estudos da Educação Básica Pública Brasileira: Dificuldades Aparentes, Desafios Reais. Diagnósticos e Propostas para a Educação Básica Brasileira. Instituto de Estudos Avançados da USP, 2018. Disponível em: http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/diagnosticos-e-propostas-para-a-educacao-basica-brasileira Acesso em 25 jan. 2020.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5 th. São Paulo: Atlas, 2003.

Martinez, M. A. F.; Zácaro, P.M.D. (2007). Desvios posturais devido à sobrecarga de mochila. Anais do XI Encontro Latino Americano de Iniciação Científica e VII Encontro Latino Americano de Pós-Graduação. São José dos Campos / São Paulo.

Martins, E. de F.; Sales, N. A. de O.; Souza, C. A. (2009). O Estado, o Mercado Editorial e o Professor no Processo de Seleção dos Livros Didáticos. Estudos em Avaliação Educacional, 20(42), 11-26, jan. /abr. São Paulo.

Maroja, C. (2007). O Currículo de Química nas Escolas Públicas de Ensino Médio da Cidade de São Paulo. 219f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo.

Mello, J. D. de. (2004). O livro didático como currículo escrito. Anais do VI Colóquio sobre questões curriculares / I Colóquio luso-brasileiro. v. 1 th, CD-ROM.

Mendes Sobrinho, J. A. C.; Leal, L. M. (2002). O Livro Didático de Ciências Naturais: Influências na Prática Pedagógica. In: II Encontro de Pesquisa em Educação da UFPI, Teresina.

Nali, M. A. G. (2003). Considerações sobre o conceito de “Natureza” em Comenius. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 24(1), 75-86, set. Londrina.

Ministério da Educação. (2005). Secretaria de Educação Básica. Edital de convocação para inscrição no processo de seleção de material didático da língua espanhola para professores do Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB/FNDE.

Ministério da Educação. (2013). Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Programa Nacional do Livro Didático: legislações. Brasília: FUNDEB. Disponível em: <http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didático>. Acesso em: 20 mar. 2020.

Ministério da Educação. (2014). Secretaria de Educação Básica. Guia de livros didáticos: PNLD 2015: Química: ensino médio. Brasília.

Mortimer, E. F. (1988). A evolução dos livros didáticos de química destinados ao ensino secundário. Em aberto, 7(40), 25-41, out. /dez. Brasília.

Mortimer, E. F. (2000). Linguagem e formação de conceitos no ensino de ciências. Ed. UFMG. Belo Horizonte.

Nuñez, I. B.; Ramalho, B. L.; Silva, I. K. P.; Campos, A.P.N. (2003). A seleção dos livros didáticos: um saber necessário ao professor. O caso do ensino de ciências. Revista Ibero americana de Educación.

Peruzzo, T. M.; Canto, E. L. (1999). Química-Coleção Base. Moderna. São Paulo.

Ramalho, B. L.; Nuñez, I. B.; Gauthier, C. (2000). Quando o desafio é mobilizar o pensamento pedagógico do professor: uma experiência centrada na formação continuada. http://www.anped.org.br

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas.3 th. Atlas. São Paulo.

Roque, N. F.; Silva, J. L. P. B. (2008). A linguagem química e o ensino de química orgânica. Química Nova, 31(4), 921-923. São Paulo.

Santos, B. S. (1998). Introdução a uma Ciência Pós-Moderna. Edições Afrontamento. Porto.

Santos, S. M. O. (2006). Critérios para avaliação de livros didáticos de química para o Ensino Médio. 2006. 235 f. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Ensino de Ciências) –Universidade de Brasília, Brasília.

Santos, S. M. O.; Mol, G. S. (2005). Critérios de avaliação de livros didáticos de Química para o ensino médio. In: Atas do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Bauru.

Santos, W. L. P; Schnetzler, R. P. (1996). Função social: o que significa ensino de química para formar cidadão? Química Nova na Escola, 2(4), 28-34, nov. São Paulo.

Schnetzler, R. P. (2010). Educação em Química: Compromisso com a cidadania. 4 th. Unijuí. Ijuí.

Silva, A. M. (2011). Proposta para Tornar o Ensino de Química mais atraente. Revista de Química Industrial, 7(31), 7-12.

Silveira, H. E.; Cicillini, G. A. (2001). O conhecimento químico em apostilas do ensino Fundamental. Ensino em Revista, 9(1), 135-156, jul. /jun. Uberlândia.

Silvério, J. (2012). Atividades experimentais em sala de aula para o ensino de química: percepção dos alunos e professor. 2012. 50f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado e Licenciatura em Química) –Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Pato Branco.

Publicado
2021-11-13
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 68
  • PDF downloads: 40
Cómo citar
Leão, M. F., & Resplandes, A. C. B. (2021). Evaluación, criterios de elección y uso de los libros de texto de química: los profesores de Confresa / MT toman la palabra . PARADIGMA, 42(2), 01-26. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2021.p01-26.id1034