Articulando Combinatória e Probabilidade: Jovens e Adultos Revisitando Problemas Combinatórios via Construção de Espaços Amostrais

Palabras clave: Combinatória, Probabilidade, Educação de Jovens e Adultos, Espaço Amostral

Resumen

O presente artigo discute contribuições que a articulação entre combinatória e probabilidade baseada na construção de espaços amostrais pode trazer para o desempenho na resolução de problemas combinatórios variados (arranjo, combinação, permutação e produto cartesiano). Os dados da pesquisa foram coletados junto a 24 estudantes brasileiros, concluintes de diferentes etapas da escolarização básica na modalidade de ensino denominada Educação de Jovens e Adultos. Corroborando achados de estudos anteriores, o problema de produto cartesiano foi aquele no qual os melhores desempenhos foram observados, enquanto o de combinação foi aquele no qual os desempenhos mais fracos foram obtidos pelos participantes. A revisitação aos problemas propostos, nos dois tipos de teste utilizados, consistiu em um rico momento de descoberta de novas possibilidades e/ou análise daquelas já indicadas. Tal articulação, pautada em revisitações, proporcionou, ainda, uma oportunidade de reflexões acerca das relações de ordem e de escolha que caracterizam cada uma das situações combinatórias exploradas nos problemas. Estes resultados dão indícios da potencialidade de um trabalho articulado entre combinatória e probabilidade para o desenvolvimento de ambos os raciocínios.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Ewellen Tenorio de Lima, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Professora de Matemática na Rede Estadual de Ensino da Paraíba. Licenciada em Matemática (Universidade de Pernambuco - UPE). Mestre em Educação Matemática e Tecnológica (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE). Doutoranda em Educação Matemática e Tecnológica (UFPE). Membro do Grupo de Estudos em Raciocínios Combinatório e Probabilístico - Geração. Linha de Investigação: Processos de ensino e de aprendizagem. Email: ewellentlima@gmail.com 
Rute Elizabete de Souza Rosa Borba, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Professora da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Psicologia Cognitiva (UFPE). PhD (Oxford Brookes University).  Líder do Grupo de Estudos em Raciocínios Combinatório e Probabilístico - Geração. Linha de Investigação: Processos de ensino e de aprendizagem. Email: resrborba@gmail.com  

Citas

Azevedo, J. (2013). Alunos de anos iniciais construindo árvores de possibilidades: é melhor no papel ou no computador? Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Batanero, C., Godino, J. & Navarro-Pelayo, V. (1996). Razonamiento combinatorio. Madrid: Síntesis.
Borba, R. (2010). O raciocínio combinatório na educação básica. Anais do Encontro Nacional de Educação Matemática X ENEM. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B3nOb_rG1DUhaHd2YVBKVllRVm8/view
Borba, R. (2016). Antes cedo do que tarde: O aprendizado da combinatória no início da escolarização. Anais do Encontro de Combinatória, Estatística e Probabilidade dos Anos Iniciais Recife: Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0ByUlyzknmdPLb0lBak04R1RnMWc/view
Bryant, P., Nunes, T. (2012). Children’s understanding of probability: a literature review.Orford: UK: Nuffield Foundation
Carraher, T. (1998). O método clínico usando os exames de Piaget. São Paulo: Cortez.
Fernandes, J. A., Correia, P. & Roa, R. (2010). Aquisição das operações combinatórias por alunos pré-universitários através de uma intervenção de ensino. Revista Latinoamericana de Investigación en Matemática Educativa, 13 (2), 215-242.
Kapon, S., Ron, G., Hershkowitz, R. & Dreyfus, T. (2015). Perceiving permutations as distinct outcomes: the accommodation of a complex knowledge system. Educational Studies in Mathematics, 88(1), 43-64. https://doi.org/10.1007/s10649-014-9570-2.
Lima, E. (2018). Raciocínios combinatório e probabilístico na EJA: investigando relações. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Lima, R. (2010). O raciocínio combinatório de alunos da educação de jovens e adultos: do início da escolarização até o ensino médio. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. Recife.
Lima, E. & Borba, R. (2017). A determinação de espaços amostrais na resolução de problemas combinatórios na EJA. Canoas: Anais do Congresso Internacional de Ensino da Matemática – VII CIEM. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1KdWJjxpegfDAQKPKhLR1BkUuDXi7DCAe/view
Lima, E. & Borba, R. (2018). Relações entre o raciocínio combinatório e o raciocínio probabilístico na EJA. Revista Paranaense de Educação Matemática, 7(13), 33-60.
Lima, E. & Borba, R. (2019a). Articulando os raciocínios combinatório e probabilístico a partir da resolução de problemas na EJA. Educação Matemática Pesquisa, 21(1), 136- 159. http://dx.doi.org/10.23925/1983-3156.2019v21i1p136-159
Lima, E. & Borba, R. (2019b). A influência da escolarização na resolução de problemas combinatórios e probabilísticos: um estudo realizado na educação de jovens e adultos. Educação Matemática em Revista, 20(2), 134-146.
Lima, E. & Borba, R. (2020). Investigando relações entre os raciocínios combinatório e probabilístico na educação de jovens e adultos. Acta Scientiae, 22(2), 134-149. https://doi.org/10.17648/acta.scientiae.5383
Lockwood, E. (2012). Counting using sets of outcomes. Mathematics Teaching in the Middle School, 18(3), 132-135.
MEC (1996). Lei de diretrizes e bases da educação nacional – Lei n. 9394/96. Brasília: MEC.
Morgado, A., Pitombeira de Carvalho, J., Pinto de Carvalho, P., & Fernandez, P. (1991). Análise combinatória e probabilidade. Rio de Janeiro: Graftex.
Navarro-Pelayo, V., Batanero, C., & Godino, J. (1996). Razonamiento combinatorio en alumnos de secundaria. Educación Matemática, 8(1), 26-39.
Nunes, T., Bryant, P., Evans, D., Gottardis, L., & Terlektsi, M. (2014). The cognitive demands of understanding the sample space. ZDM. The International Journal on Mathematics Education, 46(3), 437-448.
Oliveira, M. K. (1999). Jovens e adultos como sujeitos de conhecimento e aprendizagem. ANPED. Revista Brasileira de Educação, 12, 59-73.
Pessoa, C. (2009). Quem dança com quem: o desenvolvimento do raciocínio combinatório do 2º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio. Tese de Doutorado. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Rubel, L., Lim, V., Hall-Wieckert, M., & Sullivan, M. (2016). Teaching mathematics for spatial justice: an investigation of the lottery. Cognition and Instruction, 34(1), 1-26.
Sacristán, J. G. (2000). O currículo: Uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed.
Silva, R. (2016). É a moeda que diz, não é a gente que quer não: conhecimentos probabilísticos de crianças em situações de jogos. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
Souza, L., Souza, G., & Silveira, M. (2019). Probabilidade no ensino médio: uma investigação ação em contraste com o currículo. Caminhos da Educação Matemática em Revista, 9(2), 205-222.
Vergnaud, G. (1986). Psicologia do desenvolvimento cognitivo e didática das matemáticas. Um exemplo: as estruturas aditivas. Análise Psicológica, 1, 75-90.
Vergnaud, G. (1996). A teoria dos campos conceptuais. In J. Brum (Org.),Didáctica das Matemáticas (pp. 155-191). Lisboa: Horizontes Pedagógicos,
Zwanch, K. (2019). A preliminary genetic decomposition of probabilistic independence. The Mathematics Educator, 28(1), 3-26.
Publicado
2021-02-22
Métricas
  • Visualizaciones del Artículo 31
  • PDF downloads: 22
Cómo citar
Tenorio de Lima, E., & de Souza Rosa Borba, R. E. (2021). Articulando Combinatória e Probabilidade: Jovens e Adultos Revisitando Problemas Combinatórios via Construção de Espaços Amostrais. PARADIGMA, 41(e1), 257-284. https://doi.org/10.37618/PARADIGMA.1011-2251.2021.p257-284.id1025